Destaques da Bolsa

Ações de Vale e siderúrgicas caem até 5% com minério e medidas da China; B3 sobe e Eletrobras fica entre perdas e ganhos com MP

Confira os destaques da B3 na sessão desta quarta-feira (16)

SÃO PAULO – As ações de Vale (VALE3, R$ 108,15, -3,00%), com queda de 3%, foram um dos principais destaques de queda do Ibovespa, assim como a holding Bradespar (BRAP4, R$ 67,28, -3,61%). As siderúrgicas também tiveram baixa, caso de CSN (CSNA3, R$ 42,40, -4,72%), Usiminas (USIM5, R$ 18,13, -2,58%) e Gerdau (GGBR4, R$ 30,14, -5,10%).

O movimento acontece em meio à sessão de queda do minério de ferro, diante de um aumento nos embarques de grandes países fornecedores, sendo acompanhados por um declínio nos preços do aço, à medida que operadores se mostram preocupados com potenciais políticas de controle por parte do governo chinês.

A China intensificou os esforços para conter a cotação das commodities e a especulação, tentando reduzir a ameaça que a alta de preços das matérias-primas representa para a recuperação econômica após a pandemia (veja mais clicando aqui).

A Embraer (EMBR3, R$ 20,44, -4,40%) que avança cerca de 21% no mês em meio aos progressos para o desenvolvimento dos veículos elétricos de decolagem e pouso vertical (eVTOL, na sigla em inglês), registra uma sessão de perdas de cerca de 2%, com os investidores embolsando os ganhos.

Entre os maiores ganhos, ficaram os ativos da B3 (B3SA3, R$ 16,91, +1,44%), com ganhos de mais de 1%, no quarto dia seguido de recuperação. O papel fechou na mínima em cerca de um ano na última quinta-feira, em meio a ruídos envolvendo um eventual novo competidor, bem como alguma acomodação nos volumes de negociação de ações. Diversas casas reiteraram, contudo, recomendação “outperform” ou “compra”, como BTG Pactual, Citi, Safra e Bradesco BBI.

O último deles foi o Safra, que destacou que a queda recente das ações é oportunidade de compra, reiterando recomendação com preço-alvo de R$ 21.

“A nosso ver, a B3 continua com fundamentos sólidos baseados em: forte geração de fluxo de caixa livre e boas perspectivas de volumes negociados para os próximos anos (conforme o mercado de capitais brasileiro se desenvolve, com maior número de investidores pessoas físicas e mais empresas acessando os mercados de ações). Não vemos uma razão importante para explicar a fraqueza das ações da B3 nas últimas semanas. Embora haja algum ruído nas preocupações com a concorrência e acomodação nos volumes negociados de ações, o que deve fazer com que os resultados do segundo trimestre de 2021 não sejam tão fortes quanto os do primeiro trimestre”, destacaram os analistas.

Os ativos da Eletrobras (ELET3, R$ 44,98, +0,78%; ELET6, R$ 44,70, -0,67%), por sua vez, ficaram entre perdas e ganhos com os investidores atentos à votação no Senado da Medida Provisória que trata da desestatização da companhia, a MP 1.031/2021. Durante a tarde aumentou a chance de ela ficar para a quinta-feira (17). A sessão remota da Casa nesta quarta começou por volta das 16h40 (horário de Brasília).

PUBLICIDADE

De acordo com informações da XP Política, o comando do Senado, em acordo com o governo, irá observar como caminha a sessão para definir se a MP irá a voto hoje mesmo ou se apenas as discussões ocorrerão nesta quarta, com o adiamento da votação para quinta.

O parecer do senador Marcos Rogério (DEM-RO) deve manter a base do que foi aprovado na Câmara, com mudanças pontuais.

A avaliação no Planalto é de que existe maioria para aprovar a MP, mas é preciso cuidado para não tensionar o plenário e correr o risco de haver um racha. Por isso, a possibilidade de deixar a votação para quinta, a depender de como estará o clima no Senado.

Já entre as altas, destaque para o Banco Inter (BIDI11, R$ 65,77, +5,49%). O movimento acontece após a queda da véspera, mesmo dia em que o banco informou a aprovação pelo seu conselho de administração de oferta primária de units com esforços restritos da ordem de R$ 5,5 bilhões.

Cada unit é formada por 1 ação ordinária e 2 ações preferenciais de emissão do Inter. O preço por unit foi fixado no valor de R$ 57,84 e o preço por ação foi fixado no valor de R$ 19,28. Com base no preço fixado por unit, o montante total da oferta, incluindo o lote adicional, pode alcançar R$ 5,5 bilhões. A divulgação do volume final da oferta está previsto para 24 de junho.

Confira os destaques:

Eletrobras (ELET3, R$ 44,98, +0,78%; ELET6, R$ 44,70, -0,67%)

Em destaque, o Plenário do Senado começou a analisar nesta quarta-feira por volta das 16h40 (horário de Brasília), a medida provisória que trata da desestatização da Eletrobras (MP 1.031/2021). A MP está perto do fim de seu prazo de validade: se ela não for aprovada pelo Congresso Nacional até a próxima terça-feira (22), perderá seus efeitos. Se o Senado alterar o texto, a medida provisória terá de passar por uma nova votação na Câmara para ser definitivamente aprovada no Congresso.

Se o prazo expirar sem que haja a aprovação, o governo federal não poderá enviar outra MP sobre o mesmo tema neste ano. A MP ainda não tem relatório, a ser apresentado nesta data pelo senador Marcos Rogério (DEM-RO). Veja mais clicando aqui.

PUBLICIDADE

De acordo com informações da XP Política, o comando do Senado, em acordo com o governo, irá observar como caminha a sessão para definir se a MP irá a voto hoje mesmo ou se apenas as discussões ocorrerão nesta quarta, com o adiamento da votação para quinta.

Leia mais: Os dias decisivos para a aprovação da MP da privatização da Eletrobras (e as mudanças que estão no radar)

O parecer do senador Marcos Rogério (DEM-RO) deve manter a base do que foi aprovado na Câmara, com mudanças pontuais. A avaliação no Planalto é de que existe maioria para aprovar a MP, mas é preciso cuidado para não tensionar o plenário e correr o risco de haver um racha. Por isso, a possibilidade de deixar a votação para quinta, a depender de como estará o clima no Senado.

Cabe destacar que a liderança do PSD no Senado decidiu apoiar o requerimento apresentado pelo Podemos para votar o texto original da Medida Provisória da Eletrobras. O Podemos conta com nove senadores, e a bancada do PSD, uma bancada de 11 senadores, o que amplia a resistência contra o parecer aprovado pela Câmara.

“Após minuciosa análise e reuniões, o PSD Senado consentiu em apoiar o requerimento para retirar os artigos inseridos na MP da Eletrobras”, diz a nota do senador Nelsinho Trad (PSD-MS).

O requerimento pela exclusão dos jabutis – emendas estranhas à proposta original – do parecer da MP foi apresentado pelos senadores Álvaro Dias (Podemos-PR) e Flávio Arns (Podemos-PR).

Dentre essas emendas, está a que obriga o governo a contratar 6 mil megawatts (MW) em térmicas a gás, mesmo em locais sem reservas e infraestrutura para escoar o insumo. Para Trad, a matéria é complexa e qualquer alteração de mérito no relatório exige tempo para ser analisada.

Mais cedo, Marcos Rogério descartou a possibilidade de resgatar o texto original do Executivo apresentado ainda em fevereiro. Segundo ele, o parecer irá manter os pontos principais enviados pelo governo, mas com contribuições da Câmara e do Senado.

PUBLICIDADE

Cabe destacar que, na véspera, a Associação de Empregados da Eletrobras (Aeel) protocolou no Tribunal de Contas da União (TCU) denúncia contra a Medida Provisória da Eletrobras, afirmando que ela fere dez artigos da Constituição Federal e que a inconstitucionalidade foi confirmada pela consultoria do Senado na última segunda. A denúncia é centrada no ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e no ministro da Economia, Paulo Guedes, responsáveis pela entrega pessoal da MP na Câmara dos Deputados.

Ultrapar (UGPA3, R$ 20,14, -2,56%) e distribuidoras

A Ultrapar Participações confirmou que se encontra em negociação exclusiva com a Indorama Ventures PLC para eventual venda de sua subsidiária Oxiteno. No entanto, a companhia ressaltou que não há neste momento contrato ou qualquer
compromisso de compra e venda assinado entre as partes. Demais termos e condições da operação, incluindo o valor, ainda estão em processo de discussão.

“Em consistência com o que vem informando aos seus acionistas e ao mercado de capitais, a Ultrapar está em processo de revisão de seu portfólio de negócios, buscando maior complementariedade e sinergias, com investimentos centrados nas
oportunidades existentes na cadeia downstream de óleo e gás no Brasil, na qual possui forte escala operacional e conta com vantagens competitivas estruturais. A companhia manterá seus acionistas e o mercado informados sobre eventuais
desdobramentos relevantes”, destacou a empresa em fato relevante.

O Valor Econômico informou na véspera que o grupo Ultra tinha acordo de exclusividade para vender a Oxiteno para Indorama. A Indorama estaria disposta a desembolsar até US$ 1,2 bilhão pelos ativos da Oxiteno, que é avaliada em US$ 1 bilhão pelo mercado e tem fábricas no Brasil, América Latina e Estados Unidos, afirmaram ao jornal fontes a par do assunto.

Nesta manhã, o Estadão também informou, também citando fontes, que o Grupo havia fechado esse acordo de exclusividade para a venda de sua unidade química (veja mais aqui).

Ainda no radar do setor, o Bradesco BBI repercutiu dados sobre volumes de combustíveis no Brasil relativos à semana encerrada em 13 de junho, que indicaram redução no ritmo de crescimento dos volumes. Os volumes de combustível cresceram 9,2% na comparação anual, e 0,2% na comparação semanal. Os volumes de etanol subiram 2% na comparação anual; os de gasolina caíram 17%; os de diesel aumentaram 12%; e os da gasolina premium caíram 2%. O volume total desde o início do ano subiu 9,3%, frente ao crescimento de 9,4% na semana passada, na mesma comparação.

A Raízen, joint Venture entre Cosan (CSAN3) e Shell, tem tido desempenho superior, com alta de 16% na semana encerrada em 13 de junho, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Os volumes da BR Distribuidora (BRDT3) subiram 8% na mesma comparação; os da Ipiranga, do grupo Ultrapar, 3%; e os de postos sem marcas, 10%.

Ser (SEER3, R$ 18,20, -1,99%)

A Ser Educacional anunciou que obteve financiamento de R$ 200 milhões com a International Finance Corporation (IFC), do Banco Mundial, para fortalecer a estratégia de crescimento e transformação digital. Segundo a Ser, os recursos serão usados para atualizar as plataformas de ensino à distância e desenvolver produtos para enfrentar a crise provocada pela pandemia de Covid-19.

TIM (TIMS3, R$ 12,75, -1,39%)

A operadora de telecomunicações TIM anunciou nesta terça-feira a emissão de R$ 1,6 bilhão  em debêntures vinculadas a metas de eficiência no consumo de energia elétrica e na ampliação da cobertura da tecnologia 4G no país.

Engie Brasil Energia (EGIE3, R$ 41,09, -1,08%) 

A Engie Brasil Energia prorrogou em 120 dias prazo de direito de exclusividade concedido à Fram Capital em negociação para a venda do complexo termelétrico a carvão Jorge Lacerda, informou a companhia em fato relevante ao mercado nesta terça-feira. A prorrogação, segundo a Engie, visa a continuação do processo de due diligence para aquisição da totalidade da participação acionária na Diamante Geração de Energia, controlada da companhia que detém a totalidade dos ativos que compõem o complexo. Localizado em Capivari de Baixo (SC), o complexo tem capacidade instalada de 857 MW.

Ambipar (AMBP3, R$ 35,89, +1,82%)

A Ambipar comunicou a compra da Ecológica Nordeste e da Ecológica Gestão Ambiental; os valores envolvidos não foram divulgados.

Vale (VALE3, R$ 108,15, -3,00%)

Atenção para o movimento das commodities nesta sessão. Os contratos futuros do minério de ferro negociados na China recuaram nesta quarta-feira, diante de um aumento nos embarques de grandes países fornecedores, sendo acompanhados por um declínio nos preços do aço, à medida que operadores se mostram preocupados com potenciais políticas de controle por parte do governo chinês.

As cargas de minério de ferro provenientes de Austrália e Brasil atingiram 26,14 milhões de toneladas na semana passada, alta de 1,1 milhão de toneladas em relação à semana anterior, segundo dados da consultoria Mysteel.

O contrato mais ativo do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian DCIOcv1, para entrega em setembro, recuou 1,5%, a 1.198 iuanes (187,26 dólares) por tonelada, no fechamento.

A demanda pela matéria-prima siderúrgica tem sido sustentada pela robusta produção nas usinas, em momento em que o setor obtém boas margens de lucro.

A produção de aço bruto da China atingiu um recorde de 99,45 milhões de toneladas no mês passado, de acordo com dados do Departamento Nacional de Estatísticas.

Ainda no radar da companhia, credores da Samarco entraram na terça com um pedido na Justiça para que seja negada autorização para a mineradora receber um financiamento adicional de R$ 1,2 bilhão de Vale e BHP, sócias da empresa em recuperação judicial, e ainda proíba que a mineradora realize qualquer pagamento à Fundação Renova. Em documento entregue à Justiça na quinta, a Samarco afirmou ser fundamental que tenha acesso ao financiamento no curso da recuperação judicial, a fim de preservar sua atividade empresarial.

Em sua justificativa, eles argumentam que Vale e BHP deram empréstimos bilionários à mineradora nos últimos anos, “no intuito de que a Samarco fizesse frente sozinha aos aportes à Renova, como se apenas ela fosse responsável pelas obrigações socioambientais”. Ressaltaram ainda que o novo empréstimo junto às sócias, na modalidade DIP, prevê um juros de 9,5% ao ano, enquanto a Vale emite dívida a juros de 3,75% no exterior.

Petrobras (PETR3, R$ 29,57, +0,34%; PETR4, R$ 29,14, +0,38%)

A Petrobras recebeu oferta da norte-americana Excelerate Energy de arrendamento do Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito da Bahia e instalações associadas, segundo informações publicadas no site da companhia. Na proposta, única a ser recebida pela petroleira estatal, a norte-americana ofereceu o pagamento de cerca de R$ 3 milhões por mês, ou um total de R$ 92,142 milhões em 30 meses.

Ainda no radar da companhia, o conselho de administração autorizou a convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para a eleição de oito cargos no colegiado que haviam sido preenchidos pelo processo de voto múltiplo na reunião do último dia 12 de abril, informou a companhia na noite de terça-feira.

O movimento ocorre após a efetivação da renúncia do conselheiro Marcelo Gasparino da Silva, representante de minoritários, que anunciou ainda em abril que deixaria o posto para provocar nova eleição, alegando problemas nos procedimentos da assembleia que o elegeu.

Segundo fato relevante divulgado pela estatal, o conselho concedeu prazo de até 45 dias para a publicação do edital de convocação.

CPFL (CPFE3, R$ 28,90, -1,06%)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou na terça aumento de 9,95% na tarifa da RGE Sul Distribuidora de Energia S.A., do grupo CPFL. O reajuste tarifário anual da empresa com sede em São Leopoldo (RS) valerá para cerca de 2,9 milhões de unidades consumidoras.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Analista oferece curso gratuito de como gerar renda extra na Bolsa. Inscreva-se no Desafio dos 5%.