Criptoativos

Criptos hoje: Bitcoin vai a US$ 50.000, moeda meme dispara 50% e mais notícias

Mercado cripto volta a subir com apoio de capital institucional após injeção de US$ 1,75 bilhão por dia em uma semana

Por  Paulo Alves -

SÃO PAULO – O Bitcoin (BTC) volta a abrir o dia em alta após iniciar o mês de outubro com fortes ganhos e acaba de ultrapassar novamente a barreira dos US$ 50.000, marca que não alcançava há um mês. Negociada a US$ 50.183 às 7h, a criptomoeda passa a acumular valorização de 5,5% no dia e 14% na semana.

O preço vem acompanhado de forte entrada de capital institucional, que serviu para proteger o nível de suporte de US$ 40.000 na semana passada com injeção diária de US$ 1,75 bilhão, segundo dados da casa de análise Glassnode.

Maiores especialistas do Brasil te ensinam a investir melhor nessa classe de ativos: conheça o curso Criptoinvestidor!

Demais criptomoedas do mercado, chamadas de altcoins, também registram fortes ganhos no dia. O Ethereum (ETH) sobe 2,6% para US$ 3.448 e o token Internet Computer (ICP) avança 12,8%. Mas, o destaque do dia é a criptomoeda meme Shiba Inu (SHIB), que valoriza mais de 50% nas últimas 24 horas, seguida de vários ativos do universo das finanças descentralizadas (DeFi)

Os ganhos no mercado cripto, que volta a valer US$ 2,27 trilhões, também vêm na esteira do crescimento da adoção na Ásia, apesar das recentes medidas restritivas impostas pelo governo Chinês. De acordo com a Chainalysis, as transações de criptomoedas nas regiões da Ásia Central, Sul da Ásia e Oceania dispararam 706% em um ano e atingiram US$ 572,5 bilhões – a maior fatia foi investida por fundos institucionais.

Já no Brasil, o mercado regulado de criptomoedas ganhou as primeiras opções de investimento em tokens não-fungíveis (NFT), setor que apresenta forte crescimento no ano e tem papel importante na popularização de jogos como Axie Infinity (AXS), que oferece renda ao jogador.

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 7h00:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC)US$ 50.183+5,5%
Ethereum (ETH)US$ 3.448+2,6%
Cardano (ADA)US$ 2,25+2,4%
Binance Coin (BNB)US$ 436+3,5%
XRP (XRP)US$ 1,06+2,6%

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Shiba Inu (SHIB)US$ 0,00001353+54,7%
Klaytn (KLAY)US$ 1,42+14,7%
Internet Computer (ICP)US$ 55,28+12,8%
Stacks (STX)US$ 1,45+10,09%
Flow (FLOW)US$ 21,56+10,07%

As criptomoedas com as maiores baixas nas últimas 24 horas:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
dYdX (DYDX)US$ 23,94-7,8%
OMG Network (OMG)US$ 16,61-7,0%
Axie Infinity (AXS)US$ 141,23-6,1%
Tezos (XTZ)US$ 8,54-5,9%
Qtum (QTUM)US$ 13,49-4,0%

Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETFPreçoVariação
Hashdex NCI (HASH11)R$ 48,58+3,60%
Hashdex BTCN (BITH11)R$ 64,99+5,67%
Hashdex Ethereum (ETHE11)R$ 55,76+4,22%
QR Bitcoin (QBTC11)R$ 17,04+4,86%
QR Ether (QETH11)R$ 13,48+4,90%

Veja as principais notícias do mercado cripto desta terça-feira (5):

Vitreo anuncia fundo que investe em NFTs

A gestora Vitreo lança até quarta-feira (6) dois novos fundos que investem em ativos ligados ao setor de tokens não-fungíveis (NFT). Investidores que optarem por cotas dos novos produtos ganharão exposição a seis NFTs de jogos construídos no formato jogue para ganhar (play to earn), como o Axie Infinity (AXS).

Um dos fundos será voltado para investidores qualificados, terá gestão ativa e oferecerá 100% de exposição aos criptoativos da cesta, conforme permitido pela norma da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Já o segundo fundo será oferecido ao investidor comum (varejo) e terá exposição de 20% aos ativos digitais por meio de gestão ativa. O restante será alocado em um ETF de criptomoedas que acompanha o índice Nasdaq Cripto Index.

Os novos produtos se somarão às 21 opções disponíveis no mercado brasileiro desde 2018. Até aqui, os fundos acumulam US$ 2,7 bilhão em ativos.

Emissora da stablecoin USDC sob investigação nos EUA

A Circle, empresa emissora da stablecoin (criptomoeda pareada com moeda ficudiária) USD Coin (USDC) está sob investigação nos Estados Unidos e foi intimada pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) a prestar esclarecimentos.

A intimação ocorreu em julho, mas só foi revelada em um documento publicado ontem no site da SEC. Em nota, a Circle disse que irá cooperar com a SEC fornecendo “documentos e informações sobre algumas de nossas participações, programas de clientes e operações”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais detalhes da investigação não foram revelados, mas o caso vem à tona logo após a Circle anunciar o Circle Yield, um produto de rendimento em criptomoedas. Paira a suspeita de que a SEC esteja de olho na novidade e possa barrar seu lançamento assim como fez com um produto similar anunciado pela Coinbase e que logo foi suspenso após pressão dos reguladores.

A investigação também ocorre em meio a uma ampla ofensiva dos reguladores americanos contra as stablecoins, as quais julgam ameaçar a estabilidade do sistema financeiro por supostamente não protegerem o capital dos usuários.

A USDC é a segunda maior stablecoin do mundo, atrás somente da Tether (USDT), com US$ 32,3 bilhões de valor de mercado.

Ethereum atinge marca de US$ 6 trilhões em transações liquidadas em um ano

O Ethereum atingiu a marca expressiva de US$ 6,2 trilhões em transações liquidadas nos últimos 12 meses, uma alta de 369% em relação ao ano anterior. Desses, US$ 1,5 trilhão passaram pela blockchain apenas no terceiro trimestre de 2021. Os dados são da casa de análise Messari.

Segundo o relatório, cerca de 55% desse montante vem de transações de stablecoins como USDT e USDC, que rodam na rede Ethereum. O restante é da criptomoeda nativa ETH, cujo preço também acompanhou a tendência e já soma 876% de alta nos últimos 12 meses.

O alto volume é alimentado pelos booms das finanças descentralizadas e dos NFTs, e reflete diretamente no faturamento dos mineradores, que ganham até 43 vezes mais do que os que se dedicam à mineração do Bitcoin.

Por outro lado, a indústria de mineração do Ethereum está com os dias contados: está em curso a atualização Ethereum 2.0, prevista para meados de 2022, que prevê a mudança no mecanismo de validação dos blocos substituindo a mineração tradicional por poder computacional pelo staking, que se baseia na quantidade de ETH acumulada pelo validador.

Dificuldade de mineração de Bitcoin se aproxima de máxima histórica

Mineradores de Bitcoin podem faturar menos que os de Ethereum, mas a atividade não deixa de passar por bom momento. A taxa de hash, um número que mede o poder computacional dedicado à validação de blocos da blockchain da criptomoeda, está no nível mais alto desde o banimento de mineradores da China no primeiro semestre.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta terça-feira (5), a rede do Bitcoin registra alta de 4,71% na taxa de hash, a sexta consecutiva desde o final de julho. Para especialistas da Glassnode, o momento marca uma franca recuperação na taxa de poder computacional empregada na validação, reafirmando o êxodo de mineradores da China para outros países, como Cazaquistão e Estados Unidos.

A lucratividade da mineração de também aumentou significativos 275% desde o corte pela metade da recompensa (evento conhecido como halving) em maio de 2020. Agora, mineradores faturam cerca de US$ 40 milhões diariamente.

“Apesar das mudanças dramáticas no mercado de mineração, várias correções de preços profundas e um evento que cortou pela metade [a recompensa] em maio de 2020, o valor da recompensa do bloco Bitcoin continua a aumentar, criando incentivos para o mercado se adaptar, inovar e se recuperar”, apontou o relatório.

Axie Infinity levanta US$ 152 milhões em nova rodada de investimento

A desenvolvedora do jogo play to earn (jogue para ganhar) Axie Infinity, Sky Mavis, fechou uma rodada de investimento Série B de US$ 152 milhões na terça-feira (4) com aportes da corretora de criptomoedas FTX, do fundo Andreessen Horowitz, além de Paradigm, Samsung Next, entre outros fundos.

Em nota, a empresa disse que o dinheiro permitirá fazer o negócio crescer sem precisar liquidar o token AXS no mercado, que recentemente disparou para uma nova máxima de US$ 155.

“Embora tenhamos escalado a um ritmo surpreendente, adicionar investidores institucionais à nossa comunidade nos permitirá expandir nosso alcance, reforçar nossa legitimidade quando se trata de proteção regulatória e nos dará a flexibilidade de escalar e contratar agressivamente sem tocar em nossas reservas simbólicas de AXS”, disse a desenvolvedora em comunicado.

Em queda de 9,8% nesta quarta-feira (5), negociado a US$ 136, o token AXS ainda acumula alta de quase 150% nas duas últimas semanas após o anúncio de uma exchange própria e da possibilidade de comprar ativos usados no jogo sem precisar de corretoras convencionais.

Maiores especialistas do Brasil te ensinam a investir melhor nessa classe de ativos: conheça o curso Criptoinvestidor!

Compartilhe