5 assuntos

Bolsas perdem força após Rússia dizer que não há planos concretos para reunião com Biden; feriado nos EUA e mais destaques do mercado

Após virada dos mercados na noite de ontem com ânimo sobre possível solução diplomática para crise na Ucrânia, índices perdem força durante a manhã

Por  Equipe InfoMoney -

As ações asiáticas fecharam em baixa nesta segunda-feira (21), enquanto os índices futuros americanos passaram a operar mistas após subirem à noite. 

Isso depois que o presidente francês, Emmanuel Macron, costurou um encontro entre o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que a princípio poderia ocorrer nesta quinta-feira, contanto é claro, com o comprometimento russo de não invadir a Ucrânia até lá.

Jen Psaki, porta-voz da Casa Branca, disse no domingo à noite que a cúpula entre os dois líderes mundiais aconteceria após uma reunião entre o secretário de Estado Antony Blinken e seu colega russo, o ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov.

Contudo, hoje cedo, a Rússia disse que “não há planos concretos” ainda para uma reunião, o que fez com que as bolsas perdessem força.

Hoje é feriado nos EUA, Dia do Presidente, motivo pelo qual as Bolsas em Wall Street ficarão fechadas. No radar econômico, o grande evento da semana por lá será na sexta-feira, com o PCE de janeiro, medida de inflação preferida pelo Fed. Os mercados devem operar com menos liquidez nesta data, mas prometem continuar repercutindo as tensões entre Rússia e Ucrânia, que balançaram as Bolsas na semana passada, com o risco de uma guerra iminente.

Já na Ásia, a China deixou uma taxa de empréstimo de referência inalterada, com a taxa básica de empréstimo de um ano (LPR) em 3,7%. Isso estava de acordo com as previsões de todas as 24 instituições financeiras em uma pesquisa instantânea da Reuters.

No Brasil, os investidores esperam pelo IPCA-15 de fevereiro e a continuidade da safra de balanços, que conta com a divulgação de resultados das gigantes Vale e Petrobras. Em Brasília, as discussões envolvendo os projetos para redução dos preços dos combustíveis devem ser o pano de fundo, enquanto o prazo final para a “dança das cadeiras” entre parlamentares e suas siglas se aproxima.

1. Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA perderam força em relação ao movimento da noite e passaram a operar apenas em leve alta nesta manhã, enquanto o Nasdaq tem leve queda. 

Na véspera, os índices se animaram com a notícia de que o presidente da França, Emmanuel Macron, fez uma proposta para a realização de uma cúpula entre o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Biden e Putin teriam aceitado participar da cúpula, mas o encontro só poderia ser realizado com a condição de que a Rússia não invada a Ucrânia.

Após a notícia, na noite de ontem, os índices, que estavam em queda, viraram para alta, mas nesta manhã perderam força com a informação de que a Rússia apontou que “não há planos concretos” ainda para uma reunião, segundo a Bloomberg. 

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), +0,12%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,07%
  • Nasdaq Futuro (EUA), -0,15%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em queda, com os investidores continuando a observar a situação em torno da Ucrânia. Enquanto isso, a China deixou uma taxa de empréstimo de referência inalterada.

  • Shanghai SE (China), 0,00%
  • Nikkei (Japão), -0,78% 
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -0,65% 
  • Kospi (Coreia do Sul), -0,03%

Europa

Os mercados europeus operam sem sentido definido nesta manhã após abrirem em alta com o surgimento de esperanças de uma solução diplomática para as tensões Rússia-Ucrânia. Os investidores monitoram indicadores econômicos, como os PMIs, por lá. 

A Alemanha teve sua inflação ao produtor em janeiro acima do esperado, com alta de 2,2% ante 1,5% do consenso.

Os últimos dados de atividade (PMIs) da zona do euro também prejudicaram o apetite por risco na Europa. O PMI composto do bloco subiu para 55,8 em fevereiro e superou as expectativas, segundo dados preliminares, mas o ganho se deveu unicamente ao setor de serviços – que avançou de 51,1 para 55,8 no mesmo período, alcançando o maior patamar em três meses – ao passo que o industrial sofreu uma queda inesperada.

Na Alemanha, que já havia divulgado a inflação ao produtor recorde, o PMI industrial também decepcionou. Já no Reino Unido, os PMIs vieram acima do esperado, mas o industrial ficou estagnado entre janeiro e fevereiro.

  • FTSE 100 (Reino Unido), +0,68%
  • DAX (Alemanha), +0,73%
  • CAC 40 (França), -0,08%
  • FTSE MIB (Itália), +0,16%

Commodities

Os preços do petróleo têm uma sessão de leve alta. Na noite da véspera, as cotações subiam mais de 1%, mas viraram para queda e durante a manhã passaram a registrar leves ganhos, em meio às notícias sobre Rússia-Ucrânia. Ainda no radar, estão as perspectivas de um acordo nuclear entre o Irã e as potências mundiais nas próximas duas semanas.

  • Petróleo WTI, +0,25%, a US$ 91,30 o barril
  • Petróleo Brent, +0,20%, a US$ 93,74 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve alta de 4,74%, a 707 iuanes, o equivalente a US$ 111,68

Bitcoin

  • Bitcoin, +2,04% a US$ 39.029,98 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

2. Agenda

A última semana de fevereiro começa com feriado nos Estados Unidos já na segunda-feira (21), Dia do Presidente, motivo pelo qual as Bolsas em Wall Street estarão fechadas. Os mercados devem operar com menos liquidez, mas prometem continuar repercutindo as tensões entre Rússia e Ucrânia, que balançaram as Bolsas na semana passada, com o risco de uma guerra iminente.

Na agenda semanal de indicadores do Brasil, o destaque fica com a prévia do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), referente à fevereiro. O dado será divulgado na quarta-feira (23), às 9h da manhã, antes da abertura do mercado. O consenso aponta para um avanço de 0,7%.

Na sexta-feira (25), sai o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), da Fundação Getúlio Vargas, usado para ajustar alguns contratos de aluguel. O Itaú prevê alta mensal de 1,65%.

Na quinta-feira (24) será divulgada a taxa de desemprego calculada pela pesquisa PNAD Contínua, referente a dezembro último.

Brasil

8h25: Banco Central divulga Boletim Focus, com a expectativa de analistas sobre indicadores como inflação, juros e PIB

Confira as projeções do Boletim Focus desta segunda-feira para a economia brasileira:

*IPCA de 2022: projeção passou de 5,50% na semana passada para 5,56%
*IPCA de 2023: expectativa de alta de 3,50% se manteve

*PIB de 2022: projeção de alta de 0,30% se manteve
*PIB de 2023: projeção de alta de 1,5% se manteve

*Selic para 2022: projeção de 12,25% continuou
*Selic para 2023: manutenção em 8,00%

*Câmbio para 2022: de R$ 5,58 por dólar na semana passada para R$ 5,50
*Câmbio para 2023: de R$ 5,45 por dólar para R$ 5,36

 

15h: Balança Comercial semanal

15h: Roberto Campos Neto, presidente do BC, faz palestra em evento promovido pelo Canal AgroMais

3. Senado debate soluções para segurar alta de preços dos combustíveis 

As discussões em torno das propostas para buscar uma solução capaz de conter a alta de preços dos combustíveis continua no foco do Senado. Para amanhã (22) está marcada a votação dos projetos de lei, mas nos bastidores aumentam as chances de tudo ser adiado para após o feriado de Carnaval.

Os textos envolvem sugestões de alterar a política de preços da Petrobras e mudar a cobrança do ICMS sobre combustíveis nos Estados. As propostas preocupam a equipe econômica, seja pelo efeito na arrecadação seja pelo temor de afetar investimentos no país.

Fachin assume presidência do TSE

O ministro Edson Fachin assume na terça-feira (22) como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cargo que ocupará até agosto. Fachin, pessoalmente, convidou o presidente Jair Bolsonaro para a cerimônia.

PEC da reforma tributária 

Na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, está prevista para esta semana a leitura do parecer sobre a Proposta de Emenda à Constituição da reforma tributária (PEC 110/2019). O texto recebeu parecer do senador Roberto Rocha (PSDB-MA). No relatório final, ele prevê o estabelecimento do imposto sobre valor agregado (IVA) dual com sistema eletrônico de cobrança. 

Aras pede arquivamento de inquérito contra Bolsonaro no caso Covaxin

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu na última sexta-feira (18) à ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), o arquivamento de inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) por suspeita do crime de prevaricação no caso do processo de compra da vacina indiana Covaxin.

4. Covid

O Brasil registrou 424 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h. 

A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 845, elevação de 10% em comparação com o patamar de 14 dias antes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 103.508, o que representa queda de 37% em relação ao patamar de 14 dias antes. 

Chegou a 153.705.757 de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 71,55% da população.

O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 171.195.137 pessoas, o que representa 79,69% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 60.065.004 pessoas, ou 37,13% da população.

5. Radar Corporativo

Assaí (ASAI3), Inter (BIDI11), Blau (BLAU3), JSL (JSLG3), Mitre (MTRE3) e Movida (MOVI3) divulgam balanço hoje (21), após fechamento do mercado.

Americanas (AMER3)

Os sites da Americanas e do Submarino estão fora do ar desde domingo (20). No sábado, as duas plataformas já haviam registrado problemas, em meio a rumores de um ataque hacker. Em comunicado, a Americanas (AMER3) confirmou a suspensão de parte dos servidores e citou um “acesso não autorizado”.

Cosan (CSAN3

A Cosan (CSAN3) registrou lucro líquido ajustado de R$ 411,2 milhões no 4T21, o que representa um aumento de 58,5% frente ao mesmo período de 2020.

WEG (WEGE3) e Eletrobras (ELET3; ELET6)

A Weg (WEGE3) firmou um acordo de R$ 2,1 bilhões com a Eletrobras (ELET3; ELET6) para o fornecimento de 72 aerogeradores – equipamentos para usinas de energia eólica. Cada aerogerador terá capacidade de 4,2 megawatts (MW) em capacidade instalada. As entregas estão previstas para 2023 e 2024.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe