Liquidações em cascata

Criptomoeda DeFi despenca 90% após crise de liquidez; entenda

Segundo especialistas, sequência de liquidações com excesso de colateral levaram à queda repentina de preço

Por  CoinDesk -

Uma criptomoeda chamada ICHI, que funciona como token de governança do projeto de mesmo nome, caiu cerca de 90% nas últimas 24 horas após uma série de liquidações em cascata na plataforma de empréstimos Rari.

“No momento, o pool da Ichi está passando por insolvência devido a liquidações em cascata”, informou a Rari ontem (11), via Twitter. “Esse é uma pool permissionless [que não necessita de autorização de instituição central], que pertence e é operada pela Ichi Foundation.”

A queda aconteceu quando o protocolo Fuse, da Rari, vendeu automaticamente tokens ICHI em um dos pools para equilibrar a proporção em relação a outras criptos que caíam em meio ao recuo dos mercados ontem. Em DeFi, é comum que usuários depositem pares de criptomoedas no mesmo valor para obter juros de volta. A proporção é gerida por smart contracts.

No entanto, a baixa liquidez do token em exchanges descentralizadas (DEX) fez o valor da cripto a despencar de repente, esvaziando o pool de depósitos. Até o fechamento da matéria, a liquidez da criptomoeda está zerada, já que o pool foi liquidado com a queda nos preços de criptomoedas.

Na prática, a falta de liquidez torna sem valor as criptos que não chegaram a ser vendidas e ficaram nas mãos dos usuários, pois não há compradores disponíveis.

Leia também:

Como a plataforma funciona

A plataforma Rari permite que usuários cedam e emprestem qualquer ativo em suas pools no protocolo Fuse para renda passiva. Usuários podem fazer os próprios pools com uma cesta de ativos criados na rede Ethereum (ETH). Outros podem depositar fundos nelas para ganhar rendimentos, gerados como recompensas por atividades de trading nesses pools de liquidez.

A Ichi permite que comunidades de criptomoedas cunhem stablecoins ao lastrear cada token criado em US$ 1. Por exemplo, o token oneBTC, criado na Ichi, foi inicialmente lastreado em quantidades iguais de USD Coin, stablecoin atrelada ao dólar americano, e de wrapped Bitcoin (WBTC), com a proporção de wBTC aumentando conforme aumentam as reservas em Bitcoin.

O pool que foi causa da crise consistia desses ativos emitidos pela Ichi. Dados mostram que cerca de US$ 124 milhões — entre wBTC, oneBTC, ICHI e seis outros ativos — estavam trancados no protocolo Fuse, da Rari.

Como o ICHI caiu 90%

A Ichi, que criou o pool na plataforma Rari, estabeleceu um fator colateral de 85% no ICHI e permitiu que centenas de milhões de dólares fossem usados como colateral. O fator colateral refere-se à quantia máxima de dinheiro que pode ser retirada usando ativos ofertados como colateral. Ou seja, a qualquer momento, usuários oferecendo 100 ICHI como colateral podem pegar emprestado, no máximo, um valor de 85 ICHI em outros ativos.

“A liquidez foi estruturada de tal maneira que o volume maior ficou abaixo do preço de mercado, permitindo que o pool absorvesse vendas com impacto mínimo”, explicou Aswath Balakrishnan, vice-presidente de pesquisa na Delphi Digital, ao CoinDesk. “[Mas] Não havia liquidez suficiente para absorver todas as liquidações do ICHI, o que levou o preço a despencar.”

Desenvolvedores da Rari apontaram que o alto fator colateral e a falta de limites na oferta contribuíram para a queda.

“Um fator colateral de 85% é altíssimo”, escreveu Jack Longarzo, desenvolvedor da Rari, no Twitter. “Além disso, a equipe não usou limites de oferta e permitiu que uma quantidade infinita de ICHI fosse usada como colateral. Isso possibilitou que holders de ICHI fizessem empréstimos contra um colateral ilimitado.”

“Se, em um pool, você observar colateral muito acima do que pode ser liquidado, isso é um péssimo sinal. Liquidações em cascata podem causar diminuição rápida no preço, secar a liquidez e deixar o pool com insolvência”, acrescentou.

A queda

O token ICHI estava sendo negociado a mais de US$ 120 ontem. Dados da CoinGecko mostram que as liquidações começaram às 9h30 e continuaram até 23h30 de ontem.

Os preços derreteram, chegando a US$ 12,50 e se estabilizando. Até o fechamento da matéria, a capitalização de mercado do criptoativo chegou a US$ 35 milhões. Ontem, era de US$ 579 milhões.

Longarzo disse que os desenvolvedores da Ichi poderiam ter tomado diversas decisões para amortecer os riscos, como aumentar a liquidez de ICHI no mercado quando a queda começou e colocar um limite de ofertas quando o pool foi criado.

No fim das contas, a responsabilidade de assegurar o controle dos riscos relacionados ao pool era dos desenvolvedores da Ichi – e não da Rari, que oferece o protocolo onde a crise aconteceu.

“O Fuse é um protocolo permissionless. Os operadores do pool estão encarregados de seguir as melhores práticas para evitar situações desse tipo”, afirmou Longarzo.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe