Processo

Binance.US é acusada de enganar investidores em ação coletiva da Terra (LUNA)

O processo contra a Binance foi movido em nome dos investidores por causa do colapso da TerraUSD (UST)

Por  CoinDesk -

“Para aqueles que estão esperando o Planeta Terra ficar instável… sinto dizer que vocês vão esperar até o fim da humanidade”.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Foi com essas palavras cheias de si que o fundador da blockchain Terra, Do Kwon, quis convencer os investidores de criptomoedas a colocar sua confiança (e dinheiro) na TerraUSD (UST), uma stablecoin que Kwon prometeu se manter sempre a US$ 1. Infelizmente, a confiança de Kwon não foi o suficiente para salvar a UST e o resto da Terra conforme o projeto dele caía a zero.

Agora, mais de 2 mil investidores dizem que a causa da perda do dinheiro deles foi o marketing enganoso.

Em ação coletiva movida nesta segunda-feira, na Califórnia, a exchange de criptomoedas Binance.US foi acusada de enganar investidores quanto ao ecossistema da blockchain Terra.

Esse processo é o primeiro dos Estados Unidos relacionado à Terra, cujos tokens UST e LUNC derreteram cerca de US$ 40 bilhões de fundos de investidores após caírem para alguns centavos no mês passado.

Leia mais: Binance suspende temporariamente saques de Bitcoin

A ação coletiva, movida pela firma americana Roche Freedman LLP, alega que a Binance.US vendeu a UST da Terra, que era indexada ao dólar, como sendo mais estável do que de fato era. Segundo o processo, quando a UST e o token Luna Classic (LUNC) caíram para zero, em maio, milhares de investidores inocentes foram pegos de surpresa. Para os advogados, a culpa dessas perdas é da propaganda enganosa.

O processo também alega que a Binance.US não está registrada como corretora ou exchange, o que pode ser uma violação das leis de valores mobiliários, após ter listado o que parece ser um valor mobiliário não registrado em UST.

O alvo do processo é o CEO da Binance.US, Brian Shroder.

Se a ação favorecer os investidores, alguns fundadores de finanças descentralizadas (DeFi) e CEOs de exchanges centralizadas vão ficar preocupados. No entanto, isso pode incentivar os defensores de DeFi que acham que, para evitar censura do governo e regulações onerosas, as ferramentas descentralizadas de finanças em criptomoedas são necessárias, e não as exchanges centralizadas.

O declínio da Terra

Além de experientes e afluentes investidores, como Paradigm e Hashed, a derrocada da Terra esvaziou as carteiras de milhares de inocentes investidores de varejo. Nos dias após o colapso da Terra, seu maior fórum do Reddit estava cheio de relatos de suicídio (e, no começo da thread, vários meios de ajudar aqueles que estavam sofrendo).

O fórum do também foi bastante crítico a Do Kwon, o cofundador falastrão da Terra. Segundo alguns observadores da Terra, ele é o principal culpado por prometer que a UST se manteria a US$ 1. Segundo uma entrevista com a Bloomberg, enquanto Kwon garantia a segurança do token, ele estava desenvolvendo um sistema que observadores, como Kevin Zhou, da Galois Capitol, diziam que iria certamente fracassar.

Apesar dessa base questionável, Kwon promoveu a segurança da UST (e do token da Luna) constantemente nas redes sociais, descartando críticos como Zhou.

Mesmo quando a UST começou a perder a indexação ao dólar (poucos dias antes de despencar), Kwon tuitou: “Anônimo, você pode ouvir influencers do Twitter de criptomoedas sobre a perda de indexação da UST pela 69ª vez ou você pode lembrar que eles são todos pobres agora e sair pra correr na rua”.

Ridicularizar críticos com adjetivos como “pobre” era comum para Kwon, mas, nos dias seguintes, o fundador estava estranhamente quieto conforme seu ecossistema derretia.

A pergunta agora é se Kwon ou sua empresa vão se juntar à Binance.US e enfrentar potenciais penalidades legais em seu papel promovendo a Terra.

Um painel do governo já está esperando-o na Coreia do Sul e a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) está no rastro da Terraform Labs há anos. Segundo relatos, há alguns meses, Kwon se mudou para Cingapura, mas a ação coletiva de hoje sugere que ele logo vai ser alvo de batalhas jurídicas ao redor do mundo.

Ainda assim, a Terraform Labs — empresa de Kwon que teve um papel central na criação do ecossistema da Terra — ainda não enfrentou uma ação coletiva como essa.

Ao que tudo indica, não vai precisar esperar por muito tempo.

Segundo FatMan, membro do Terra Research Forum e crítico da Terra com vários seguidores no Twitter, um processo similar contra a Terraform Labs deve aparecer e será provavelmente similar a esse.

FatMan ajudou a orquestrar a ação desta segunda ao organizar um grupo de 2 mil investidores da Terra que foram prejudicados e alegam terem sido enganados por várias entidades.

Em entrevista ao CoinDesk, FatMan disse: “Nós vamos começar a mover mediações e ações coletivas contra várias exchanges. Eu vou ajudar com contatos (conversando com as vítimas) mas eu não tenho nenhum papel real nos processos contra as exchanges. Depois disso, vamos entrar com uma ação contra TFL/Jump”.

No processo da Binance.US, FatMan disse: “As exchanges centralizadas se tornaram bastante acessíveis ao público geral — até meus pais usam elas — e, por conta disso, é moralmente necessário que elas se submetam a padrões de confiança e informações sobre riscos. Dizer para as pessoas que um ativo é atrelado a uma moeda fiduciária quando não é constitui fraude”.

“Dizer para as pessoas que uma moeda está indexada ao dólar na proporção de 1:1 e vendê-la junto com USDC e USDT sem informar sobre os riscos relevantes é desonesto. As pessoas foram envolvidas com promessas de ‘rendimentos estáveis e seguros’, mas não foi feita nenhuma tentativa de explicar para elas o que estavam comprando. Isso é moralmente irresponsável e, na minha opinião, deveria ser ilegal.”

Daqui para frente

Se a ação favorecer os investidores, esse momento vai ser decisivo para definir o status legal de DeFi, que, até então, conseguiu evitar regulações claras e fiscalização do governo.

Além disso, o fato de a ação coletiva de hoje focar em uma exchange centralizada como culpada pela propaganda de um token — e não a organização que lançou-o — vai ter implicações para DeFi daqui para frente. Pode ser um sinal de um mundo em que as exchanges centralizadas sejam forçadas a avaliar com mais cuidado os tokens que apoiam em sua plataforma.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe