Criptoativos

Rivais do Ethereum sobem, Meta reverte proibição e mais assuntos que vão movimentar o mercado de criptos hoje

Solana e Terra, dois rivais do Ethereum, são os principais destaques de dia marcado por baixa volatilidade no mercado

Por  Paulo Alves -

O baixo desempenho no mês de novembro em meio a uma aversão ao risco que abalou também as bolsas mundiais traz desânimo para os investidores de Bitcoin (BTC) e faz o preço operar novamente abaixo dos US$ 57 mil, com baixa volatilidade nesta manhã.

Em momento frio também para demais criptomoedas, o valor de mercado total estaciona nos US$ 2,74 trilhões e, ao contrário do que vinha acontecendo nos últimos dias, nenhum ativo digital sobe dois dígitos no momento.

Quer aprender a investir em criptoativos de graça, de forma prática e inteligente? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir

No top 10 de criptos por capitalização, apenas a Solana (SOL) apresenta alta hoje, com ganhos de 2%. Mas, o destaque do dia é outra rival do Ethereum (ETH): a Terra (LUNA), que avança 7,8%.

Já o ETH recua 3,5% e volta a ser negociado por menos de US$ 4.600. Binance Coin (BNB) e XRP (XRP) também cedem mais de 3% e a Polkadot (DOT) cai 4,9%. Enquanto isso, Stacks (STX) e Basic Attention Token (BAT) perdem 12% e 10%, respectivamente, após fortes ganhos na última semana.

A Dogecoin (DOGE) chegou a ensaiar forte alta por volta das 5h, novamente reagindo a uma postagem de Elon Musk no Twitter. Em resposta a uma publicação sobre o congestionamento da rede Ethereum, o CEO da Tesla e da SpaceX sugeriu que a criptomoeda meme poderia ser uma alternativa escrevendo: “Dooooge”.

Foi o suficiente para o ativo disparar 8% em poucos minutos, ultrapassando brevemente a marca de US$ 0,22 que havia sido perdida no dia 30 de novembro. O rali, no entanto, esfriou em pouco tempo. Às 7h25, ela operava perto da estabilidade, com leve ganho de 0,1%, a US$ 0,21.

O mercado como um todo não foi impactado pela mudança de política da Meta, que reverteu o banimento de publicidade sobre criptos no Facebook.

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 7h25:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC)US$ 56.690,31-0,7%
Ethereum (ETH)US$ 4.577,09-3,6%
Binance Coin (BNB)US$ 621,85-3,2%
Solana (SOL)US$ 226,89+2,0%
Cardano (ADA)US$ 1,57-1,5%

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Terra (LUNA)US$ 61,99+7,8%
OKB (OKB)US$ 27,13+7,2%
Polygon (MATIC)US$ 2,07+7,1%
Uniswap (UNI)US$ 22,56+4,3%
Marinade staked SOL (MSOL)US$ 231,67+2,7%

As criptomoedas com as maiores baixas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Stacks (STX)US$ 2,63-11,5%
Basic Attention Token (SHIB)US$ 1,42-9,6%
PancakeSwap (CAKE)US$ 13,21-7,6%
Olympus (OHM)US$ 746,17-8,9%
IoTeX (IOTX)US$ 0,149050-7,9%

Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETFPreçoVariação
Hashdex NCI (HASH11)R$ 62,17-0,82%
Hashdex BTCN (BITH11)R$ 77,15-0,32%
Hashdex Ethereum (ETHE11)R$ 78,00-2,5%
QR Bitcoin (QBTC11)R$ 20,30-2,63%
QR Ether (QETH11)R$ 19,28-0,25%

Veja as principais notícias do mercado cripto desta quinta-feira (2):

Meta libera publicidade sobre criptomoedas no Facebook

A Meta anunciou uma nova política para publicidade de criptomoedas no Facebook. A decisão, que na prática suspende uma proibição desse tipo de propaganda até então em vigor na plataforma, seria justificada pela maturidade do mercado e pelas medidas regulatórias no setor.

“Estamos fazendo isso porque o cenário das criptomoedas continuou a amadurecer e se estabilizar nos últimos anos e tem visto mais regulamentações governamentais que estão estabelecendo regras mais claras para seu setor”, disse a empresa em comunicado divulgado ontem.

Apesar da liberação, a rede social continuará a exigir uma pré-aprovação para rodar anúncios relacionados a corretoras, plataformas de empréstimos e carteiras e equipamentos para mineração de criptomoedas.

A companhia, no entanto, admite que a indústria de criptomoedas cresce em um ritmo rápido, e que portanto, pode “refinar essas regras com o tempo”.

Baleias dominam as finanças descentralizadas no Ethereum

As baleias, como são chamados os investidores com grande capital, dominam as negociações em protocolos de finanças descentralizadas (DeFi) que rodam no Ethereum. Segundo um levantamento da Kaiko, empresa francesa especializada em dados de ativos digitais, trades de grandes valores são a maioria nas exchanges descentralizadas (DEX).

Na Curve Finance, por exemplo, as negociações ficam, em média, na casa dos US$ 500 mil e US$ 1 milhão. Os números de demais exchanges são menores, mas ainda assim considerados altos demais comparados com as corretoras convencionais. Enquanto Uniswap, SushiSwap e Balancer registram trades de US$ 10 mil a US$ 20 mil, a média de bolsas centralizadas fica entre US$ 2 mil e US$ 4 mil.

“Os tamanhos médios de negociações aumentaram em todas as DEXs nos últimos meses, enquanto o número real de negociações permaneceu estável, o que sugere que o perfil do trader médio agora se volta mais para as baleias”, disse a Kaiko em nota.

O comportamento, apontou a análise, se deve às altas taxas de rede cobradas pela rede Ethereum, que afastam o usuário que deseja negociar valores menores. As taxas caras são vistas como o principal gargalo dessa blockchain, o que abre caminho para o crescimento de rivais como Binance Chain, Solana, Polkadot, Terra e Avalanche.

Enjin reúne 70 projetos de blockchain para criar infraestrutura do metaverso

A Enjin (ENJ) anunciou uma nova colaboração com mais de 70 projetos blockchain para dar a largada na criação da infraestrutura necessária para o metaverso descentralizado, em oposição às iniciativas centralizadas de empresas como Meta e Microsoft.

Os defensores do metaverso descentralizado dizem que a utopia futurista de um ambiente virtual sempre online só poderá ser alcança com a distribuição do trabalho de desenvolvimento e poder computacional permitido pela descentralização. No entanto, a proposta esbarra na compatibilidade entre diferentes soluções criadas por desenvolvedores.

A promessa da nova iniciativa, portanto, é oferecer compatibilidade entre aplicativos descentralizados, como jogos, plataformas de arte digital, de modo que ativos e usuários possam se mover livremente entre eles.

O esforço conjunto pretende construir um ambiente em que diversos projetos diferentes de metaverso poderão se comunicar, independentemente da blockchain onde foram inicialmente desenvolvidos. A Efinity, que funciona com tecnologia da Polkadot, será a plataforma de intermediação entre os softwares.

Corretora brasileira lança token que compensa emissões de carbono

A corretora de criptomoedas brasileira BitcoinToYou anunciou ontem o token CO2R, que visa compensar a emissão de carbono na atmosfera. Cada token equivale a um crédito de carbono, cabendo ao comprador equiparar a quantidade de créditos adquiridos ao volume de CO2 emitido na atmosfera, para que possa ter o certificado validado.

“O crédito de carbono que dá lastro ao token, faz parte do mercado regulado, e não o voluntário, dando grande valorização ao ativo. Por isso, o Serviço Social do Transporte, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest Senat) e a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), que reúnem as maiores transportadoras do Brasil, também são parceiros do projeto, estimulando seus membros a compensarem sua pegada de carbono”, ressalta Horta.

O token, que é emitido na Binance Smart Chain, custará inicialmente menos do que o preço praticado no mercado de crédito de carbono. Ele terá 50 mil unidades lançadas em sete lotes.

Metade dos investidores de cripto brasileiros começou a comprar há um ano ou menos

Segundo uma pesquisa realizada pela Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas (FGV EESP), em parceria com o University Blockchain Resarch Initiative (UBRI) e a gestora Hashdex, 50% dos investidores de criptomoedas começaram a investir neste mercado entre os anos de 2020 e 2021.

Já 38% iniciaram os investimentos nos anos de 2017, 2018 e 2019, e apenas 12% dos entrevistados responderam ter começado a comprar criptomoedas em 2016 ou antes.

Além disso, pouco mais da metade (56,59%) dos entrevistados disse buscar informações por conta própria em vídeos e tutoriais da internet para aprender sobre criptomoedas. Entre os que já investem, 26% contam com cursos superiores relacionados às finanças, contra 18% no grupo que ainda não fez aportes.

Ainda de acordo com o levantamento, predomina entre os investidores o gênero masculino (88%) e idade na faixa de 30 a 39 anos (34%).

O estudo ouviu 576 investidores, sendo 446 homens e 130 mulheres, da base de clientes de escritórios de agentes autônomos parceiros, como Monte Bravo Investimentos, Blue3 Investimentos, Acqua-Vero Investimentos, One Investimentos e Renova Invest, entre fevereiro e março de 2021.

Protocolo DeFi tem US$ 120 milhões roubados em novo ataque hacker

O protocolo de finanças descentralizadas (DeFi) BadgerDAO, que oferece empréstimos e rendimentos em cripto, foi algo de um ataque hacker calculado em US$ 120 milhões de ativos digitais roubados.

O episódio, identificado na noite de ontem, envolveu possivelmente a exploração do site do projeto, que enviava pedidos de liberação de permissões obscuras para usuários. O objetivo era liberar o acesso do atacante às carteiras das vítimas.

“Assim que percebemos, congelamos todos os cofres para que nada se mova e estamos tentando descobrir de onde vieram as aprovações, quantas pessoas as têm e quais são os próximos passos”, acrescentou.

Ainda assim, diversos usuários que concederam a permissão tiveram saldos totalmente sacados para a carteira do hacker, resultando no prejuízo multimilionário.

O BADGER, token da plataforma, reagiu com forte queda de 18,5% nas primeiras horas da manhã de hoje.

Quer aprender a investir em criptoativos de graça, de forma prática e inteligente? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir

Compartilhe