Em até 90 dias

BBI vê Azul podendo lançar em breve oferta para comprar Latam Brasil e eleva recomendações para ações

Analistas veem a fusão entre Azul e Latam Brasil como "muito provável", elevaram o preço-alvo para AZUL4 para R$ 75 e analisam sinergias entre aéreas

Azul

SÃO PAULO – Em meio às avaliações sobre a consolidação do mercado no setor aéreo, que ganharam força no final do mês passado, a ação da Azul (AZUL4) teve a recomendação elevada de neutra para outperform (desempenho acima da média) pelo Bradesco BBI, com um novo preço-alvo de R$ 75 para 2022, valor 68% acima do fechamento de sexta-feira (4) e ante o preço-alvo anterior de R$ 38 para 2021. Com isso, os ativos AZUL4 sobem cerca de 7% nesta sessão: às 12h (horário de Brasília), a alta era de 6,67%, a R$ 47,69, na B3.

De acordo com os analistas do BBI, as operações envolvendo a Azul podem reescrever a história da companhia aérea em até noventa dias.

Os analistas lembram que, em 24 de maio, a Latam Airlines Group e a Azul anunciaram o encerramento de seu acordo de codeshare para voos domésticos no Brasil. Depois deste evento, a Azul confirmou seu interesse para consolidar o mercado doméstico e a Latam Brasil é o alvo potencial de aquisição, o que vem movimentando as ações desde então.

“Em nossa opinião, em até noventa dias, a Azul pode fazer uma proposta para adquirir as operações domésticas da Latam Airlines Brasil. Os credores da Latam podem solicitar que esta alternativa seja incorporada ao plano de reestruturação a ser apresentado nos procedimentos de recuperação judicial até 30 de junho e a ser votado até 23 de agosto”, avaliam os analistas, que veem a fusão entre as companhias como “muito provável”.

Os papéis da Latam Airlines negociados nos EUA também tiveram a recomendação elevada de underperform (desempenho abaixo da média) para neutra, assim como o preço-alvo foi elevado de US$ 1 para US$ 3, o que configura um potencial de valorização de 5% em relação ao fechamento da sexta-feira.

Para Victor Mizusaki e Pedro Fontana, analistas que assinam o relatório, as sinergias com a potencial fusão poderiam alcançar um valor presente líquido (VPL) de R$ 9,5 bilhões para a Azul, representando R$ 19 por ação. Isso levando em conta que as operações domésticas da Latam Brasil tenham avaliação de US$ 822 milhões.

De acordo com eles, os ganhos de sinergias podem chegar a 5% das receitas combinadas, baseando as avaliações nos ganhos de sinergia de oito operações do gênero recentes no setor. Olhando para o cenário mais pessimista com a fusão, o piso de sinergia seria de 2,7%, o que ainda representaria um aumento de R$ 14 para os ativos da Azul, destacam.

Cabe ressaltar que, em relatório do final de maio, o Itaú BBA apontou que, olhando para uma possível fusão entre Azul e Latam, essas sinergias poderiam levar a um valor adicional entre R$ 5,60 e R$ 27,90 por ativo AZUL4 para os atuais acionistas, pressupondo uma operação baseada em ações.  Assumindo a economia decorrente de uma fusão, os analistas calcularam as sinergias como uma proporção das receitas combinadas da nova empresa entre 1% e 5%. Com base nessa faixa de sinergia, estimam que um negócio entre a Azul e a Latam resultaria em um valor incremental de valor da firma entre R$ 2,5 bilhões e R$ 12,5 bilhões. Eles também fizeram análise de sensibilidade para uma possível fusão entre Azul e Gol (GOLL4) (veja mais clicando aqui).

Já o Morgan Stanley está mais pessimista, vendo grandes obstáculos para a união das operações, ao apontarem que a  administração da Latam já foi bastante incisiva ao dizer que não está interessada em vender sua operação no Brasil para a Azul.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para os analistas, esse parece ser um grande obstáculo, considerando que deve refletir a posição de alguns ou de todos os principais acionistas da Latam, como a família Cueto, que também faz parte de um dos grupos que forneceu o financiamento DIP (“debtor in possession”) –  ou seja, credores que possuem preferência quando a Latam começar a pagar suas dívidas da recuperação judicial.

A estratégia da Azul para adquirir os ativos da Latam é se organizar com os arrendadores de aviões credores do grupo chileno. Para que a estratégia tenha sucesso, é necessário que a Azul obtenha um consenso com os credores da Latam que ajudaram a compor o programa DIP da empresa.

Além disso, apontaram os analistas do Morgan, não está claro se a Azul irá de fato apresentar uma proposta competitiva para adquirir a operação da Latam no Brasil como parte do processo do capítulo de recuperação judicial da companhia aérea chilena, e um desafio importante está relacionado ao tempo. Isso porque qualquer proposta que a Azul fizer dependerá da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), enquanto o período de exclusividade para apresentar o plano de reorganização da Latam se estende até 30 de junho de 2021.

A recomendação atual do Morgan Stanley para os ADRs da Azul é underweight (exposição abaixo da média do mercado), com preço-alvo de US$ 17 (ou queda de 36% em relação ao fechamento do dia 4 de junho). Os analistas também possuem recomendação underweight para a ação da Latam Airlines negociada nos EUA, com preço-alvo de US$ 3,50, o que ainda configura uma alta de 22,8% em relação ao último fechamento. Veja mais clicando aqui. 

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.