Cemig (CMIG4) e Copasa (CSMG3) recebem ofício do estado de MG sobre federalização, Alpargatas (ALPA4) tem mudança acionária e mais

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira (24)

Felipe Moreira

Cemig (Foto: Divulgação)

Publicidade

O radar corporativo desta sexta-feira (24) traz a Cemig (CMIG4) e Copasa (CSMG3), que receberam ofício do Estado de Minas Gerais, acionista controlador de ambas, informando que tem buscado soluções junto à União para a questão da dívida pública estadual.

A gestora Dynamo informou que passou a deter 35.060.490 ações preferenciais, representativas de 10,20% do total de ações preferenciais de emissão da Alpargatas (ALPA4).

Já a Petrobras (PETR4) divulgou plano estratégico com previsão de investir US$ 102 bi entre 2024 e 2028, alta de 31%

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Grupo Casas Bahia (BHIA3), por sua vez, teve o rating rebaixado de ‘brA-’ para ‘brBBB-’ por resultados abaixo do esperado pela S&P.

Confira mais destaques:

Cemig (CMIG4) e a Copasa (CSMG3)

A Cemig (CMIG4) e a Copasa (CSMG3) informaram o recebimento de ofício do Estado de Minas Gerais, acionista controlador de ambas companhias, informando que tem buscado soluções junto à União para a questão da dívida pública estadual.

Continua depois da publicidade

“Nesse sentido, foram apresentadas ao governo de Minas Gerais alternativas, que ainda serão objeto de análise minuciosa, tanto pelos técnicos do governo federal, quanto do governo estadual, razão pela qual ainda não houve qualquer manifestação ou aceite do governo do estado sobre o ponto referente a eventual federalização das estatais estaduais com ações listadas na Bolsa de Valores”.

Alpargatas (ALPA4)

A Dynamo informou que o conjunto de veículos geridos por ela passou a deter 35.060.490 ações preferenciais, representativas de 10,20% do total de ações preferenciais de emissão da Alpargatas.

Os veículos são detentores, ainda, de 3.450.223 ações preferenciais da companhia em empréstimos doadores e de 716.000 ações ordinárias de emissão da companhia.

Zamp (ZAMP3)

A Zamp (ZAMP3) informou que Igor Felippe de Freitas apresentou sua renúncia ao cargo de diretor vice-presidente de tecnologia. O executivo vai permanecer na companhia até 31 de dezembro de 2023.

O cargo de diretor vice-presidente de tecnologia permanecerá vago até que o conselho de administração delibere pela eleição do seu substituto ou pela permanência da vacância do cargo.

Atma

A Atma elegeu Norair Ferreira do Carmo para ocupar o cargo de Vice-Presidente de Finanças e de Relações com Investidores da companhia no lugar de Luciano Bressan

Petrobras (PETR4;PETR3)

O Conselho de Administração da Petrobras (PETR4;PETR3) aprovou, em reunião realizada nesta quinta-feira (23), o Plano Estratégico para o quinquênio 2024-2028 (PE 2024-28+), prevendo investir US$ 102 bilhões nos próximos cinco anos.

A cifra informada pela estatal é 31% superior ao plano passado e em linha com as especulações do mercado de que o valor ultrapassaria US$ 100 bilhões.

Do montante, US$ 91 bilhões serão direcionados a projetos em implantação (Carteira em Implantação) e US$ 11 bilhões compostos por projetos em avaliação (Carteira em Avaliação), sujeitos a estudos adicionais de financiabilidade antes do início da contratação e execução.

Grupo Casas Bahia (BHIA3)

A S&P rebaixou os ratings de crédito de emissor e emissão do Grupo Casas Bahia (BHIA3) de ‘brA-’ para ‘brBBB-’ na escala nacional. A perspectiva do rating de emissor é negativa.

Segundo a agência classificadora de risco, os números reportados pela varejista no terceiro trimestre deste ano indicam que o grupo não atingirá as métricas de crédito esperadas.

Vittia (VITT3)

A Vittia (VITT3), empresa de biotecnologia (defensivos biológicos e inoculantes), ajustou o valor dos juros sobre capital próprio (JCP) aprovados em outubro de R$ 35,7 milhões para R$ 39,1 milhões, com base na aplicação da Taxa de Juros de Longo Prazo – TJLP pro rata dia, calculada sobre o Patrimônio Líquido da companhia referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2022.

O montante bruto equivale a R$ 0,27492949 por ação de emissão da companhia.

Tem direito quem tiver ações da companhia até 28 de novembro de 2023. Os papéis ficam ex-JCP a partir de 29 de novembro e o pagamento será até 31 de dezembro de 2024.