RADAR INFOMONEY Por que a Bolsa sobe e o PIB cai? O Ibovespa segura os 120 mil pontos, diante do caos na economia?

Por que a Bolsa sobe e o PIB cai? O Ibovespa segura os 120 mil pontos, diante do caos na economia?

Destaques da Bolsa

Ações de CVC, aéreas e shoppings saltam até 11% em dia de otimismo no mercado; Sinqia e Braskem sobem após balanços

Confira os destaques da B3 na sessão desta quinta-feira (11)

SÃO PAULO – A sessão foi de alta de quase 2% para o Ibovespa e de queda para o dólar comercial em quase 2% seguindo a aprovação em segundo turno do texto base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial e com a aprovação do pacote fiscal trilionário nos Estados Unidos.

Com o ambiente mais calmo e de menor aversão ao risco, as ações de companhias bastante descontadas na Bolsa e impactadas pela pandemia do coronavírus registraram fortes ganhos, com os investidores em busca de “pechinchas”. Já ativos de setores mais defensivos fecharam em baixa.

Ações de CVC (CVCB3, R$ 18,12, +10,96%), que caem mais de 12% no acumulado de 2021, das aéreas Gol (GOLL4, R$ 23,03, + 7,17%) e Azul (AZUL4, R$ 40,45, +5,50%), das operadoras de shopping centers brMalls (BRML3, R$ 9,06, +7,09%), Multiplan (MULT3, R$ 22,33, +7,10%) e Iguatemi (IGTA3, R$ 34,27, +6,56%) dispararam nesta sessão. Muitas delas dependem do ritmo de vacinação para a retomada das suas operações, uma vez que, a partir da diminuição da incidência da doença, será possível também diminuir o isolamento social.

Porém, vale ressaltar, o cenário ainda é de bastante incerteza: por mais que haja notícias de avanços na vacinação, o número de mortes por conta da pandemia bate recordes no Brasil, ultrapassando 2 mil mortes diárias nos últimos dois boletins do Ministério da Saúde. Com isso, alguns estados estão ampliando restrições: o governo de São Paulo anunciou nesta quinta medidas mais restritivas com a chamada Fase Emergencial, que vai começar na próxima segunda-feira (15) e irá até o dia 30 de março. Confira clicando aqui. 

As ações de Ecorodovias (ECOR3, R$ 11,57, +8,64%), que soltou resultado na noite da véspera, e a CCR (CCRO3, R$ 12,54, +8,10%), também dispararam. A Ecorodovias teve crescimento do tráfego nas principais rodovias por ela administradas no último trimestre de 2020, mas uma baixa contábil determinando prejuízo no período.

A sessão também foi de ganhos para as ações de Vale (VALE3, R$ 99,70, +2,62%), de mais de 2%, e siderúrgicas como CSN (CSNA3, R$ 37,28, +9,17%), Usiminas (USIM5, R$ 17,28, +4,47%) e Gerdau (GGBR4, R$ 27,99, +3,78%)  em meio à recuperação do preço do minério de ferro após duas quedas bastante expressivas.

Os futuros da commodity se recuperaram de baixas de quatro semanas nesta quinta-feira, em meio a dados que mostraram que os embarques mensais do ingrediente siderúrgico de Port Hedland, na Austrália, para a China caíram para uma mínima de dois anos.

Os ativos da Braskem (BRKM5, R$ 33,21, +3,43%) também subiram forte depois do balanço do quarto trimestre. A empresa teve lucro líquido atribuível aos acionistas majoritários de R$ 846 milhões no quarto trimestre de 2020, ante prejuízo líquido de R$ 2,92 bilhões registrado no mesmo trimestre de 2019. A petroquímica teve prejuízo líquido de R$ 6,69 bilhões em 2020, 139% maior ante o prejuízo líquido de R$ 2,79 bilhões em 2019.

PUBLICIDADE

Fora do Ibovespa, as ações da Sinqia (SQIA3, R$ 21,62, +5,77%) subiram mais de 5% na esteira de um resultado positivo do quarto trimestre de 2020. A companhia teve lucro líquido de R$ 3,08 milhões no quarto trimestre de 2020, valor quase 16 vezes maior que em igual período de 2019, de R$ 193 mil. No acumulado do ano passado, a companhia teve lucro de R$ 4,95 milhões, revertendo prejuízo de R$ 4,57 milhões em 2019.

Os bancos, por sua vez, tiveram movimentos distintos, com destaque de alta para o Bradesco (BBDC3, R$ 22,45, +2%;BBDC4, R$ 25,19, +1,74%). Na véspera, o Banco Central do Brasil anunciou a extensão da vigência da alíquota temporária de 17% do compulsório sobre recursos a prazo. A avaliação da XP Investimentos é de que a medida é positiva para o setor, cuja liquidez será beneficiada com a prorrogação. Nossa visão é que a liquidez deve ser usada para a aquisição de títulos.

“No entanto, não acreditamos que o anúncio tenha um impacto significativo nas expectativas para os bancos e em seus respectivos valuation, considerando que: i) as carteiras de empréstimos devem permanecer inalteradas, uma vez que os modelos de crédito interno dos bancos são as restrições para as concessões de crédito; ii) os títulos são menos relevantes para a receita líquida de juros, visto que a margem líquida de juros da carteira de empréstimos é mais relevante; e iii) a alíquota deve continuar reduzida apenas até novembro de 2021, reduzindo o impacto”, apontam os analistas.

Já entre as quedas, a PetroRio (PRIO3, R$ 92,85, -1,64%), depois de forte alta na esteira do petróleo e com indicações mais positivas sobre a companhia com aquisições, fechou como uma das maiores perdas do índice. Exportadoras, como a Klabin (KLBN11, R$ 28,93, -1,20%) e Suzano (SUZB3, R$ 74,16, -0,94%) também fecharam em queda em meio à baixa do dólar.

Veja os destaques:

Maiores altas

AtivoVariação %Valor (R$)
CVCB310.961418.12
CSNA39.165437.28
ECOR38.638511.57
CCRO38.1034512.54
GOLL47.1661223.03

Maiores baixas

AtivoVariação %Valor (R$)
TOTS3-1.9914727.56
PRIO3-1.6419592.85
JBSS3-1.37826.48
KLBN11-1.195428.93
RADL3-1.1909724.06

Vale (VALE3, R$ 99,70, +2,62%)

A Vale aprovou nesta quarta-feira a lista de candidatos para a composição do Conselho de Administração durante o mandato de 2021 a 2023.

Os nomes serão submetidos à assembleia geral da empresa, marcada para 30 de abril, quando serão eleitos 13 membros efetivos e um suplente.

Dentre eles, um efetivo e seu suplente serão eleitos em votação separada, pelo conjunto dos empregados da companhia, ressaltou a nota.

PUBLICIDADE

Os indicados como membros independentes são: Clinton James Dines, Elaine Dorward-King, José Luciano Duarte Penido, Maria Fernanda dos Santos Teixeira, Murilo César Lemos dos Santos Passos, Manuel Lino Silva de Sousa Oliveira (Ollie Oliveira), Roger Allan Downey e Sandra Maria Guerra de Azevedo.

Como membros não independentes os candidatos são Eduardo de Oliveira Rodrigues Filho, Fernando Jorge Buso Gomes, José Mauricio Pereira Coelho e Ken Yasuhara.

A Vale ainda informou que o executivo José Luciano Duarte Penido foi indicado para o cargo de presidente do Conselho, enquanto Fernando Jorge Buso Gomes concorre à vice-presidência.

Ainda no radar da companhia, os futuros de minério de ferro se recuperaram de baixas de quatro semanas nesta quinta-feira, em meio a dados que mostraram que os embarques mensais do ingrediente siderúrgico de Port Hedland, na Austrália, para a China caíram para uma mínima de dois anos.

O contrato mais negociado, para maio, na Bolsa de Commodities de Dalian da China DCIOcv1 saltou 5,6% para 1.093,50 yuans (US$ 168,34) a tonelada às 4h00 (horário de Brasília), após subir anteriormente para 1.095 yuans.

O contrato mais ativo de minério de ferro na Bolsa de Cingapura SZZFJ1 saltou 3,5% para US$ 164,20 a tonelada, se recuperando das perdas iniciais.

Os embarques de Port Hedland, o maior centro de exportação de minério de ferro do mundo, para a China totalizaram 30,73 milhões de toneladas em fevereiro, quando o maior produtor global de aço normalmente importa menos devido ao feriado do Ano Novo Lunar.

Por outro lado, os estoques começaram a cair no país após um aumento constante desde o início de 2021, à medida que a demanda de uso final começou a aumentar após o Ano Novo Chinês. De qualquer forma, os investidores seguem monitorando o tema da produção de aço de Tangshan impactada após a imposição de restrições.

PUBLICIDADE

Sobre isso, o BBI aponta: “o momento do fim das restrições de produção em Tangshan ainda permanece incerto. Dado que a a demanda de aço parece aumentar conforme nos aproximamos de um período sazonalmente mais forte para o consumo de aço, outras regiões da China podem aumentar a produção, enquanto o processo de redução de estoque pode ser acelerado”.

Braskem (BRKM5, R$ 33,21, +3,43%)

A Braskem teve lucro líquido atribuível aos acionistas majoritários de R$ 846 milhões no quarto trimestre de 2020, ante prejuízo líquido de R$ 2,92 bilhões registrado no mesmo trimestre de 2019.

A petroquímica teve prejuízo líquido de R$ 6,69 bilhões em 2020, 139% maior ante o prejuízo líquido de R$ 2,79 bilhões em 2019.

A receita líquida foi de R$ 18,7 bilhões no quarto trimestre de 2020, alta de 48% ante o resultado do quarto trimestre de 2019. Em 2020, a receita da companhia foi de R$ 58,5 bilhões, alta de 12% sobre 2019.

Os resultados foram positivamente impactados no trimestre pela maior demanda de resinas termoplásticas no Brasil, pela retomada da indústria em geral e ritmo acelerado da construção civil, demanda forte por plásticos e polímeros diversos nos EUA e Europa, além da desvalorização do real frente ao dólar favorecendo a conversão de caixa e impulsionando os resultados obtidos.

“O resultado da Braskem veio melhor do que o esperado e esperamos um impacto positivo nas ações da companhia  no curto prazo, com boas perspectivas para o ano de 2021, além de um resultado positivo e resiliente da empresa, mesmo com os eventos negativos e paralisação das atividades devido à pandemia”, avalia a Levante Ideias de Investimentos.

Eneva (ENEV3, R$ 66,70, +5,09%)

Já a Eneva teve lucro líquido de R$ 686,5 milhões no quarto trimestre, alta de 88% na base anual. Enquanto isso, a receita líquida operacional totalizou R$ 1,22 bilhão, alta de 10% na mesma base de comparação.

A alta do lucro ocorreu com a maior demanda por suas térmicas e maiores preços de venda de energia, segundo apontou à Reuters o diretor de Finanças, Marcelo Habibe. O Brasil registrou maior crescimento de consumo de energia entre outubro e dezembro, comparado com o mesmo período de 2019, surpreendendo projeções oficiais, segundo o executivo.

Por outro lado, a hidrologia abaixo do esperado no fim do terceiro trimestre prejudicou o nível de armazenamento dos reservatórios, demandando um maior número de térmicas. O efeito combinado levou a uma alta dos preços de energia.

O lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) consolidado ajustado (excluindo despesas com poços secos), atingiu R$ 614,7 milhões, impulsionado pelos maiores preços de venda de energia, despacho e menores custos operacionais.

A receita operacional líquida da companhia no quarto trimestre somou R$ 1,2 bilhão, alta de 10% ante o mesmo período do ano anterior. O executivo apontou ainda boas perspectivas para o resultado do primeiro trimestre, quando boa parte das térmicas permaneceram ligadas.

Em 2020, o lucro líquido atingiu R$ 1 bilhão, alta de 67,7% ante o ano anterior. Já o Ebitda ajustado foi de R$ 1,617 bilhão, alta de 8,2%.

Ecorodovias (ECOR3, R$ 11,57, +8,64%)

A Ecorodovias teve crescimento do tráfego nas principais rodovias por ela administradas no quarto trimestre, mas uma grande baixa contábil levou a operadora de concessões de infraestrutura ao prejuízo. A companhia anunciou prejuízo de R$ 630,7 milhões entre outubro e dezembro, ante lucro de R$ 79,2 milhões no mesmo intervalo de 2019.

A última linha do resultado foi afetada por uma baixa contábil de R$ 616 milhões referente ao contrato de concessão do Ecoporto Santos, que não foi prorrogado. A companhia contava com a prorrogação do contrato por mais 25 anos, mas o Ministério da Infraestrutura negou o pedido.

Em termos recorrentes, a Ecorodovias teve lucro de R$ 55,3 milhões no trimestre, ainda assim uma queda de 39,2% ano a ano, afetada pelos efeitos da pandemia da Covid-19. O tráfego consolidado de veículos cresceu 2,8% com o início da cobrança de pedágio na Ecovias do Cerrado. Assim, a receita líquida pró-forma atingiu R$ 831,8 milhões, alta de 3,5%.

Isso refletiu o maior movimento de veículos pesados na Ecovias dos Imigrantes, Ecocataratas e Eco050, impulsionado por expansão das exportações de soja e celulose. Mas isso não foi suficiente para compensar perdas com o tráfego dos veículos de passeio. Em termos comparáveis o tráfego nas rodovias caiu 1,7%.

Com isso, o resultado operacional medido pelo Ebitda pró-forma totalizou R$ 550,1 milhões, queda de 7,1%, com a margem recuando 7,6 pontos percentuais, para 66,1%. Os custos operacionais e despesas administrativas somaram R$ 744,2 milhões, queda de 6,2% devido principalmente à redução do custo de construção, provisão para manutenção, depreciação e amortização.

O Credit Suisse destacou que o resultado ficou em linha com suas previsões. Os resultados contabilizam o impairment de R$ 616 milhões na Ecoporto e R$ 72,6 milhões em penalidades da Eco101. O Ebitda ficou 2% abaixo da estimativa do Credit. A receita líquida recorrente ficou 6% abaixo de suas estimativas.

O banco avalia que os volumes se recuperaram rapidamente, e que as concessões contribuirão com lucro Ebitda de cerca de R$ 67 milhões em 2021. O Credit Suisse mantém recomendação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) e preço-alvo de R$ 17,7, frente aos R$ 10,65 negociados na quarta (10).

Sinqia (SQIA3, R$ 21,62, +5,77%)

A Sinqia teve lucro líquido de R$ 3,08 milhões no quarto trimestre de 2020, valor quase 16 vezes maior que em igual período de 2019, de R$ 193 mil. No acumulado do ano passado, a companhia teve lucro de R$ 4,95 milhões, revertendo prejuízo de R$ 4,57 milhões em 2019.

A receita líquida teve alta de 22,8% no trimestre na base de comparação anual, a R$ 59 milhões; a alta no ano foi de 19,9%, aos R$ 209,99 milhões.

No trimestre, a companhia registrou recorde na carteira de contratos, com R$ 175,2 milhões, em alta de 18,9%, com reajustes contratuais, performance comercial favorável, e consolidação da Tree e da Fromtis.

O Ebitda foi de R$ 10,59 milhões no quarto trimestre, alta de 180,7% na base anual. No acumulado do ano passado, o Ebitda da Sinqia subiu 129,3%, com R$ 30,03 milhões.

O Credit Suisse avaliou os números como positivos. O banco destacou que a receita líquida subiu 23% na comparação anual e 14% em relação ao terceiro trimestre, ficando 3% acima de suas estimativas. A alta foi impulsionada pela divisão de software.

A receita do setor foi de R$ 35 milhões, alta de 31% na comparação anual, e de 9% frente ao trimestre anterior, ficando 6% acima da estimativa do Credit.

O crescimento se receitas se acelerou a 18% na comparação anual, e 12% frente ao trimestre anterior. O Ebitda de R$ 11 milhões representou um crescimento de 65% na comparação anual, e de 47% na trimestral, ficando 6% acima da estimativa do Credit. Ele implica uma margem de 18%.

O banco avalia que os resultados fortes nas divisões de serviços e software devem contribuir para a continuidade do ritmo de crescimento, com perspectiva de fusões e aquisições que podem impulsionar a valorização dos papéis.

O Credit mantém recomendação neutra (perspectiva de valorização dentro da média do mercado) e preço-alvo de R$ 25, frente aos R$ 20,44 negociados na quarta (10).

Já o Safra começou a cobertura para Sinqia (SQIA3) com recomendação de compra e um preço-alvo para o final de 2021 de R$ 31 por ação, implicando alta de 60% frente o fechamento da véspera.

“O modelo de negócios da SQIA3 é muito atraente em nossa opinião. A Sinqia possui um modelo de negócios de grande visibilidade e previsibilidade, pois 88% de sua receita é recorrente e possui uma taxa de retenção muito forte (acima de 97% historicamente). A Sinqia tem ainda uma vasta carteira de clientes, contando com cerca de 400 instituições dos mais diversos segmentos financeiros, incluindo clientes internacionais”, destacam os analistas.

Aliansce Sonae (ALSO3, R$ 25,30, +5,86%)

A Aliansce apresentou queda de seu lucro líquido na comparação anual de 94,8% no quarto trimestre de 2020 na base de comparação anual, totalizando R$ 5,4 milhões no trimestre. No acumulado do ano, contudo, houve um avanço de 100,5%, encerrando 2020 com R$ 169,1 milhões.

A Aliansce Sonae apresentou resultado  abaixo das expectativas em termos de receita líquida, Ebitda e lucro líquido, destaca a Levante Ideias de Investimentos, ainda que mostrando melhora em relação ao trimestre anterior.

A receita líquida veio abaixo do esperado, com queda de 19,2% na comparação anual, e totalizou R$ 216,5 milhões no quarto trimestre. Na comparação trimestral, a variação foi de alta de 28,5%. No acumulado anual, foi registrada uma contração de 17,7%, com receita líquida total de R$ 767,2 milhões em 2020.

O NOI (Net Operating Income – Resultado Operacional Líquido) da companhia apresentou queda de 26,3% na base anual, totalizando R$ 177,3 milhões dno período e implicando uma margem de 84,9 %, -6,8 pontos percentuais, ano contra ano.

O Ebitda ajustado caiu 27,8% na comparação anual, contabilizando R$ 151,9 milhões no trimestre. No acumulado do ano, o recuo foi de 24,6%, com R$ 522,9 milhões em 2020. Sua margem Ebitda também sofreu contração de 8,3 pontos percentuais, registrando 70,2% no quarto trimestre de 2020. No ano, a queda foi de 6,3%, com 68,2% em 2020.

Trisul (TRIS3, R$ 10,05, +7,72%)

No quarto trimestre, a Trisul teve lucro 27% maior no quarto trimestre de 2020 na base anual, a R$ 55 milhões.

Leia também
Trisul: como a construtora saiu do endividamento e se transformou em uma das queridinha dos analistas

A Trisul fechou o ano com alta de 21% em seu lucro líquido, a R$ 170 milhões, e crescimento de 10% na receita líquida, para R$ 878,9 milhões.

O Bradesco BBI destacou que o guidance (projeções e projetos para determinado período) da companhia foi atingido. As vendas atingiram o recorde de R$ 230 milhões no trimestre, e de R$ 784 milhões no ano, com a velocidade das vendas em linha com o mesmo período de 2019, apesar de estar 4,4 pontos percentuais abaixo do trimestre anterior.

O banco mantém avaliação de outperform, e preço-alvo de R$ 15, frente aos R$ 9,33 de fechamento da véspera.

Simpar (SIMH3, R$ 35,69, +8,38%)

O Bradesco BBI comentou os resultados divulgados pela Simpar para o quarto trimestre. O Ebitda de R$ 700 milhões representou alta de 14,5% na comparação anual, e ficou 2% acima da expectativa do Bradesco, e 3% acima daquela do mercado, impulsionado pela Movida e pela VAMOS.

Além disso, o custo menor da dívida contribuiu para um resultado financeiro líquido menor na comparação anual, apesar de dívida maior. Assim, os rendimentos ficaram 63% acima da estimativa do Bradesco e 71% acima daquelas do mercado.

O Bradesco BBI mantém avaliação de outperform e preço-alvo de R$ 57, frente aos R$ 32,93 de fechamento na quarta (10).

Qualicorp (QUAL3, R$ 33,45, +1,55%) e Rede D’Or (RDOR3, R$ 60,90, +1,50%)

Em menos de um mês, a Rede D’Or aumentou novamente sua participação na Qualicorp, agora de 22% para 25%, ante 10% em 2019.

“Embora endosse a crença no valor da empresa, o aumento progressivo da participação sinaliza uma possível interferência futura”, avalia o Credit Suisse.

Já o Bradesco BBI vê esse como um movimento para proteger o controle de uma empresa que acreditam ter um papel importante na distribuição de produtos à escala nacional. “Vale ressaltar que acreditamos que a Qualicorp é um ativo importante para a Rede D’Or: i) o acesso à distribuição nacional da Qualicorp deve ajudar a Rede D’Or e seus parceiros operacionais de saúde a se deslocarem para novas regiões; e ii) Qualicorp garante acesso às informações do cliente final para a Rede D’Or para melhor entender as tendências dos beneficiários”, avaliam. A recomendação do BBI tanto para a Rede D’Or quanto para a Qualicorp é outperform, com preços-alvos respectivos de R$ 82,00 e R$ 39,00, respectivamente.

Arco Educação (NASDAQ: ARCE)

A Arco Educação anunciou acordo para a compra do sistema de tutoria e testes preparatórios para estudantes do ensino básico Me Salva, que oferece aulas gravadas e ao vivo em vídeo, exercícios, ferramentas para escrita e planos de estudo personalizados, com mais de 900 mil usuários em 2020 e taxa de crescimento anual composta de 36% entre 2016 e 2020.

O Bradesco BBI destaca que 80% dos alunos brasileiros estudam em escolas públicas, onde a Arco tem penetração limitada. Por isso, a aquisição da Me Salva aumenta sua penetração nesse segmento e seu portfólio de soluções a serem oferecidos para os clientes de escolas particulares. O banco mantém avaliação de outperform e preço alvo de US$ 52 para 2021 para os papéis da Arco, frente aos US$ 30,12 de fechamento na quarta na Nasdaq.

Atma (ATMP3, R$ 5,86, +17,20%)

A Atma, holding que controla a Liq (antiga Contax, e mais duas empresas de serviços), vê as suas ações registrarem forte alta desde a divulgação dos dados operacionais do quarto trimestre de 2020, na última sexta-feira (5).

Já na última quarta-feira (9), foram divulgou seus resultados consolidados do 4º trimestre de 2020, nos quais a companhia registrou um aumento de 65,2% da receita em relação ao mesmo período do ano passado.

A empresa também teve lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda) recorrente positivo de R$ 34 milhões no quarto trimestre de 2020, contra um resultado negativo de R$ 30 milhões em igual período do ano anterior. Já aa margem bruta foi de 14% no quarto trimestre.

“A melhora é fruto de todo o trabalho realizado visando a retomada da margem da Companhia para patamares compatíveis aos setores em que atua. A empresa teve crescimento 25% (QoQ) de clientes digitais (app de entregas, games, e-commerce, fintechs, e banco digital)”, apontou a companhia.

Ela destacou que os resultados anunciados são fruto do profundo processo de reestruturação iniciado no primeiro semestre de 2019, que envolveu a troca da diretoria e esforços de redução de custos, aporte tecnológico, aumento de capital e o início de sua atuação no setor de manutenção industrial. A Atma, antes chamada Liq, mudou sua denominação social em março de 2020.

Sequoia (SEQL3, R$ 27,47, +0,26%)

O Itaú BBA iniciou a cobertura para as ações da Sequoia com uma recomendação outperform (desempenho acima da média) e um valor justo no ano de R$ 36,70 por ação.

Eletrobras (ELET3, R$ 31,74, +0,16%;ELET6, R$ 32,00, -0,25%)

A Eletrobras teve decisão desfavorável no julgamento dos Embargos de Declaração pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O recurso tratava da responsabilidade solidária da União nos processos referentes às diferenças de correção monetária e expurgos inflacionários no âmbito do Empréstimo Compulsório de Energia.

A estatal afirma que vai prosseguir discutindo o tema juridicamente e aguardará a publicação no Diário Oficial. Ainda segundo a companhia, a decisão do STJ não altera as demonstrações financeiras e os valores já provisionados para este fim.

A Eletrobras completa afirmando que permanecerá defendendo que a União é responsável solidária nos processos dos credores do Empréstimo Compulsório.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.