5 assuntos

Bolsas caem e petróleo sobe antes da ata do Fomc e com novas sanções à Rússia: os assuntos do mercado hoje

Bolsas seguem movimento da véspera e caem; ontem, falas de diretora do Fed assustaram ao sugerir ações agressivas do banco central para controlar inflação

Por  Equipe InfoMoney -

Os índices futuros de Nova York e os mercados europeus operam em baixa nesta manhã de quarta-feira (6), com investidores aguardando a divulgação da ata da reunião do Federal Reserve, que trará mais detalhes sobre o plano do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) de reduzir o balanço do banco central americano. 

Investidores também aguardam detalhes de novas sanções internacionais contra a Rússia depois que surgiram alegações de assassinatos de civis em cidades ucranianas agora recapturadas das forças russas. A Comissão Europeia propôs na terça-feira proibir o carvão russo como parte de sua próxima rodada de sanções.

Já os mercados asiáticos fecharam em baixa puxados pelas ações de tecnologia, refletindo as perdas observadas entre seus pares em Wall Street após um aumento no rendimento do Tesouro de 10 anos dos EUA.

Na agenda econômica, a atividade do setor de serviços chinês registrou a maior baixa desde fevereiro de 2020. O Índice de Gerentes de Compras de serviços da Caixin caiu para 42,0 em março, bem abaixo da leitura de 50,2 de fevereiro, bem como da marca de 50 que separa crescimento de contração em uma base mensal. Essa divulgação de dados ocorre enquanto a China continua a combater seu pior surto de Covid desde o início da pandemia no início de 2020.

O preço do barril de petróleo permanece acima dos US$ 100, já que a ameaça de novas sanções à Rússia aumentou as preocupações com a oferta, contrariando os temores de uma demanda mais fraca após um aumento nos estoques de petróleo dos EUA e o bloqueio prolongado de Xangai.

Em indicadores domésticos, sai o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), da Fundação Getúlio Vargas, subiu 2,37%, acima da projeção de alta de 2,1% do consenso Refinitiv. 

Confira mais destaques:

1. Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA recuam nesta manhã, enquanto investidores esperam as últimas informações sobre o aperto da política do Federal Reserve.

A ata da reunião do Fed será divulgada nesta tarde de quarta-feira. Os investidores estão se preparando para novos detalhes sobre o plano do Fed de reduzir seu balanço patrimonial e apostam em um aumento de meio ponto percentual nos juros americanos na reunião do próximo mês.

Na véspera, a sessão foi de queda para os mercados americanos, arrastados pela fraqueza de ações de tecnologia e outros setores de crescimento, depois de comentários da diretora do Federal Reserve Lael Brainard assustarem investidores ao sugerir a possibilidade de ações agressivas do banco central para controlar a inflação.

Em uma conferência na terça-feira, Brainard disse que espera aumentos metódicos das taxas de juros e reduções rápidas no balanço do Fed para levar a política monetária dos EUA a uma “posição mais neutra” ainda neste ano, com mais apertos a seguir, conforme necessário.

Os comentários de Brainard “deixaram claro que o Fed está prestes a se tornar mais agressivo”, disse Kristina Hooper, estrategista-chefe de mercado global da Invesco. “Isso certamente está tendo um efeito negativo sobre as ações devido a preocupações de que isso aumente a probabilidade de uma recessão”, disse Hooper. “Será cada vez mais difícil para o Fed projetar um pouso suave quanto mais agressivo ele se tornar.”

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), -0,32%
  • S&P 500 Futuro (EUA), -0,38%
  • Nasdaq Futuro (EUA), -0,63%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam no vermelho em sua maioria, com ações de tecnologia sendo os destaques negativos. Os papéis acompanham a queda de seus pares em Wall Street após um aumento noturno no rendimento do Tesouro de 10 anos dos EUA.

  • Shanghai SE (China), +0,02%
  • Nikkei (Japão), -1,58% 
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -1,87% 
  • Kospi (Coreia do Sul), -0,88%

Europa

Os mercados europeus recuam em um cenário de comentários agressivos de autoridades do Federal Reserve dos EUA e novas sanções contra a Rússia.

  • FTSE 100 (Reino Unido), -0,60%
  • DAX (Alemanha), -1,38%
  • CAC 40 (França), -1,02%
  • FTSE MIB (Itália), -1,54%

Commodities

Os preços do petróleo recuam com a ameaça de novas sanções à Rússia aumentando as preocupações com a oferta, contrariando os temores de uma demanda mais fraca após um aumento nos estoques de petróleo dos EUA e o bloqueio prolongado de Xangai.

Os preços do minério de ferro também sobem na volta dos negócios após o feriado na China.

  • Petróleo WTI, +1,29%, a US$ 103,29 o barril
  • Petróleo Brent, +1,32%, a US$ 108,05 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve alta de 2,15%, a 926,50 iuanes, o equivalente a US$ 145,72

Bitcoin

  • Bitcoin, -2,73% a US$ 45.389,48 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

Covid

Na última terça-feira (05), o Brasil registrou 205 mortes e 35.465 casos de covid-19 em 24h, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h.

A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 185, recuo de 37% em comparação com o patamar de 14 dias antes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 22.262, o que representa baixa de 38% em relação ao patamar de 14 dias antes. 

Chegou a 161.382.404 de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 75,12% da população.

O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 176.062.094 pessoas, o que representa 81,95% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 79.528.627 pessoas, ou 37,02% da população.

2. Agenda

Nesta quarta-feira (6) saiu o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), da Fundação Getúlio Vargas, com alta de 2,37% em março. 

Nos EUA, o destaque é a ata da última reunião do Comitê de Mercado Aberto do Banco Central americano (Fomc, na sigla em inglês). A divulgação da minuta está prevista para hoje. “A ata do Fomc provavelmente vai incluir detalhes conclusivos sobre o aperto quantitativo, preparando terreno para um anúncio na reunião de maio”, diz Ethan Harris, economista do Bank of America, em relatório.

Brasil

8h: IGP-DI subiu 2,37% em março e chega a 15,57% em 12 meses; consenso Refinitiv aponta para alta mensal de 2,17%

EUA

11h30: Variação de estoques de petróleo semanal – EIA – projeção Refinitiv de queda de 3,016 milhões de barris

15h: Ata da última reunião Fomc

3. Petrobras (PETR3;PETR4) segue em foco

Após a desistência de Rodolfo Landim e Adriano Pires aos cargos de presidente de conselho de administração e CEO da estatal, o governo está avaliando a possibilidade de retirar da pauta da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária (AGOE) de acionistas a votação para eleger os novos integrantes do conselho de administração. A AGOE está prevista para o próximo dia 13 de abril.

Segundo o regimento da Petrobras, o governo, que é  controlador, pode requerer a estatal que retire a votação da pauta. E a petroleira pode submeter a matéria a votação no dia da assembleia. 

Outra opção que ganhou força foi suspender o encontro após acionistas minoritários da petroleira começarem a pressionar a estatal para suspender a assembleia. O movimento vem sendo liderado pelos fundos de investimento estrangeiros, que já sinalizaram à estatal  e ao Institutional Shareholder Services (ISS), espécie de justiça eleitoral privada, que estão tendo problemas com as cédulas de votação por conterem nomes que já foram descartados.

Executivos do setor recusam convite para comando da estatal

O governo vem enfrentando dificuldades para encontrar no mercado novos candidatos para a presidência e o conselho de administração da Petrobras. Executivos com experiência e reconhecimento no setor de óleo e gás sondados para uma eventual indicação estão recusando o convite.

São profissionais com perfil mais técnico e passagem na área de energia de diretorias de órgãos públicos, secretarias de ministérios e agências de regulação. A percepção é que a relação custo e benefício de assumir os postos no comando da estatal não compensa neste momento.

Dois diretores da Petrobras entram na lista de apostas 

Os nomes de dois diretores da estatal entram na lista de apostas para a petroleira. São eles Rafael Chaves Santos (Relacionamento Institucional e Sustentabilidade) e Fernando Borges (Exploração e Produção), que ascenderam aos cargos que ocupam hoje por designação do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna.

Secretário de Guedes cotado para assumir Petrobras é suspeito de acesso indevido a dados de uma consultoria

O secretário especial da Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Caio Paes de Andrade, cotado para assumir a presidência da estatal, é suspeito de usar os sistemas da pasta para investigar a situação de uma empresa privada. Andrade negou. 

Lira defende privatização da Petrobras e reforma da lei das estatais

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), defendeu ontem a privatização da Petrobras. Um dia após ironizar as regras de compliance da empresa, o deputado afirmou que é preciso rever no Congresso a lei das estatais. “A gente tem que se debruçar sobre esse assunto, porque, hoje, eu pergunto aos senhores: a quem serve a Petrobras? Não dá satisfação a ninguém, não produz riqueza, não produz desenvolvimento”, criticou.

De acordo com Lira, não há ainda nenhum planejamento para revisar a lei das estatais e privatizar a empresa.

Pacheco é contra privatização da Petrobras 

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse ontem que não enxerga no momento qualquer motivo para que se discuta uma eventual privatização da petroleira.

A fala de Pacheco vai no sentido contrário ao que disse o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, que defendeu uma reforma na Lei das Estatais.

4. Reforma tributária não será votada nesta semana em plenário, diz Pacheco

Rodrigo Pacheco disse ontem que está otimista em relação à possibilidade de aprovação hoje (6), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), da proposta de reforma tributária contida na PEC 110/2019. No entanto, ele afirmou que a matéria não será levada a votação no plenário nesta semana.

Servidores da CGU e do Tesouro farão paralisações por reajuste

Os servidores públicos da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Tesouro Nacional farão novas paralisações por reajustes salariais. Os funcionários da CGU cruzarão os braços nesta quarta-feira (6). Os servidores do Tesouro, que pararam no dia 1º e na terça-feira (5), voltarão a paralisar as atividades no dia 13.

As paralisações foram aprovadas em assembleias das duas categorias. No caso do Tesouro, os servidores estão em esquema de operação-padrão desde a semana passada. A divulgação de estatísticas e de pareceres está sendo atrasada, mas os leilões de títulos públicos e as operações de transferência da União para estados e municípios continuam sendo feitos.

André Mendonça toma posse como ministro substituto do TSE

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça tomou posse ontem (5) no cargo de ministro substituto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), órgão responsável pela organização das eleições.

No dia 17 de março, Mendonça foi eleito de forma simbólica pelo plenário do STF para ocupar o posto. 

O ministro acumulará as atividades da Justiça Eleitoral com as da Suprema Corte. Mendonça atuará nos casos em que os titulares oriundos do STF estiverem ausentes ou impedidos de participar dos julgamentos.

Câmara vota urgência para ‘fake news’ hoje

A Câmara dos Deputados deve aprovar hoje um requerimento de urgência para o projeto de lei das “fake news”, que tem o objetivo combater a propagação de desinformação na internet e regular as grandes empresas de redes sociais, como Google e Meta. Com a urgência aprovada, será possível votar a proposta diretamente no plenário, sem passar pelas comissões – o debate todo ocorreu num grupo de trabalho.

5. Radar Corporativo

Vale (VALE3

A mineradora iniciou as obras de implantação da primeira planta comercial da Tecnored, em Marabá, no Estado do Pará, um importante passo para apresentar à  cadeia siderurgia uma solução tecnológica viável para seus investimentos de descarbonização.

A unidade terá capacidade inicial de produzir 250 mil toneladas por ano de ferro gusa verde, podendo chegar, no futuro, a 500 mil toneladas por ano. O início das produções está previsto para 2025 com investimento estimado em aproximadamente R$ 1,6  bilhão. 

Em função do menor número de etapas, como a ausência da sinterização e coqueficação, estima-se que a tecnologia Tecnored possui investimento e custo operacional 10 a 15% inferior à rota tradicional de produção via alto-forno.

Gol (GOLL4

A operadora aérea Gol (GOLL4) registrou aumento de 46,5% na demanda (RPK) total por voos no primeiro trimestre deste ano. Já a oferta total (ASK) da companhia aumentou em 44,4%, resultando em uma taxa de ocupação de 81%, incremento de 1,1 ponto percentual.

O total de assentos cresceu em 46,3% e o número de decolagens subiu 101,5%.

Moura Dubeux (MDNE3

A Moura Dubeux (MDNE3) registrou lançamentos de R$ 354 milhões em valor geral de vendas (VGV) líquido no primeiro trimestre de 2022 (1T22), crescimento de 292,5% na comparação com igual trimestre de 2021.

As vendas contratadas somaram R$ 426,5 milhões nos três primeiros meses do ano, um incremento de 58,6% frente às vendas do mesmo período de 2021.

(Com Estadão, Bloomberg e Agência Brasil)

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe