Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa salta 2,3% e tem o melhor pregão em 6 meses de olho em eleições e ata do Fomc

Após abrir em queda e esboçar seguir a derrocada da véspera, índice teve alívio com mercado externo, enquanto divisa diminuiu a alta após ata do Fomc

Investidor feliz
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Após operar em queda durante a manhã, seguindo o mau humor dos investidores com as recentes pesquisas eleitorais, o Ibovespa passou a ganhar força durante a tarde desta quarta-feira (22), fechando próximo da máxima do dia com o mercado ainda repercutindo o Datafolha desta manhã e também a maior tranquilidade do cenário externo.

O benchmark da bolsa brasileira fechou com ganhos de 2,29%, aos 76.902 pontos, em seu melhor pregão desde o dia 14 de fevereiro, quando saltou 3,27%. O volume financeiro ficou em R$ 9,619 bilhões. Enquanto isso, o dólar, que chegou a atingir os R$ 4,09 na máxima do dia em meio aos temores eleitorais, diminuiu fortemente a alta após a ata da última reunião do Fomc (Federal Open Market Committee).

Os integrantes do Fed apontaram que temem que a guerra comercial represente a maior ameaça à economia "forte", o que pode representar uma menor disposição do comitê para novas altas de juros mais à frente. Com isso, o dólar comercial diminuiu fortemente os ganhos, mas registrou sua sexta valorização seguida, avançando 0,46% hoje, cotado a R$ 4,0559 na venda. 

Pesquisa Datafolha

O mercado segue digerindo o resultado da última pesquisa Datafolha, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçando sua liderança no quadro geral, o que gera preocupações sobre a potencial transferência de votos para Fernando Haddad. Por outro lado, chamou atenção o fato de que Geraldo Alckmin venceria em um eventual segundo turno contra Jair Bolsonaro, segundo a pesquisa.

Com isso, durante a manhã, o dólar voltou a registrar novas máximas. "A tendência é que a taxa de câmbio siga volátil (possivelmente com viés para depreciação adicional) no curto prazo, dado que os ativos nacionais deverão ser influenciados por novas informações de um processo eleitoral ainda imprevisível”, afirma Mauricio Oreng, estrategista-sênior para Brasil do Rabobank, em relatório. 

Para José Faria Júnior, diretor técnico da Wagner Investimentos, uma eventual atuação do Banco Central poderia ajudar a acalmar mercado, mas somente pesquisas indicando melhora de um candidato pró reformas será capaz de tirar pressão do mercado doméstico.

A primeira pesquisa Datafolha após o registro das candidaturas ao Palácio do Planalto mostrou que Lula aparece com 39% das intenções de voto, ainda mais do que os 37% mostrados pelo Ibope na última terça. O cenário gera receios do mercado sobre a possibilidade de Lula, mesmo que inelegível, coloque o PT no segundo turno e retire Alckmin do páreo, já que quanto mais votos Lula conseguir, maior é a possibilidade de transferência para Haddad. "O receio é de uma eleição de um governo menos comprometido com reformas", afirma o time de análise da XP Research. 

Ainda no cenário considerando o ex-presidente, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) mantém o segundo lugar com 19% dos votos. Aparecem embolados no terceiro lugar Marina Silva (Rede, com 8%), Geraldo Alckmin (PSDB, 6%) e Ciro Gomes (PDT, 5%)

No cenário sem o petista, condenado em segunda instância e que deverá tirá-lo da disputa presidencial, Bolsonaro tem 22% das intenções de voto. Já Marina e Ciro aparecem com 16% e 10%, respectivamente. Alckmin também sobe para 9%, empatando na margem com Ciro. O nome de Haddad, provável substituto do ex-presidente, aparece com 4% das intenções de voto nesse cenário, empatado com Alvaro Dias (PODE).

Vale destacar que, quando questionados sobre a possibilidade de Lula ser impedido de disputar a eleição e caso ele declare apoio a Haddad, 48% afirmaram que não votariam num candidato indicado por ele, ao passo que 31% o fariam, enquanto 18% disseram "talvez".

Por outro lado, no segundo turno, houve uma surpresa para Alckmin. Ele deixou o empate e derrota Bolsonaro (38% a 32%) e Ciro (37% a 31%), e viu seu resultado melhorar um pouco na simulação de segundo turno contra Marina (41% a 32%). Seu resultado melhor é contra Haddad, com o tucano batendo o petista por 43% a 20%. O possível candidato do PT também é derrotado por Bolsonaro (38% a 29%). Ciro, por sua vez, empata na margem com Bolsonaro (38% a 35%), que perde de Marina (45% a 33%).

Dados do Datafolha indicam que Haddad tem potencial para obter 24% do total dos votos e poderia, assim, chegar ao segundo turno. O potencial de Haddad se explica por dois fatos levantados pela pesquisa: ele ainda é pouco conhecido; e há disposição dos eleitores de Lula em votar em alguém indicado por ele.

Veja mais:
- Datafolha: Lula chega a 39% e, sem ele, Bolsonaro lidera com 22%; Alckmin cresce no 2º turno
Ibope: Em cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 20% e Haddad aparece com 4% dos votos
Haddad está virtualmente no 2º turno; Bolsonaro 'joga pelo empate' contra Alckmin, diz pesquisador
Estratégia do PT ajuda a fortalecer Bolsonaro, afirmam diretores do Datafolha

Destaques de ações
No mercado acionário, destaque para a Petrobras (PETR4), que abriu em queda seguindo o desempenho da véspera, mas passou a subir mais forte em um dia de ganhos expressivos do petróleo. Por outro lado, os bancos ganharam força e ajudam na recuperação do índice.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KROT3 KROTON ON ED 10,38 +6,57 -42,02 88,24M
 NATU3 NATURA ON 28,00 +5,86 -14,48 66,21M
 BTOW3 B2W DIGITAL ON 27,71 +5,76 +35,17 65,10M
 JBSS3 JBS ON 9,44 +5,47 -3,25 74,89M
 CSAN3 COSAN ON 37,00 +5,11 -8,28 72,37M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BBSE3 BBSEGURIDADEON 25,17 -0,79 -5,78 64,73M
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,90 -0,42 -10,13 208,22M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN EJ N2 18,35 +3,56 1,02B 1,06B 44.219 
 VALE3 VALE ON 53,30 +3,04 687,67M 981,37M 26.663 
 BBAS3 BRASIL ON EJ 30,00 +3,48 407,94M 319,36M 30.601 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN EDJ 42,98 +2,38 373,53M 581,24M 23.566 
 BBDC4 BRADESCO PN 28,79 +2,46 332,54M 420,19M 28.706 
 SUZB3 SUZANO PAPELON 48,22 +2,20 295,72M n/d 19.956 
 B3SA3 B3 ON 22,43 +1,04 235,91M 201,98M 17.758 
 PETR3 PETROBRAS ON EJ N2 21,26 +2,95 214,63M 171,90M 11.328 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,90 -0,42 208,22M 280,05M 16.241 
 CMIG4 CEMIG PN 7,81 +1,96 164,47M 61,52M 16.839 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
IBOVESPA

 

Contato