70 planos de saúde têm comercialização suspensa no país; 45 são da Amil

Planos suspensos têm 1,6 milhão de beneficiários

Equipe InfoMoney

Publicidade

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) anunciou a proibição da comercialização de 70 tipos de planos de saúde oriundos de 13 operadoras. A medida, de caráter temporário, foi motivada por reclamações relacionadas à falta de cobertura assistencial.

A punição, divulgada nesta segunda-feira (26) pela agência regulatória, tem como base os resultados do Monitoramento da Garantia de Atendimento do segundo trimestre de 2022.

Entre as operadores atingidas, a Amil encabeça a lista com o maior número de planos suspensos: 45 — o número inclui convênios médicos e odontológicos. Em junho, a empresa já havia sido penalizada com a suspensão de 42 planos por reclamações de consumidores colhidas no primeiro trimestre.

Masterclass Gratuita

Rota Liberdade Financeira

Aprenda a investir e construa um patrimônio do zero com o treinamento exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

As demais operadoras atingidas são:

A suspensão começa a valer, segundo a ANS, a partir do dia 30 de setembro e só será revertida se as operadoras apresentarem melhora no resultado do monitoramento do próximo trimestre. Segundo a agência, os planos suspensos somam 1,6 milhão de usuários, que permanecerão cobertos pelos serviços das operadoras.

No relatório, a ANS considerou 37.936 reclamações realizadas no período de 1º de abril a 30 de junho. As queixas se referem ao descumprimento dos prazos máximos para realização de consultas, exames e cirurgias ou negativa de cobertura assistencial.

Continua depois da publicidade

Leia também:
• ANS anula transferência, e carteira de planos de saúde volta da APS para a Amil
• ANS obriga planos de saúde a ampliar cobertura para tratamentos de autismo

O que diz a Amil

Em comunicado à imprensa, a Amil informou que todas as notificações foram atendidas pela operadora e que vem adotando ações para melhorar o atendimento aos beneficiários.

“Desde o início do ano, a Amil instituiu célula de acolhimento para casos que se referem à rede credenciada; novo fluxo para busca de rede; agendamento e direcionamento nas centrais de atendimento; expansão da coleta domiciliar gratuita; inclusão de hospitais em sua rede credenciada entre outras ações cujo objetivo foi aperfeiçoar os serviços aos seus beneficiários. Outras melhorias continuam sendo implementadas”, informou a operadora.

A operadora também lembrou que a suspensão é de caráter temporário. “O atendimento aos clientes atuais vinculados a esses produtos continua totalmente assegurado, bem como a comercialização de demais produtos não suspensos já oferecidos pela empresa. A Amil assegura que as ações tomadas e novas em andamento serão refletidas no monitoramento em curso”, declarou.