2021: o ano que o mercado de cripto se integrou à sociedade

Os últimos doze meses foram marcados pela institucionalização de cripto - mas muito mais coisas também aconteceram nesse mercado

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
(Alex Peña/Getty Images)

Estamos chegando ao fim do ano. Por isso, nada melhor do que fazer um apanhado do que aconteceu no mercado cripto neste 2021.

Como tudo em cripto, o ano foi muito intenso. Não faltou volatilidade, idas e vindas. Mas o caminho rumo a uma maior adoção dessa tecnologia pelo mundo se consolidou.

O principal ponto de 2021 se refere à institucionalização de cripto. Seja pelo IPO da Coinbase, que hoje vale quase a mesma coisa que a NYSE (a principal Bolsa americana); pela criação dos ETFs no mercado brasileiro; pela aceleração de compra de bitcoins pela MicroStrategy; pela utilização do Bitcoin como uma das moedas oficiais de um país – por tudo isso a direção rumo a uma maior sinergia entre mercado financeiro e cripto se fez sempre presente.

Tivemos também o avanço em várias frentes do desenvolvimento das moedas digitais dos bancos centrais mundo afora, com o BIS (Banco dos Bancos Centrais) indicando para todos os BCs que eles deveriam analisar isso, e a China aumentando os testes de sua moeda digital (DCEP).

O Brasil, que já está bem adiantado no processo de digitalização da moeda, intensificou a discussão sobre o Real Digital, inclusive com um LIFT dedicado somente a esse tema acontecendo em 2022.

Em termos de preço, o Bitcoin valia na virada de 2020 para 2021, US$ 29 mil e o Ethereum, abaixo de US$ 1.000. Com a volatilidade, não é fácil prever em quanto estarão na virada deste ano, mas os preços do momento em que escrevo estão em US$ 49 mil e US$ 4.100, respectivamente, colocando-os entre os ativos de maior valorização do período.

2021 também foi o ano das memecoins, com uma festa sendo gerada em volta dos tokens associados a cachorros: Dogecoin, Shiba e por aí vai. Fortunas foram feitas e perdidas nos movimentos desses tokens

Tivemos também a tão esperada proliferação de NFTs. O OpenSea, principal marketplace de NFTs, havia negociado em 2020 algo ao redor de US$ 24 milhões. Em 2021, já foram negociados na plataforma mais de US$ 10 bilhões.

Em 2021, também tivemos novamente a China banindo a mineração de Bitcoin em seu território e proibindo a existência de exchanges por lá. O que parecia ser uma preocupação em relação à rede Bitcoin se tornou rapidamente em uma das melhores coisas que poderiam acontecer na questão de impacto ambiental da mineração, já que muitas dessas máquinas foram transferidas para os EUA e passaram a utilizar mais formas de energias renováveis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro aspecto importante foi a proliferação de outras redes de blockchain. Muitas já estavam por aí, mas o crescimento de redes como Solana, Polkadot, Cardano, Avalanche, Binancechain, Polygon, entre inúmeras outras deixou claro que o mundo para frente será de multi-chains, onde fatores como interoperabilidade se tornam essenciais.

Neste ano também houve passos importantes nas duas principais redes, com a atualização taproot do Bitcoin e a rede Ethereum acelerando para mudar a sua forma de consenso de prova de trabalho (proof of work) para prova de propriedade (proof of stake), ganhando escala.

O DEFI também não poderia ficar de fora dessa lista, após ter um crescimento exponencial em 2021, tendo virado o ano com um valor de investimentos alocados de aproximadamente US$ 20 bilhões, devendo fechar 2021 com mais de US$ 230 bilhões. Um crescimento de mais de 10 vezes. Além disso, inovações trazidas pelos protocolos que começam a ser conhecidos como DEFI 2.0 trazem um potencial imenso para 2022.

Como qualquer outra tecnologia, o caminho de cripto nunca será linear. O que 2021 nos mostra é que não há mais volta. Daqui para frente, cada vez mais cripto fará parte da nossa vida. E para quem ainda não deu o primeiro passo, fica a dica…. corra para aprender sobre esse mercado!

Onde continuamos…

Instagram: @Fintrender
Twitter: @Fintrender
Site: www.fintrender.com
Facebook: @Fintrender
Youtube: @Fintrender
Podcast: Fintechs e novos investimentos

Para quem quiser ir além:
Real Digital
Mineração de cripto
Adoção em massa de cripto
LIFT Challenge Real Digital: Banco Central do Brasil
El Salvador obriga todos a receber e pagar em Bitcoin. E agora? – Opinião – InfoMoney
O espetacular IPO da Coinbase é mais um sinal de que o mercado financeiro tradicional precisa se reinventar – ou irá sumir – Opinião – InfoMoney
Ethereum: um playground para inovações – Opinião – InfoMoney
O custo de não se investir em cripto – Opinião – InfoMoney
ETF de Criptomoeda: o que é e como investir? | InfoMoney
Cryptocurrency Prices, Charts And Market Capitalizations | CoinMarketCap
Chain TVL – DefiLlama
NFT Marketplace OpenSea Hits $10B in Total Volume – Decrypt

Quer aprender a investir em criptoativos de graça, de forma prática e inteligente? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Gustavo Cunha

Sócio da gestora de ativos digitais Resetfunds, e do portal de educação Fintrender. Profissional com mais de 20 anos de atuação no mercado financeiro brasileiro, foi ex-diretor do Rabobank Brasil, e está há mais de 5 anos no mercado cripto. Escreve sobre inovação e os impactos dela no mercado financeiro (essencialmente Blockchain, criptomoedas e Fintechs). É um experiente palestrante que concilia prática e teoria nos seus estudos para o doutorado (PHD) na Universidade do Porto (Portugal)