Bitcoin decola e atinge US$ 41 mil pela primeira vez desde abril de 2022

Maior criptomoeda do mundo subiu 7,50% no final de semana

Lucas Gabriel Marins

Publicidade

O Bitcoin (BTC) ultrapassou US$ 41 mil pela primeira vez desde abril de 2022, impulsionado pela expectativa de redução das taxas de juros nos Estados Unidos e pelo otimismo com o avanço dos ETFs (fundos de índices) com exposição direta à criptomoeda do país.

Por volta das 7h desta segunda-feira (4), a moeda digital é negociada a US$ 41.703, após alta de 7,5% no final de semana, elevando seu salto no ano para 152%. A última vez que o BTC alcançou esse preço foi antes do colapso do ecossistema Terra, episódio que foi o estopim para uma série de falências no mercado cripto.

A valorização do ativo digital puxou algumas das principais altcoins. O Ethereum (ETH) encostou em US$ 2.248 nesta manhã, preço visto pela última vez há cerca de 18 meses. XRP (XRP) e BNB Chain (BNB) também operam em alta. A capitalização do setor bateu em US$ 1,55 trilhão, segundo o agregador CoinMarketCap.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A capitalização de mercado continua a aumentar, sinalizando um bull market contínuo. Com US$ 1,5 trilhão, a indústria cripto também atingiu um nível em que o TradFi (termo usado para descrever as finanças tradicionais) não pode mais ignorá-la, e é por isso que os fluxos do TradFi para cripto permaneceram excepcionalmente fortes”, escreveu em nota o provedor de serviços cripto Matrixport.

Os investidores estão cada vez mais convencidos de que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) acabe com o ciclo de aperto monetário à medida que a inflação no país arrefece.

A mudança de cenário alimentou uma recuperação nos mercados globais, mas o salto do Bitcoin em 2023 ultrapassou ativos como ações globais e ouro. No mercado de derivativos, os contratos futuros de BTC no CME Group e as opções na plataforma Deribit avançaram para níveis históricos.

Continua depois da publicidade

Apesar da alta, o BTC continua abaixo de sua máxima histórica de US$ 69 mil, alcançada em novembro de 2021.

ETF e halving

A indústria de ativos digitais também está aguardando o resultado de pedidos de empresas como BlackRock, Ark Invest e Hashdex para lançar os primeiros ETFs de Bitcoin à vista nos EUA. A Bloomberg Intelligence espera que um lote desses fundos obtenha aprovação da Comissão de Valores Mobiliários do país, a SEC, até janeiro.

“O Bitcoin continua a ser apoiado pelo otimismo em torno da aprovação da SEC para um ETF e cortes nas taxas do Fed em 2024”, escreveu Tony Sycamore, analista de mercado da IG Australia Pty, em nota. Os padrões gráficos técnicos apontam para US$ 42.330 como o próximo nível a ser observado, acrescentou.

A recuperação do Bitcoin da queda de 2022 resistiu a diversos episódios que abalaram o mercado neste ano, como a condenação do empresário cripto Sam Bankman-Fried por fraude na exchange FTX e a queda de Changpeng Zhao, fundador e ex-CEO da Binance, maior corretora cripto do mundo.

Os otimistas argumentam que o esforço para conter práticas questionáveis e a enxurrada de pedidos de ETF sinalizam o amadurecimento da indústria e fomentam a criação de uma base cada vez maior de investidores em ativos digitais.

Outro catalisador para o sentimento bullish é o chamado halving do Bitcoin, evento previsto para abril de 2024 que reduzirá pela metade a quantidade de criptos que os mineradores da criptomoeda recebem como recompensa por seu trabalho.

O evento quadrienal faz parte do processo de limitar o fornecimento de Bitcoin em 21 milhões de unidades – hoje, há pouco mais de 19,5 milhões de unidades de BTC em circulação. A moeda bateu recordes após cada um dos últimos três halvings.

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 7h:

Criptomoeda Preço Variação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC) US$ 41.703 +2,30%
Ethereum (ETH) US$ 2.248 +3,80%
BNB Chain (BNB) US$ 234 +2,20%
XRP (XRP) US$ 0,636026 +4,60%
Cardano (ADA) US$ 0,408534 +3,30%

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

Criptomoeda Preço Variação nas últimas 24 horas
Terra (LUNC) US$ 0,00026253 +61,30%
Terra (LUNA) US$ 1,16 +38,80%
ORDI (ORDI) US$ 42,61 +28,30%
Pepe (PEPE) US$ 0,00000138 +16,00%
Frax Share (FXS) US$ 8,67 +9,70%

As criptomoedas com as maiores baixas nas últimas 24 horas:

Criptomoeda Preço Variação nas últimas 24 horas
Blur (BLUR) US$ 0,552926 -4,90%
THORChain (RUNE) US$ 6,87 -2,80%
Synthetix Network (SNX) US$ 3,79 -2,10%
Pyth Network (PYTH) US$ 0,443971 -1,90%
Uniswap (UNI) US$ 6,16 -1,00%


Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETF Preço Variação
Hashdex NCI (HASH11) R$ 29,54 +0,99%
Hashdex BTCN (BITH11) R$ 44,54 +2,22%
Hashdex Ethereum (ETHE11) R$ 30,33 +3,23%
Hashdex DeFi (DEFI11) R$ 23,00 +0,43%
Hashdex Smart Contract Plataform FI (WEB311) R$ 20,15 +0,80%
Hasdex Crypto Metaverse (META11) R$ 27,75 +1,64%
QR Bitcoin (QBTC11) R$ 11,93 +2,84%
QR Ether (QETH11) R$ 7,50 +4,45%
QR DeFi (QDFI11) R$ 3,30 +0,30%
Cripto20 EMPCI (CRPT11) R$ 8,24 +2,23%
Investo NFTSCI (NFTS11) R$ 9,78 +0,72%
Investo BLOKCI (BLOK11) R$ 105,53 +0,79%

(Com informações da Bloomberg)

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney