Solidariedade

XP lança campanha para doar cestas básicas durante a crise: “Muitas pessoas já não têm o que comer”

A empresa começou o movimento, doando R$ 25 milhões, mas o objetivo é incentivar doações. Nas primeiras horas, já havia mais de 500 cadastrados

SÃO PAULO – Guilherme Benchimol, CEO e fundador da XP Inc., anunciou nesta quinta-feira (26) uma iniciativa da companhia que tem o objetivo de atenuar os efeitos negativos do novo coronavírus na economia brasileira.

A XP lançou a plataforma “Juntos Transformamos” para reunir doações visando à compra de cestas básicas, que serão repassadas para famílias em situação de vulnerabilidade social.

A própria companhia começou o movimento, doando R$ 25 milhões, mas o objetivo é incentivar doações de empresários e pessoas físicas. Nas primeiras horas de campanha, já havia mais de 500 doadores cadastrados.

PUBLICIDADE

Esses primeiros R$ 25 milhões devem ajudar 100 mil famílias, segundo Benchimol, e a meta inicial da campanha é arrecadar R$ 50 milhões em até 92 dias. “Mas meu sonho é arrecadar R$ 100 milhões nos próximos dias”, disse o empresário ao InfoMoney.

“Com essa crise, muitas pessoas já não têm mais o que comer. Não podemos nos omitir e temos que sensibilizar o máximo de pessoas possível”, defendeu.

Benchimol não exime o governo, que tem “o bolso mais fundo”, da responsabilidade de investir no país, mas vê a ajuda do setor privado como essencial em um momento de tamanha fragilidade.

“Basta a gente se colocar no lugar das pessoas. No Brasil, 70% das pessoas não pouparam no ano passado e 40 milhões são autônomos, que ganham dinheiro no dia que trabalham. Essas pessoas estão praticamente vendendo o almoço para pagar o jantar.”

Ele diz que a iniciativa é um catalisador, mas espera que os brasileiros se ajudem mutuamente para além do programa “Esperamos que as pessoas ajudem também quem está perto delas: quem vende mate na praia, o flanelinha que trabalhava na praça em frente. Se essa consciência acontecer porque a gente ajudou, a gente se sente feliz. É assim que se forma uma nação mais forte”, pontua.

ONGs

Em um primeiro momento, as doações arrecadadas na campanha serão repassadas a três ONGs de confiança do grupo, que passaram por um processo de due diligence: Gerando Falcões, Amigos do Bem e Visão Mundial. Elas farão a entrega das primeiras levas de cestas básicas.

PUBLICIDADE

Mas a XP compreende que existe uma limitação de logística nesse sistema, já que a quantidade de cestas é significativa, e já pensa em outras formas de distribuir as doações.

“A gente vai inverter o processo junto com as ONGs e eventualmente o dinheiro vai poder chegar na mão das pessoas via celular, vale refeição, depósito em conta corrente”, elenca Benchimol.

Lockdown e Plano Marshall

No fim de semana, Benchimol disse calcular 40 milhões de novos desempregados no país sem a implementação de uma espécie de versão nacional do “Plano Marshall”, nome dado ao pacote de reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra Mundial.

Ao InfoMoney, ele acrescenta que mesmo um Plano Marshall não será suficiente para mitigar os efeitos da crise se a economia ficar parada por muito tempo.

“É essencial que haja esse lockdown inicial, que as pessoas fiquem em casa, enquanto o governo realiza todas as medidas para ampliar o número de leitos [para tratar os infectados] e a sociedade ajude a proteger os grupos de risco”, afirma.

“Mas, no menor tempo possível, é importante que a gente comece a separar quem é grupo de risco de quem não é, e as pessoas mais jovens e saudáveis voltem a trabalhar”, completa.

Aprendizados em tempos de crise: uma série especial do Stock Pickers com as lições dos principais nomes do mercado de ações. Assista – é de graça!