Reação

Bitcoin sobe e atinge US$ 40 mil após Federal Reserve subir juros

Bitcoin salta mais de 5% e puxa outras criptos como Ethereum seguindo movimento das ações em Wall Street

Por  Rodrigo Tolotti, CoinDesk

O Bitcoin (BTC) ganhou força, com alta de cerca de 6% no acumulado de 24 horas, e chegou aos US$ 40 mil na tarde desta quarta-feira (4), ainda durante o pregão na bolsa de Nova York.

O aumento do preço compensou um breve período de recuo imediatamente depois que o Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos) elevou as taxas de juros em meio ponto percentual, em seu maior aumento desde 2000.

O Fed também aprovou planos para começar a reduzir seu balanço de ativos, o que facilitará o estímulo monetário que contribuiu para o aumento de ativos especulativos, incluindo ações e criptos.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), que define as taxas de juros, afirmou que os aumentos contínuos das taxas dentro da meta serão apropriados, o que sugere que outra alta pode ocorrer na reunião do próximo mês, especialmente se a inflação permanecer elevada.

Leia também: A fala “dovish” do presidente do Fed que impulsionou os mercados

As taxas crescentes geralmente precedem a desaceleração do crescimento econômico, o que pode pesar sobre os preços dos ativos.

Ainda assim, durante uma entrevista coletiva, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que a economia dos EUA continua muito forte e pode lidar com o aumento das taxas de juros.

A maioria das criptomoedas negocia em alta no acumulado de 24 horas, acompanhando os movimentos das ações em Wall Street. Enquanto isso, o ouro subia puxado pela queda do dólar.

O Ethereum (ETH) registra alta de 6,7%, cotado a US$ 2.951, enquanto outras altcoins, como XRP (XRP) e Solana (SOL) saltam mais de 7%. Entre as maiores criptos, chama atenção a Cardano (ADA), que salta 14% no acumulado de 24 horas, para US$ 0,8721.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe