Fifa propõe sanções obrigatórias contra racismo, incluindo término de partidas

Proposta inclui regras e sanções, ações em campo e possíveis acusações criminais

Maria Luiza Dourado

Logo da Fifa na sede da entidade em Zurique 27/02/2022 REUTERS/Arnd Wiegmann

Publicidade

A Fifa apresentará uma proposta ao seu Congresso para implementar sanções obrigatórias, incluindo o encerramento de partidas, para incidentes de ataque racista em todas as suas 211 associações afiliadas, disse o secretário-geral da entidade máxima do futebol mundial nesta quinta-feira.

Mattias Grafstrom, que foi formalmente nomeado secretário-geral da Fifa nesta semana, escreveu uma carta a todas as associações afiliadas descrevendo a proposta que inclui regras e sanções, ações em campo e possíveis acusações criminais.

“Nós… tornaremos o racismo uma infração específica com inclusão obrigatória nos Códigos Disciplinares individuais de todas as 211 Associações Membro da Fifa, diferenciando o racismo de outros incidentes, dando aos atos de racismo suas próprias sanções específicas e severas, incluindo o término da partida”, disse Grafstrom, cuja proposta será apresentada no Congresso da Fifa em Bangcoc na sexta-feira.

Continua depois da publicidade

“Vamos pausar, suspender e abandonar jogos em casos de racismo, introduzindo um gesto padrão global para que os jogadores comuniquem incidentes racistas e os árbitros sinalizem a implementação do procedimento de três etapas.”

O gesto envolve os jogadores levantando as mãos e cruzando os pulsos para que o árbitro tome conhecimento de um incidente racista.

O procedimento em três etapas adotado pela Fifa envolve o árbitro solicitar um anúncio público para pedir o fim desse comportamento, suspender a partida até que ele pare e, em alguns casos, abandonar a partida por completo.

Continua depois da publicidade

“Nós… pressionaremos pelo reconhecimento do racismo como um delito criminal em todos os países do mundo e, onde já for um delito, pressionaremos para que seja processado com a gravidade que merece”, acrescentou a Fifa.

A entidade também vai buscar desenvolver e promover iniciativas educacionais com escolas e governos e estabelecerá um painel antirracismo composto por ex-jogadores.

Maria Luiza Dourado

Repórter de Finanças do InfoMoney. É formada pela Cásper Líbero e possui especialização em Economia pela Fipe - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.