Casas Bahia (BHIA3): S&P rebaixa rating de ‘brA-’ para ‘brBBB-’ por resultados abaixo do esperado

Despesas com reestruturação impactaram as margens e mostram que o grupo não registrará métricas de crédito em linha com as projeções mais recentes

Felipe Moreira

SP - CASAS BAHIA / FECHAMENTO LOJAS - ECONOMIA - A dona das Casas Bahia, Via, anunciou na última quinta-feira (10) o fechamento de 50 a 100 lojas até o fim deste ano e a demissão de aproximadamente 6 mil funcionários. Anunciou também que irá reduzir os estoques e reestruturar o capital da companhia. Na foto, loja das casas Bahia na cidade de Osasco na Grande São Paulo. 11/08/2023 - Foto: ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Publicidade

A S&P rebaixou os ratings de crédito de emissor e emissão do Grupo Casas Bahia (BHIA3) de ‘brA-’ para ‘brBBB-’ na escala nacional. A perspectiva do rating de emissor é negativa.

Segundo a agência classificadora de risco, os números reportados pela varejista no terceiro trimestre deste ano indicam que o grupo não atingirá as métricas de crédito esperadas.

Na visão do S&P, os resultados do acumulado do ano mostram que a Casas Bahia atualmente depende de condições de negócios, financeiras e econômicas favoráveis para retomar sua rentabilidade.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A agência destaca que não espera uma crise de pagamento ou de crédito nos próximos 12 meses, mas entende que estrutura de capital da Casas Bahia é frágil.

“Apesar da evolução no plano de transformação, com alguns efeitos positivos já se materializando, os desafios para recuperar margens e desalavancar seguirão durante 2024, em um ambiente macroeconômico ainda difícil para o varejo”, diz relatório.

As despesas com o processo de reestruturação impactaram as margens de forma significativa e mostram que o grupo não registrará métricas de crédito em linha com as projeções mais recentes, especialmente em 2023 e 2024.

Continua depois da publicidade

A receita ajustada dos nove primeiros meses de 2023 totalizou R$ 21,0 bilhões, redução de 3% em relação ao ano anterior, com Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 72 milhões, ante cerca de R$ 1,5 bilhão no mesmo período de 2022.

O Ebitda ajustado foi negativo em R$ 472 milhões no terceiro trimestre de 2023. O S&P projeta Ebitda ajustado, que inclui as despesas de reestruturação, e exclui o Ebitda estimado da operação de financiamento cativo no valor de aproximadamente R$ 113 milhões no trimestre.

Ao mesmo tempo a agência removeu do cálculo de dívida líquida ajustada o valor de R$ 5,0 bilhões referente à dívida das operações de financiamento cativo, pois faz uma análise separada para esta operação. Nesse contexto, projeta um Ebitda ajustado de R$ 1,4 bilhão no final de 2023.

Com isso, o S&P espera agora Ebitda ajustado não material em 2023, R$ 1,5 bilhão em 2024 e R$ 2,3 bilhões em 2025, resultando em alavancagem financeira (dívida líquida ajustada por Ebitda) de cerca de 7,5 vezes em 2024 e 5,5 vezes em 2025.