Plano estratégico da Petrobras (PETR4) será divulgado em momento-chave para a estatal: o que esperar?

Expectativa é por aumento dos investimentos programados pela estatal, em um momento em que o CEO Jean Paul Prates é colocado à prova

Lara Rizério

Petrobras (Foto: Mario Tama/Getty Images)

Publicidade

Em um mês de forte alta para o Ibovespa, com ganhos acumulados de 11% e renovação de máximas desde 2021, as ações da Petrobras (PETR3;PETR4) registram um desempenho discreto, em alta, mas com avanços de cerca de 2% para PETR3 e de 4% para PETR4.

A queda dos preços do petróleo e os rumores sobre uma insatisfação de integrantes do governo e do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente da petroleira, Jean Paul Prates, contribuíram para o menor ímpeto das ações.

No início da semana, ganhou repercussão a notícia sobre uma possível substituição do CEO sendo discutida no governo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Integrantes do governo fazem pressão para a redução dos preços dos combustíveis, tema que voltou à tona no último fim de semana. Após o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, cobrar uma redução do preço de combustíveis, afirmando na GloboNews que “já está na hora de puxarmos de novo a orelha da Petrobras”, o CEO fez um post longo sobre o assunto na rede social X.

No final de semana, Prates afirmou que a Petrobras avançou com uma nova estratégia comercial que prioriza o não repasse da volatilidade do mercado internacional do petróleo. Ele destacou que, “para que o MME (Ministério de Minas e Energia), órgão da União, possa orientar a Petrobras a baixar os preços de combustíveis diretamente, será necessário seguir a Lei 13.303/16 e o Estatuto Social (art. 3o, parágrafo 4o e seguintes)”.

O CEO também citou que, pelas regras, para a União determinar preços mais baixos da Petrobras, uma série de medidas deveriam ser tomadas. E afirmou que uma proposta de orientação da União deveria ser submetida ao Comitê de Investimentos e ao Comitê de Minoritários, “que avaliará se as condições a serem assumidas pela Petrobras requerem que a União compense a Petrobras pela diferença” de preços.

Continua depois da publicidade

Com esses ruídos no radar, a notícia da última terça-feira de uma reunião entre Lula, Prates e ministros trouxe ainda mais temores para o mercado.

Contudo, segundo Prates e Fernando Haddad, ministro da Fazenda, que participou da reunião, o tema do encontro não foi preço de combustíveis. Porém, o assunto foi outro, também bastante importante para os investidores da companhia: o plano de negócios 2024-2028.

O novo plano da empresa, que nem ao menos veio a público, já é alvo de críticas de opositores de Prates e chegou a ter tentativas de adiamento. Lula, por sinal, já teria pedido a Prates mudanças no plano em reunião neste mês, conforme reportou a Reuters com base em fontes com conhecimento do assunto, na última sexta-feira.

Lula quer mais contratações no Brasil para a construção de embarcações que serão usadas pela Petrobras, para que a empresa colabore com uma maior geração de empregos no país. Além disso, o presidente defende que a estatal retome antes obras do setor de fertilizantes, produto que o Brasil tem ampla dependência de importações, embora seja uma potência agrícola.

Prates confirmou nesta quarta que o Plano Estratégico 2024-2028 será divulgado na próxima sexta-feira (24), após ser avaliado e aprovado pelo Conselho de Administração da estatal. No fim da tarde desta quarta, ele se encontrará novamente com Lula para discutir o tema.

Acima de US$ 100 bilhões

Há semanas, as especulações sobre o novo plano de negócios da Petrobras a ser apresentado neste fim de mês vem ganhando destaque, com notícias de que as cifras superarão os US$ 100 bilhões, bem acima do plano atual (de US$ 78 bilhões entre 2023-2027).

Os agentes de mercado “torcem o nariz” para as possíveis novas cifras e para as possibilidades de onde o capital será alocado.

“Em nossa leitura, levar o volume de investimentos para casa dos US$100 bilhões tende a pressionar o fluxo de caixa da empresa em termos relevantes pelos próximos dois anos e, consequentemente, o fluxo do pagamento de dividendos por esse período. De acordo com as nossas estimativas, o rendimento esperado em dividendos ficaria abaixo dos 10% – pouco interessante para um case de commodities maduro e com uma crescente percepção de risco corporativo”, avalia a Genial Investimentos.

Para a casa de análise, outro ponto de atenção é a evolução do endividamento bruto da empresa. Caso alcance US$ 65 bilhões, a política de dividendos passa a ser de “apenas” US$ 4 bilhões/ano (cerca de R$ 1,60 por ação), tendo em vista um fluxo de investimentos mais pesados que o anteriormente considerado.

Sob a nova política, instituída no fim de julho, o dividendo trimestral da Petrobras estabelecido é de 45% de seu fluxo de caixa livre, mas quando a dívida bruta da empresa estiver abaixo dos US$ 65 bilhões.

Na visão do JPMorgan, a expectativa é de que o plano tenha três pontos principais: (a) uma curva de produção mais elevada para o período 2024-2028; (b) além dos investimentos substancialmente
mais elevados em relação aos anos anteriores devido à inflação e devido a (c) um foco maior
em energias renováveis e transição energética.

Os analistas do JPMorgan veem esses consensos se formando no mercado, destacando que, no primeiro ponto, a curva de produção deve ser revisada em média em 10% para cima na comparação com o antigo plano de negócios.

Sobre o segundo ponto, investimento maior não seria uma surpresa, já que a gestão tem sido muito vocal sobre isso. “Esperamos ver os seguintes fatores impulsionando investimentos maiores: (a) correção monetária; (b) maior foco em maior produção; (c) mais investimentos em refino – provenientes de expansões, mas também dado que o programa de desinvestimentos terminou e (d) um aumento substancial nos projetos de baixo carbono, incluindo o potencial de projetos eólicos offshore. Colocando tudo juntos, podemos facilmente chegar a um valor que variaria entre US$ 95-100 bilhões”, aponta.

Indicações de fusões e aquisições (M&A) também poderão ser apresentadas, sendo uma ferramenta que aceleraria a entrada em áreas onde a empresa hoje é pequena.

“Somando tudo isso, também poderemos ter uma imagem melhor do potencial de dividendos para a Petrobras. Com os números revistos em mãos, os investidores irão obviamente olhar os números anunciados em seus modelos para acessar o potencial de dividendos”, aponta.

A percepção de investidores institucionais é parecida, conforme aponta o Santander após pesquisa com 27 respondentes do “buy side”.

O aumento potencial (e significativo) do capex já é considerado pela maioria dos investidores (90% dos investidores pesquisados já esperam capex acima de US$ 90 bilhões). O Santander tem a percepção de que o foco desses investidores mudará de capex/ preços de combustíveis para o desempenho operacional. Isso porque também há projeções entre eles de que a Petrobras aumentará seu guidance de produção de petróleo (85% dos investidores esperam que haja elevação em pelo menos 4% para 2024).

Os participantes da pesquisa ainda estão divididos (50/50) sobre se um “orçamento de fusões e aquisições” seria incluído no montante total do investimento, enquanto a maioria (54%) espera que os projetos de baixo carbono representem 15% do investimento total.

“Também questionamos os investidores sobre as expectativas sobre os níveis-alvo de caixa de referência e de dívida bruta e a maioria não espera alterações nestas métricas (Santander concorda com esse tema). Apenas observamos que o atual limite de dívida bruta de US$ 65 bilhões impede a Petrobras de fazer fusões e aquisições significativas: a companhia encerrou o 3T23 com US$ 61 bilhões em dívida bruta e incorporar a Braskem (BRKM5)  significaria assumir mais US$ 8,5 bilhões em dívida bruta (acreditamos que o mercado não está analisando a relação entre potenciais fusões e aquisições e o nível de dívida bruta)”, avalia o Santander.

O BTG Pactual ressalta sua previsão de US$ 86 bilhões em investimentos para o período, excluindo as aquisições. Mas, de qualquer forma, se o plano revelado se aproximar da marca dos US$ 100 bilhões (incluindo um possível orçamento de M&As), a reação do mercado poderá ser neutra, uma vez que os investidores já estão a antecipando despesas na ordem dos US$ 90 bilhões a US$ 100 bilhões.

Caso o valor exceda este montante, é provável que haja uma reação negativa do mercado, especialmente porque grande parte do crescimento é esperado em segmentos onde o track record (histórico) não é sólido, avalia.

Contudo, os analistas também reforçam a visão de que a Petrobras tem consistentemente atingido o seu guidance de investimento numa média de 25% abaixo do estimado ao longo dos últimos seis anos.

Isto provavelmente se deve à natureza de grande escala e de capital intensivo de muitos projetos de Exploração & Produção, que muitas vezes enfrentam atrasos devido a fatores externos.

“Outra prova disso é o fato de a Petrobras ter reduzido recentemente o seu guidance de investimento para 2023 de US$ 16 bilhões para US$ 13 bilhões, uma redução que, se convertida em dividendos, renderia cerca de 1,5%”, avalia.

O BTG estima investimentos para a Petrobras em 2024 de US$ 20 bilhões. “Assim, embora alguns possam argumentar que a nossa estimativa de investimentos daqui a 5 anos, de US$ 86 bilhões, é baixa, acreditamos que há uma grande probabilidade da Petrobras investir menos do que o esperado no próximo ano”, avalia.

Com relação aos proventos, o banco diz que evita discutir pagamentos extraordinários, muitas vezes um fator de otimismo para os investidores.

De qualquer forma, vê os atuais temores como injustificados. Mesmo que a recente proposta do Conselho para criar uma reserva de capital seja aprovada, potencialmente aumentando a flexibilidade da empresa na retenção de lucros para fusões e aquisições, os analistas ainda veem a Petrobras sendo negociada com um dividend yield (dividendo em relação ao preço da ação) de 13% em 2024, com base apenas em sua política de dividendos (45% do fluxo de caixa menos o capex) e excluindo distribuições extraordinárias.

“No entanto, este número baseia-se em projeções conservadoras. Acreditamos que há uma maior probabilidade de aumentos na produção e spreads, e a nossa estimativa de investimentos de US$ 20 bilhões pode estar no lado mais otimista da projeção”, afirma. Para os analistas, o dividend yield orgânico em 2024 poderá aumentar para 15% se o investimento for de US$ 17 bilhões e a produção for 6% superior à sua estimativa.

Recomendações

Levando todos os pontos em conta, o BTG ressalta que os riscos aumentaram, mas a recomendação de compra para as ações da empresa ainda se justifica.

Os analistas citam que a potencial criação de uma reserva de capital que reduz a probabilidade de pagamentos extraordinários e a recente proposta para remover certas restrições à nomeação de executivos sob a lei das estatais e os rumores de uma mudança de CEO são fatos negativos para a Petrobras.

Porém, acreditam que os mecanismos de defesa existentes nos estatutos da empresa e na lei das estatais prevalecerão e impedirão a alocação de capital para empreendimentos menos lucrativos (pelo menos nos próximos 24 meses), apesar de provavelmente estar abaixo do ROIC (retorno sobre o capital investido) do pré-sal. “No geral, esperamos que a empresa gere mais caixa do que pode gastar, como tem feito nos últimos três anos”, finaliza.

O Santander também possui recomendação equivalente à compra para os ativos da companhia, enquanto o JPMorgan tem recomendação neutra.

“Estar do lado conservador não tem sido tão fácil. Por um lado, estamos vendo a revisão dos pilares da governança e uma incerteza sobre os fluxos de caixa futuros ofuscando os fortes resultados operacionais. Por outro, o potencial de rendimento de dividendos (considerando o pagamento extraordinário) parece
trazer alguma solidez ao case”, avalia o JP.

O banco reforçou recomendação enquanto espera ter mais clareza sobre as margens de refino, expectativas de investimentos e se um possível acordo com o Carf (Conselho de Administração de Recursos Fiscais) sobre processos da companhia poderia consumir a geração de fluxo de caixa.

(com Estadão Conteúdo)

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.