Em mercados / politica

Haddad está virtualmente no 2º turno; Bolsonaro 'joga pelo empate' contra Alckmin, diz pesquisador

Para Jairo Pimentel, estratégia de manter Lula candidato até o início da campanha foi eficiente, e transferência de votos pode até colocar Haddad na liderança em 7 de outubro

Fernando Haddad
(Lula Marques / AGPT)

SÃO PAULO - Aos poucos, o nebuloso quadro eleitoral começa a dar pistas sobre como será outubro. Para o cientista político Jairo Pimentel, pesquisador do CEPESP (Centro de Política e Economia do Setor Público) da FGV, são grandes as chances de uma repetição de disputa entre um candidato vermelho (à esquerda) e outro azul (à direita). O especialista conversou com o InfoMoney sobre a última leva de pesquisas eleitorais divulgadas pelos institutos MDA e Ibope.

Leia também: Até quando Lula será candidato à presidência? Entenda o passo a passo do processo

No campo da esquerda, ele vê o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), atual vice na chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como franco favorito para ir ao segundo turno. Preso há mais de quatro meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro após condenação em segunda instância, Lula está inelegível e tem poucas chances de poder participar da disputa. Seu substituto mais provável é Haddad.

Leia também: Entrevista exclusiva: "Previdência não pode ser considerada um tabu", diz Fernando Haddad

Já do outro lado, uma batalha entre o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) ainda tem desfecho absolutamente imprevisível. O primeiro conta com expressiva vantagem nas pesquisas e o apoio convicto de uma fatia relevante do eleitorado. Já o segundo estruturou a maior aliança e contará com ampla vantagem no horário eleitoral e em inserções diárias na programação de rádio e televisão.

"Com o endosso de Lula, não há dúvida de que Haddad é o grande candidato [da esquerda] para ir ao segundo turno. Com a campanha, a transferência [de Lula para Haddad] vai se cristalizar e ele é o favorito para ir ao segundo turno. A dúvida é: vai chegar em primeiro ou segundo lugar no primeiro turno? Temos uma definição mais clara neste campo. Ele está virtualmente no segundo turno", observou Pimentel em entrevista por telefone ao InfoMoney.

Para ele, a estratégia do PT de manter Lula candidato mesmo com o elevado risco de ser impedido de disputar, em função da Lei da Ficha Limpa, provou-se eleitoralmente eficaz. "Do ponto de vista ético, moral e político, podemos considerar essas críticas de confundir o eleitorado. Do ponto de vista eleitoral, foi a melhor estratégia possível", disse. Mesmo assim, ele admite o risco de uma fragmentação de votos entre candidaturas de esquerda ameaçarem a ida de o nome petista ao segundo turno, embora também chame atenção para o peso do chamado "voto útil" na reta final.

A ideia agora passaria a ser de misturar as imagens de Lula e Haddad, que já faz campanha no Nordeste em nome da candidatura petista nesta semana. Embora publicamente o PT mantenha a narrativa de que Lula é o candidato do partido, o momento da substituição da candidatura se aproxima, na medida em que avança o processo em que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) analisa seu pedido de registro de candidatura.

No campo azul, Pimentel observa um ambiente de mais incerteza. "Bolsonaro atingiu um teto, não passa dos 20%. Por outro lado, seu voto espontâneo é elevado e está cristalizado. Está difícil ele cair, e, se isso acontecer, não será uma queda astronômica", analisou. Embora conte com poucos recursos e tempo na televisão, o parlamentar concentra sua estratégia nas redes sociais, ambiente cujos resultados ainda são uma incógnita para analistas políticos.

"A tarefa de Alckmin é mais difícil. Enquanto Bolsonaro tem que 'empatar o jogo', ele precisa virar. Com muito tempo de televisão e considerando o elevado número de indecisos, o tucano vai crescer. A dúvida é se será suficiente", pontuou.

"Alckmin enfrenta um adversário resiliente em um cenário de crítica em relação ao establishment. Além da vinculação com a imagem de [Michel] Temer, ele está há muito tempo no Estado. Pairam dúvidas se vai poder trazer a renovação necessária ou se ele é uma continuidade à política como está", ponderou o cientista político.

Pimentel acredita que Alckmin poderá começar a crescer a partir de um segundo momento da campanha, quando forem direcionados ataques a adversários. "Como Alckmin tem muito tempo de TV, ele pode pautar a agenda. Ele pode colocar como tema a experiência de gestão. Neste momento, fazendo uma campanha negativa e comparativa, pode despontar entre os indecisos", observou.

"Tudo em campanha é pensado em estratégia, mas a principal neste momento é não se desesperar, pensar que as intenções de voto estão perdidas. Ainda vai levar um tempo, cerca de três semanas, para o eleitor se engajar. Vai ser no final que poderemos observar uma virada caso ela ocorra. Será preciso esperar até o último minuto para ver o que vai ocorrer", complementou.

Para ele, mais importantes que o horário de propaganda eleitoral gratuita serão os spots de propaganda dos candidatos durante a programação das emissoras de televisão e rádio. Neste caso, os espectadores são pegos de surpresa e assimilam melhor a informação transmitida. Como Alckmin terá muito mais exposição que seus adversários neste modelo em comparação com seus adversários, ele poderá ser capaz de pautar melhor o debate. Bolsonaro pode ter dificuldades em responder ataques.

"Alckmin vai subir nas pesquisas. O quanto ele vai subir e se vai ser suficiente só vamos saber na prática", concluiu Pimentel.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Contato