Combate ao coronavírus

Empresas anunciam doações para combate a pandemia de coronavírus no Brasil; conheça as iniciativas

Doações em dinheiro, materiais e alimentos visam colaborar no combate aos efeitos em saúde pública e econômicos do vírus

Fábrica de máscaras
(Ana Paula Igual/FUNAP)

SÃO PAULO – Diante da pandemia de coronavírus, que deixa boa parte do país em quarentena e diversas atividades paralisadas, a iniciativa privada tem tomado medidas para conter o avanço da Covid-19 e diminuir os impactos da doença.

Entre as iniciativas estão doação em dinheiro para fundos ligados ao Sistema Único de Saúde, compra de equipamentos, suprimentos básicos, testes rápido, cestas básicas, álcool gel e outros itens de higiene básica. Também há uma frente de apoio financeiro a clientes de bancos e fintechs – caso do Nubank, que separou R$ 20 milhões para ajudar o cliente a lidar com a crise.

Para ajudar nas arrecadações, o governo federal lançou no último domingo (22) a plataforma “Todos por Todos”, em que empresas, entidades, associações e órgãos públicos poderão oferecer serviços e produtos gratuitamente para o enfrentamento ao novo coronavírus.

PUBLICIDADE

A plataforma ainda reúne dicas, como serviços de internet mais acessíveis, ferramentas de trabalho remoto, cursos de capacitação à distância, opções de entretenimento em casa e informações atualizadas em tempo real sobre o novo coronavírus, que são serviços dos próprios órgãos do governo federal.

O governo de São Paulo, estado com mais casos da doença no Brasil, também criou um site para facilitar as doações no combate à Covid-19. No início da semana, o governador João Dória, anunciou a doação de R$ 96 milhões de 28 empresas após uma reunião virtual com um comitê que reuniu 132 empresários.

O dinheiro será utilizado para compra de equipamentos e criação de novos leitos a partir das montagens de hospital de campanhas, que estão sendo construído nas cidades de São Paulo e Campinas.

Para as construções das unidades de campanha em São Paulo, a Gerdau e a Ambev estão auxiliando a Prefeitura municipal e o Hospital Israelita Albert Einstein. O centro de tratamento será construído anexo ao Hospital Municipal M’Boi Mirim, na zona sul de São Paulo e contará com 100 leitos.

A Gerdau oferecerá o aço, que servirá como principal matéria prima para o método construtivo, e a Ambev atua na gestão do projeto previsto para ser finalizado até 30 de abril.

Higiene

A Ambev também começou a produzir álcool gel para hospitais públicos das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Serão feitas 500 mil unidades e cada hospital vai receber 5 mil unidades, que devem começar a ser distribuídas ainda neste mês.

PUBLICIDADE

Atuando na mesma linha Amend, Avon, Natura, São Martinho, União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Diageo, Pernod Ricard, Ype e Weg anunciaram que vão produzir álcool gel e distribuir em estados como São Paulo, Bahia, Ceará, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina.

Natura e Avon também doaram 2,8 milhões de unidades de sabonetes (em barra e líquido) para comunidades em situação de vulnerabilidade social nos estados em que possui operação.

Na mesma linha, a Ype doou 21 toneladas de sabão em barra para Paraisópolis, enquanto a JBS informou a doação de dois milhões de sabonetes que serão distribuídos em mais de 300 mil kits a partir do dia 30 deste mês. O foco das doações serão lares de idosos próximos às fabricas do grupo e favelas das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, tendo o apoio da Central Única das Favelas (Cufa) para distribuição.

A Unilever anunciou nesta quinta-feira (26) a doação de 600 mil itens de higiene e limpeza para o estado do Rio de Janeiro. A doação em produtos chega ao valor de R$ 1 milhão, que será repassado para o governo carioca distribuir em hospitais, comunidades e entidades de assistência a idosos.

São Paulo e Pernambuco também receberam um milhão cada, o que corresponde a aproximadamente dois milhões de unidades doadas no total.

Suporte hospitalar

A Marfrig doará R$ 7,5 milhões ao Ministério da Saúde para compra de testes rápidos. Segundo a empresa, a doação é suficiente para a compra de 100 mil testes.

“Esperamos que nossa iniciativa seja seguida por outras companhias brasileiras”, diz Marcos Molina dos Santos, fundador e presidente do Conselho de Administração da Marfrig. “Este é um momento de união e de solidariedade.”

Uma doação de R$ 10 milhões da família Menin é fruto de ação em parceria com o Governo de Minas Gerais e a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), a quantia será usada para a compra de respiradores mecânicos para a rede hospitalar do estado.

PUBLICIDADE

“Temos feito várias doações desde que começou a crise, mas agora temos de incrementar”, diz o empresário Rubens Menin, fundador da MRV.

As empresas Klabin, Suzano, Positivo, MagnaMed Tecnologia Médica e Flex se uniram numa força tarefa para produção de 5 mil ventiladores pulmonares para serem entregue em 30 dias.

A Petrobras também informou que encomendou, nos Estados Unidos, 600 mil testes para diagnóstico da doença, que devem chegar ao Brasil em abril. De acordo com a empresa, 400 mil unidades serão entregues ao Ministério da Saúde e 200 mil à Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro.

A mineradora Vale também comprou testes rápidos para detectar a Covid-19. Os 5 milhões de kits foram adquiridos na China e serão entregues as autoridades brasileiras no próximo mês. A empresa também está comprando de fornecedores chineses equipamentos de proteção individual, como óculos, luvas e máscaras, para médicos e enfermeiros.

A Hering anunciou, nesta quarta-feira (25), através de suas redes sociais, a produção de uniformes de proteção para os profissionais da saúde e doação dessas peças para diversos hospitais. Na mesma linha, o Grupo Arezzo anunciou que irá produzir e doar 25 mil máscaras de proteção, destinadas para a região do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul.

O Magazine Luiza doou respiradores e monitores cardíacos para a Santa Casa de Franca, hospital Emílio Ribas e unidade do SUS na Vila Guilherme, onde fica sua sede na Zona Norte da capital paulista. Segundo a empresa, está em andamento a doação de outros 30 respiradores ao Estado de São Paulo.

A varejista ainda doou cerca de 1.000 colchões e 1.000 travesseiros ao estado do Pará, que montou um abrigo no estádio do Mangueirão para tirar moradores de rua do ambiente de risco.

A empresa do setor energético EDP anunciou a doação de R$ 6 milhões para a compra de 345 respiradores para UTIs da rede pública de São Paulo. A doação representa 25% da demanda pelo aparelho em todo o estado.

As Lojas Renner, anunciou através do seu instituto social, a doação de R$ 4,1 milhões para compra de insumos para hospitais responsáveis por unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Outra força tarefa firmada entre os três maiores bancos privados do país (Bradesco, Itaú Unibanco e Santander) irá doar para o Sistema Único de Saúde 5 milhões de testes rápidos, além de tomógrafos e respiradores para auxiliar no tratamento da doença.

Por meio de nota, as instituições afirmam ter formado uma força-tarefa a fim de definir a logística para a aquisição e distribuição dos materiais. Os bancos não informaram quanto devem investir na ação de caráter humanitário.

“A primeira medida prática foi a formação de uma força-tarefa, composta por profissionais de cada uma das instituições, que definiu, sob orientação do Ministério da Saúde, a logística mais eficiente para a importação dos kits de testagem e dos equipamentos”, informaram os bancos.

Itaú ainda doou mais R$ 150 milhões para infraestrutura hospitalar, compra de cestas de alimentação e kits de higiene, através da Fundação Itaú para Educação e Cultura e do Instituto Unibanco. Em nota, a entidade reforça que os recursos é uma forma de apoiar as comunidades vulneráveis e ajudar na contenção e tratamento dos infectados pelo coronavírus. 

No fomento de projetos que contribuam para a prevenção, diagnóstico e tratamento da Covid-19, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) lançou um edital de inovação no valor de R$ 10 milhões para apoio dessas iniciativas.

Combate à desigualdade e apoio logístico

A Fundação Casas Bahia, controlada pela Via Varejo, anunciou investimentos de R$ 1 milhão em iniciativas em regiões periféricas, além de fornecer EPIs, como máscaras e luvas para as instituições de acolhimento a idosos em São Caetano do Sul, no ABC Paulista, onde está localizada a sede da Via Varejo.

Nesta quinta-feira (26), a XP Inc. lançou a plataforma “Juntos Transformamos” para reunir doações visando à compra de cestas básicas, que serão repassadas para famílias em situação de vulnerabilidade social.

PUBLICIDADE

A companhia doou R$ 25 milhões para compra dos insumos, que devem ajudar 100 mil famílias e serão distribuídas, inicialmente, com o auxílio das ONGs Gerando Falcões, Amigos do Bem e Visão Mundial.

“Com essa crise, muitas pessoas já não têm mais o que comer. Não podemos nos omitir e temos que sensibilizar o máximo de pessoas possível”, afirmou Guilherme Benchimol, CEO do grupo.

O McDonald’s iniciou, no último fim de semana, a doação de refeições para profissionais de saúde no estado de São Paulo. A iniciativa será expandida ao longo desta semana por meio do programa Bom Vizinho para 29 instituições em 22 cidades.

“Os nossos colaboradores responsáveis pelo preparo das refeições têm enviado mensagens de apoio e agradecimento junto às entregas. Essa é uma atitude que nos enche de orgulho e reflete o caráter humano que buscamos ressaltar no dia a dia de nossa companhia”, comenta Paulo Camargo, presidente da Divisão Brasil da franqueadora Arcos Dorados.

No setor aéreo, Gol e Latam também estão transportando profissionais de saúde de graça, cobrando apenas a taxa de embarque.

A Volkswagen do Brasil colocou à disposição dos governos de São Paulo e do Paraná, uma frota de 100 automóveis e picapes para serem utilizados em atividades de logística e transporte.

Também na área de mobilidade, a 99 doará R$ 4 milhões em corridas para a locomoção de profissionais de saúde. A medida foi na segunda-feira (23), e o benefício fornecerá, em primeiro estágio, 60 mil vouchers para a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo.

Suporte financeiro

As medidas de combate ao vírus também incluem ações de entidades financeiras para ajudar as famílias no momento de crise.

Os cinco maiores bancos em operação no país se comprometeram a prorrogar dívidas dos seus clientes por, no mínimo, 60 dias – além de anunciar diversas outras ações como atendimento especial, aumento de limites e reduções de taxas para empréstimos.

O Nubank anunciou nesta terça (25) a criação de um fundo de R$ 20 milhões para apoiar seus clientes em atendimento médico e psicológico remoto via vídeo (“teleorientação”), pedidos de supermercados e farmácias, entre outros serviços, durante a pandemia.

A empresa afirmou também seguir adotando ações para minimizar os impactos do coronavírus na vida financeira de seus clientes, avaliando casos relativos a empréstimo pessoal e pagamento da fatura estão em canais de atendimento.

Também visando a saúde financeira dos seus clientes durante à pandemia, o Banco Inter aumentou o prazo de pagamento das faturas de cartão de crédito para correntistas com limite de crédito de até R$ 4.000, sem cobrança de juros ou multas.

Ainda dobrou o cashback para todos os produtos adquiridos online por meio da plataforma de e-commerce da instituição e aumentou o limite de TEDs e boletos gratuitos para as contas PJ e MEI, com o objetivo de facilitar a gestão e reduzir custos de micro e pequenos empreendedores.

Aprendizados em tempos de crise: uma série especial do Stock Pickers com as lições dos principais nomes do mercado de ações. Assista – é de graça!