Estagflação: o que é e quais os impactos na sua vida?

Entenda por que o fenômeno da estagflação é tão temido pela economia e pelos mercados

Para quem não viveu entre o final dos anos 80 e início dos 90, é quase impossível imaginar como eram as idas ao supermercado na época. Você estava escolhendo um produto na prateleira e, de repente, aparecia um funcionário que remarcava o preço antes mesmo que colocasse a mercadoria no carrinho.

E, se você voltasse ao mesmo supermercado em outro dia, perceberia que o preço havia subido novamente. Sim, essa foi a vida do brasileiro até o início do Plano Real, em 1994, que, embora não tenha espantado de vez o fantasma da alta dos preços, acabou com a hiperinflação por aqui.

É difícil pensar em algo mais preocupante para o bolso do que dormir e acordar com os preços sempre mais altos, não é mesmo? Pois saiba que existe algo ainda mais grave do que somente a inflação: é quando, além da alta generalizada dos preços, a atividade econômica desaquece e o desemprego aumenta.

Isso tem um nome, e se chama estagflação, uma junção entre as palavras estagnação e inflação. Para entender o que o termo significa, por que esse fenômeno ocorre e qual o efeito disso sobre as suas finanças de forma geral, leia o Guia completo que o InfoMoney preparou.

• O que é estagflação
• O que causa a estagflação?
• Curva de Phillips
• Exemplos de estagflação no mundo
• O Brasil está em estagflação agora?
• Como evitar ou solucionar uma estagflação?
• Como a estagflação afeta os investimentos

O que é estagflação?

O termo estagflação foi cunhado em 1965 por Ian Macleod, um político britânico que utilizou a palavra ao falar sobre a economia do Reino Unido na época.

A expressão vem da junção das palavras “estagnação” e “inflação”. Basicamente, isso ocorre quando um país passa por uma alta acelerada de preços em meio a uma queda da atividade econômica.

A combinação de inflação em alta, desaceleração da atividade e aumento do desemprego é extremamente preocupante para a economia de um país. Quando isso acontece, o trabalho dos governos e dos bancos centrais para encontrar o equilíbrio fica muito mais difícil, pois são eles os responsáveis por impulsionar a economia e preservar o poder de compra da população.

Nesse sentido, se o governo adotar políticas para conter a inflação (como elevar os juros, por exemplo), poderá desacelerar ainda mais a economia e gerar mais desemprego. Por outro lado, se o Banco Central reduzir os juros para incentivar a atividade econômica e a geração de empregos, a inflação pode sair de controle.

Para a população a estagflação é percebida sob dois aspectos. O primeiro deles é a falta de empregos, pois a economia ou está totalmente parada, ou avança a passos muito lentos. O segundo é que a alta dos preços gera queda no poder aquisitivo. Dessa forma, as pessoas deixam de gastar com outros itens, pois precisam destinar uma maior parte da renda para gastos essenciais, como alimentação, moradia, transporte, e assim por diante.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

O que causa a estagflação?

A estagflação pode ser fruto tanto de eventos internos e externos difíceis de prever quanto de políticas econômicas mal formuladas.

Em relação aos eventos externos, fatos como a pandemia ou conflitos internacionais podem ocasionar um choque de oferta, que atinge as economias de diversos países ao mesmo tempo. Esse tipo de evento ou conflito pode impactar, por exemplo, nos preços das principais commodities mundiais, como aconteceu em 2022 em decorrência da guerra da Rússia e Ucrânia, com o trigo, o petróleo e o gás natural.

A alta de commodities essenciais como essas acabam afetando toda a cadeia produtiva global, em um efeito dominó. Ou seja, o petróleo mais caro não é sentido somente na bomba de combustível, mas também em todos os produtos cujo ciclo produtivo dependem direta ou indiretamente dele para serem produzidos ou transportados.

O ano de 2022 ainda passou por outro exemplo que ajuda a entender o choque de oferta: a falta de semicondutores nas indústrias ao redor do mundo. A falta desses itens se intensificou com a pandemia e foi agravada com a guerra entre Rússia e Ucrânia porque ambos os países são importantes produtores de paládio e gás neon, commodities essenciais na produção de semicondutores.

No cenário interno, a produção local e eventos climáticos também podem impactar na inflação e controle de oferta e demanda. O Brasil, por exemplo, foi atingido em 2021 com a pior seca dos últimos 90 anos, o que levou ao aumento do preço da energia elétrica que não afeta somente o consumo doméstico, mas a indústria de forma geral, pois toda a cadeia produtiva precisa de energia para funcionar.

Somam-se a esses eventos externos e internos algumas decisões equivocadas acerca da economia. Alguns exemplos: erros sobre previsões macroeconômicas, avaliações equivocadas sobre políticas monetárias expansionistas, concessão de crédito acima dos limites razoáveis e políticas cambiais ineficazes também podem levar a desequilíbrios que ocasionam a estagflação.

Curva de Phillips

A Curva de Phillips é um indicador que estabelece uma relação inversa entre inflação e desemprego. Essa teoria foi desenvolvida na década de 1960 pelo economista neozelandês William Phillips. Na ocasião, Phillips analisou dados de uma economia que se recuperava de um pós-guerra, momento em que ocorriam expansões e retrações econômicas com muita frequência.

De acordo com essa teoria, quando há mais empregos, a demanda por produtos e serviços tende a subir. Ou seja, com mais pessoas empregadas, a disposição para o consumo acaba sendo maior. Quanto maior for o consumo, mais dinheiro em circulação teremos na economia, e esse é um dos motivos que leva à inflação.

Por outro lado, segundo Phillips, também se observa o movimento inverso. Ou seja, quando o desemprego aumenta, o consumo retrai e, para que as pessoas continuem gastando, é preciso reduzir os preços de forma geral.

Durante décadas, os economistas acreditaram que as duas taxas (inflação e desemprego) não tinham como avançar ao mesmo tempo. No entanto, como vimos, é exatamente isso o que acontece em um cenário de estagflação. Ou seja, nesse cenário ocorre um crescimento tanto nos níveis de desemprego quanto na inflação.

(Fonte: www.dicionariofinanceiro.com)

O fenômeno da estagflação fez com que a Curva de Phillips original se tornasse obsoleta. Hoje em dia, para a maioria dos economistas, ela só faz sentido no curto prazo. Isso porque o rápido crescimento econômico leva, de fato, ao aumento dos níveis de emprego e, consequentemente, isso gera pressões inflacionárias. Porém, segundo economistas da atualidade, essa lógica não se mantém no longo prazo. Por isso, ao longo dos anos, a teoria desenvolvida por Phillips foi revisada, e recebeu acréscimos de outros elementos em sua análise, conforme veremos a seguir.

Curva de Phillips aceleracionista

Com o passar do tempo, o crescimento do comércio internacional fez com que outros fatores precisassem ser analisados. Dessa forma, já não se podia mais relacionar inflação e desemprego olhando somente para o cenário interno. Um exemplo disso foi a crise do petróleo na década de 70, que causou estagflação na época e, sobre a qual, falaremos com mais detalhes na sequência.

Dessa forma, a Curva de Phillips aceleracionista passou a considerar também as expectativas de mercado. Ao admitir que inflação e desemprego podem sim andar juntos, ficou mais fácil para as economias dos países desenharem metas de inflação e políticas monetárias mais realistas e eficientes.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Exemplos de estagflação no mundo

Há diversos casos de estagflação na história mundial – e alguns deles ocorreram antes mesmo de se falar na teoria. A seguir, conheça alguns dos mais emblemáticos.

Reino Unido na década de 70

O período da história britânica que deu origem ao termo foi marcado pela política expansionista de Anthony Barber, secretário do Tesouro do Reino Unido na época.

Na ocasião, a economia do país recebeu a injeção de milhões de libras entre 1971 e 1973. Nesse período, por meio de estímulos fiscais, a quantidade de dinheiro em circulação no Reino Unido chegou a aumentar 25%.

Em um primeiro instante, a forte injeção de recursos impulsionou a economia do país. No entanto, a forte expansão monetária já dava indícios de inflação, que foi agravada por causa do encarecimento do petróleo no mercado mundial em 1973. Todo esse cenário fez com que disparassem a inflação e o desemprego, o que gerou PIB negativo para o país naquele ano.

Estados Unidos e o primeiro choque do petróleo na década de 70

A alta do petróleo nos anos 1970 afetou diversas economias no mundo ocidental. Mas o que fez essa crise começar? O que deflagrou a crise em 1973 foi a suspensão das exportações de petróleo aos Estados Unidos pelos países árabes. Essa retaliação aconteceu por conta do apoio militar que o país deu a Israel na época.

Além da alta estratosférica do petróleo e da inflação interna, os EUA enfrentavam um preocupante quadro de desemprego. Tudo isso levou o Fed a alternar políticas monetárias, ora mais restritivas para combater a inflação, ora mais expansionistas para tentar recuperar a economia.

No entanto, essas oscilações na política monetária provocaram um clima de incerteza e desconfiança no mercado. Com isso, o que se seguiu foi o agravamento da estagflação no país.

A partir de 1979, o país adotou uma política monetária mais restritiva e acabou conseguindo superar o cenário de estagflação.

Alemanha depois da Primeira Guerra Mundial

Logo após o término da Primeira Guerra, a economia alemã passou por uma fortíssima recessão, que culminou em estagflação.

Os problemas financeiros da Alemanha começaram ainda durante o conflito. Isso porque o governo direcionou praticamente todos os recursos para o financiamento da guerra. E mais: além de sacrificar os cofres públicos, o país se endividou para financiar toda a estrutura bélica.

Com o fim da guerra e já com um grande rombo nas finanças, o país ainda sofreu sanções internacionais impostas pelo Tratado de Versalhes. Uma das penalidades sofridas pela Alemanha foi indenizar os países aliados por todos os prejuízos sofridos durante o conflito. Sem condições financeiras para isso, a Alemanha precisou se endividar ainda mais e mergulhou em uma crise sem precedentes na história recente, com desemprego e inflação em alta que levaram sua população à pobreza extrema – e a ascensão de um movimento nacionalista que culminaria na Segunda Guerra Mundial.

A experiência brasileira nos anos 80

Em termos de desenvolvimento econômico, os anos 80 foram considerados a “década perdida” no Brasil e em outros países da América Latina. Isso porque, no período, a região foi marcada por alta inflação, crises econômicas, baixo crescimento do PIB e forte aumento da desigualdade social.

Por aqui, nos anos 80, o PIB despencou para uma média de 2% ao ano, cinco pontos percentuais em relação à média da década anterior. Para piorar a situação, as taxas de juros no mercado internacional subiam, o que encareceu a dívida externa do Brasil e aumentou o déficit público.

A fim de controlar a inflação e restabelecer o poder aquisitivo da população, diversos planos econômicos se sucederam, sem sucesso. A estabilidade econômica só foi retomada com o Plano Real, em 1994.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

O Brasil está em estagflação agora?

De acordo com relatório do Instituto de Finanças Internacionais (IIF) divulgado em 19 de abril de 2022, o Brasil e outros países emergentes estão vivendo um processo de estagflação. Por aqui, a inflação em alta e a estagnação da atividade econômica caracterizam bem esse quadro.

Um documento do IIF aponta que a economia brasileira não havia se recuperado de recessões anteriores, quando veio a pandemia e agravou a situação. E, para completar, enfrentamos agora outro agravante que é a guerra entre Rússia e Ucrânia. Como vimos, o conflito pode intensificar ainda mais o choque de oferta, causando um desequilíbrio ainda maior nas cadeias produtivas, e isso irá se refletir nos preços de forma geral.

Essa é a opinião dos economistas que assinaram o relatório do IIF e declararam ter concluído que os choques de oferta impulsionaram a inflação em vários países emergentes.

“A atividade econômica está muito fraca para ser o principal motor das pressões sobre os preços. Se esses choques diminuírem em algum momento, a inflação nos emergentes pode esfriar mais rápido do que o esperado”, diz o relatório do IIF.

Como evitar ou solucionar uma estagflação?

Como resolver a questão envolve aspectos de política econômica e variáveis externas, não há um consenso entre economistas sobre a melhor forma de evitar ou de sair de uma estagflação.

Isso porque há diversos pontos a serem trabalhados de forma simultânea, e cada um deles exige uma postura diferente dos governos. Por exemplo, para conter a inflação, os bancos centrais tomam medidas contracionistas, como o aumento de juros. No entanto, isso deve ser feito com parcimônia, caso contrário prejudicará ainda mais uma economia frágil que precisa de incentivos para se restabelecer.

Outro ponto importante em períodos de estagflação é o controle do déficit fiscal. Ou seja, nesses momentos é fundamental que os governos reduzam os seus gastos para reequilibrar as finanças públicas.

Mas uma coisa é certa: a estagflação é algo que demora para se formar. Isso significa que é o acúmulo de políticas econômicas equivocadas que levam um país a esse cenário. E, da mesma forma que o fenômeno não surge da noite para o dia, tampouco a solução será rápida.

Como a estagflação afeta os investimentos

Em momentos desafiadores e de turbulências econômicas, a diversificação dos investimentos é ainda mais importante. Isso porque, quando se tem ativos de diferentes classes, estratégias e países, maiores são as chances de diluir os riscos e maximizar o resultado da carteira.

De acordo com especialistas, o ideal é escolher ativos mais resilientes, ou seja, menos suscetíveis às oscilações da economia, como ETFs e ações defensivas, que podem ser consideradas boas alternativas para quem está e pretende permanecer com uma parte de seu patrimônio na renda variável.

Lembrando sempre da importância de manter uma reserva de emergência adequada, em alternativas seguras de renda fixa, outra dica de especialistas para períodos de estagflação é pensar ainda mais na proteção do dinheiro contra a desvalorização. Para isso, títulos indexados à inflação – como o IPCA+, debêntures de empresas com bons fundamentos e fundos de inflação – também acabam sendo opções interessantes.

Por fim, investidores precisam lembrar que ativos reais como metais preciosos, commodities minerais e agrícolas e, até mesmo criptoativos, possuem baixa correlação com ciclos econômicos. Dessa forma, dependendo do perfil do investidor, também podem fazer parte de uma carteira diversificada em momentos de estagflação.

LEIA MAIS

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.