Destaques da bolsa

Ações da Azul sobem, enquanto Gol e CVC caem forte; Renner e Via Varejo desabam até 12%

Confira os destaques da B3 na sessão desta segunda-feira (23)

SÃO PAULO – Os anúncios do Banco Central do Brasil de reduzir compulsório e do Federal Reserve de ampliar o escopo de seu programa de estímulos deram alívio apenas temporário ao Ibovespa. O índice chegou a subir, mas logo virou para baixo, fechando com queda superior a 5%.

A Petrobras (PETR3; PETR4) caiu mais de 3%. Terminou hoje período de bloqueio à venda das ações da estatal após a oferta do BNDES.

Em termos percentuais, novamente as varejistas foram as mais impactadas, uma vez que várias delas fecharam as suas lojas temporariamente por conta do coronavírus.

PUBLICIDADE

Via Varejo (VVAR3) e Lojas Renner (LREN3) chegaram a cair mais de 12%, enquanto Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3) registraram forte baixa após chegarem a se recuperar parcialmente na sexta-feira. Por outro lado, os papéis da Azul (AZUL4) subiram. Apesar disso, o cenário para aéreas segue nebuloso com diversos cancelamentos de voos e redução da capacidade operacional.

A Usiminas (USIM5) também viu suas ações em queda: a siderúrgica espera queda em suas vendas para os próximos meses por causa do coronavírus.

Confira os destaques:

Vale (VALE3

A Vale informou que comprou 5 milhões de kits de testes do coronavírus e doará o material ao governo brasileiro. Segundo a mineradora, o primeiro lote, com 1 milhão de kits, será entregue pelo fornecedor chinês na sexta-feira (27 de março) e deverá chegar ao Brasil na semana seguinte. A Vale informou que os outros lotes com 4 milhões de kits deverão chegar ao Brasil no decorrer de abril.

Cemig (CMIG4

A Cemig informou que a sua subsidiária Renova Energia S.A., em recuperação judicial, aceitou oferta vinculante feita pela ARC Capital, G5 Administradora de Recursos e XP Vista Asset Management para financiamento da conclusão das obras do Complexo Eólico Alto Sertão III – Fase A. O oferta também é para a Renova cobrir despesas operacionais correntes. As obras do complexo de Alto Sertão III, no interior da Bahia, foram paralisadas há anos pela Renova. A subsidiária da estatal mineira entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro do ano passado, informando dívidas de R$ 3,1 bilhões.

Varejistas

O Goldman Sachs, em relatório, apontou que vê maior risco potencial para suas estimativas de lucros em 2020 para varejistas de roupas e
calçados, como Lojas Renner (LREN3), Arezzo (ARZZ3), Centauro (CNTO3) e Cia Hering (HGTX3), dada a
natureza não essencial de seus negócios.

PUBLICIDADE

A análise do Goldman sugere que os riscos potenciais são de -34% para a Renner, -32% para Arezzo, -31% para Centauro e -26% para Hering.

Por outro lado, os analistas enxergam um impacto menor para RD (RADL3) e Lojas Americanas (LAME4), uma vez que essas empresas são consideradas pelo governo como de serviços essenciais de distribuição e a maioria de suas lojas é de rua.

O Goldman disse ainda que não incluíram varejistas de bens duráveis nessa análise preliminar, pois esperam que uma parcela potencialmente maior da demanda mude para compras on-line.

IRB (IRBR3)

O IRB informou que Lúcia Maria da Silva Valle foi destituída do cargo de vice-presidente executiva de riscos e conformidade. Wilson Toneto, que foi CEO da Mapfre, e presidente do Conselho de Administração do Grupo Segurador BB e Mapfre, substituirá a executiva. A decisão foi do conselho de administração do ressegurador.

Via Varejo (VVAR3)

A Via Varejo comunicou no sábado que fechou todas as lojas físicas das bandeiras Casas Bahia e Ponto Frio, em 20 estados brasileiros e no Distrito Federal, por causa da epidemia do coronavírus. As lojas foram fechadas ao meio-dia do próprio dia 21 e ficarão sem funcionar por prazo indeterminado, embora a Via Varejo tenha ressaltado que o comércio eletrônico continua em operação. No total, a medida para ajudar na contenção da epidemia no Brasil envolveu o fechamento de 700 lojas da Casas Bahia e 250 do Ponto Frio. “Continuaremos a acompanhar a evolução da pandemia do Covid-19 de forma a avaliar, em linha com as medidas sanitárias e médicas em vigor, o melhor momento para a reabertura”, informou a Via Varejo.

Lojas Marisa (AMAR3

A Lojas Marisa informou no domingo que fechou todas as suas 300 lojas no Brasil, também por causa do avanço do Covid-19. “A companhia decidiu fechar as lojas físicas em todo o Brasil por tempo indeterminado, em função dos desdobramentos recentes relacionados ao Covid-19”, comunicou a varejista. A empresa também ressaltou que o comércio eletrônico continua a funcionar e os funcionários da parte administrativa trabalharão em home office a partir desta semana.

Vulcabras (VULC3)

A Vulcabras Azaleia informa que decidiu paralisar todas as unidades fabris e escritórios da companhia em razão do coronavírus. A empresa permanecerá em férias coletivas por um período de 21 dias, contados a partir do dia 23 de março de 2020, exceto alguns departamentos essenciais que trabalharão de forma remota e com a equipe reduzida.

“Esta decisão está alinhada ao conjunto de medidas já adotadas pela companhia visando preservar a segurança das pessoas envolvidas em suas atividades e também para colaborar na redução da transmissão da covid-19, em conformidade com as orientações proferidas pelas autoridades”, explica a empresa em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A empresa afirma ainda que, neste momento, não há como precisar os impactos a longo prazo no cenário econômico, e, em especial, os impactos nas operações da companhia.

Guararapes (GUAR3)

A Guararapes anunciou na sexta-feira à noite o fechamento de todas as lojas da Riachuelo desde o último sábado, por tempo indeterminado, por conta da epidemia do novo coronavírus (covid-19).

Na quinta, a empresa havia informado que suspendeu as atividades das fábricas que possui em Fortaleza e Natal e que deu férias coletivas a todos os 12 mil funcionários que trabalham nos parques fabris.

Portobello (PTBL3)

A Portobello, uma das maiores fábricas de cerâmicas do Brasil, divulgou balanço do quarto trimestre de 2019 e do ano passado inteiro. A Portobello obteve um lucro líquido de R$ 13,1 milhões em 2019, uma queda de 90% em comparação aos R$ 134 milhões de 2018.

O lucro líquido apenas no quarto trimestre também caiu, 68% sobre igual período de 2018, para R$ 9,1 milhões. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 30,2 milhões no quarto trimestre de 2019, uma retração de 56% sobre igual período de 2018.

O Ebitda do ano inteiro foi de R$ 128,8 milhões, queda de 55% sobre 2018. Os resultados da Portobello vieram mais fracos que em 2018 porque, afirma a empresa, aumentaram os custos da energia – o negócio da cerâmica demanda muito combustível para os fornos.

A receita líquida da empresa avançou 11,5% no quarto trimestre do ano passado, sobre 2018, para R$ 382,2 milhões. No ano inteiro, a receita líquida avançou 6,8% para R$ 1,11 bilhão. Os resultados são recorrentes.

Como ganhos não recorrentes, a Portobello obteve R$ 41 milhões em créditos fiscais reconhecidos pelo judiciário e outros R$ 170 milhões com um precatório relativo ao crédito do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados.

A empresa comentou que usou os recursos para investir em melhorias na área industrial, sobretudo na marca Pointer, e para reforçar o fluxo de caixa.

A Portobello também ampliou sua presença nos Estados Unidos. Embora os dados em geral da Portobello sejam bons, a empresa teve aumento na relação dívida líquida sobre o Ebitda, que passou de 1,64 vezes (1,64x) em 2018 para 3,32 vezes (3,3x) no final de 2019.

A empresa fechou 2019 com uma dívida líquida de R$ 427,1 milhões. Segundo a Portobello houve alongamento na dívida e 69% têm vencimento em longo prazo. A administração irá propor a distribuição de R$ 6,2 milhões em dividendos aos acionistas.

Mitre (MTRE3)

O banco Itaú BBA iniciou a cobertura dos papéis da construtora e incorporadora Mitre, que atua na capital paulista. A Mitre recentemente fez oferta pública de ações na B3 e na avaliação do BBA “está bem posicionada para participar da retomada do mercado imobiliário na cidade de São Paulo pelos próximos anos”.

O BBA comenta que após o sell-off na B3 provocado pelo coronavírus, a ação da Mitre está em um ponto bom de entrada, com a perda de 44% do valor desde o IPO em fevereiro.

“Na nossa visão, a avaliação da Mitre não incorporou o crescimento nos lançamentos (de imóveis) após o sell-off. Como fatores de risco, apontamos o aumento da competição no segmento médio e médio-alto imobiliário, porque as construtoras levantaram mais de R$ 3,3 bilhões com as ofertas de ações desde julho de 2019”, comenta o BBA.

O banco fixou preço-alvo de R$ 17,70 para a ação MTRE3 em 2020, uma alta de 64% sobre os valores da última sexta-feira na B3. A nota é outperform – acima da média.

Oi (OIBR3

A Oi, operadora de telefonia em recuperação judicial, informou que a B3 aceitou um pedido da empresa para a suspensão da obrigação de enquadramento da cotação das suas ações. Segundo a Oi, a suspensão valerá até a data da Assembleia Geral de Credores da empresa, marcada para 6 de novembro deste ano.

A Oi afirma ter feito o pedido para evitar prejuízos aos acionistas e credores da operadora, “tendo em vista que nos próximos meses deverá ocorrer a venda de ativos dentro do contexto do Plano de Recuperação Judicial”. A suspensão, conforme o pedido da Oi, vale para as ações emitidas após 9 de março deste ano.

Eletrobras (ELET3; ELET6

O Banco Morgan Stanley mudou a classificação das ações da estatal Eletrobras de abaixo da média para acima da média, após as quedas de preços dos papéis nos sell-off provocados pelo coronavírus. O banco explica que como geradora e transmissora a Eletrobras tem boa posição defensiva e seu preço caiu 51% com a correção.

CPFL (CPFE3

O Morgan Stanley reiterou a recomendação acima da média para a ação da geradora e transmissora de energia privada Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), cujas ações tiveram queda de preços de 29% nos recentes sell-off do coronavírus na B3. Para o banco, a ação CPFE3 tem boa posição defensiva.

Sabesp (SBSP3

O Morgan Stanley rebaixou a ação da estatal paulista de água e saneamento Sabesp para “média do mercado”. O banco avalia que a ação da Sabesp agora oferece uma exposição maior, com a possibilidade de ganhos menores e com a probabilidade das discussões sobre a privatização da empresa serem novamente adiadas por causa da pandemia.

Aproveite as oportunidades para fazer seu dinheiro render mais: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

(Com Bloomberg e Agência Estado)