Parecer final de Orçamento 2011 mantém mínimo em R$ 540

Documento prevê ainda a reserva de R$ 1 bi para o programa Bolsa Família e destina R$ 171 bilhões para investimentos no próximo ano

SÃO PAULO – Contrariando as expectativas das centrais sindicais, o relatório final da proposta orçamentária de 2011 não elevou o salário mínimo dos atuais R$ 510 para R$ 580, mas manteve a proposta inicial de R$ 540 mensais.

De acordo com o publicado pela Agência Câmara, o documento, cuja relatora foi a senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), prevê ainda a reserva de R$ 1 bilhão para o programa Bolsa Família, cuja dotação pode chegar a R$ 14,4 bilhões no próximo ano.

Outras medidas
No geral, o parecer final do Orçamento de 2011 destina R$ 171 bilhões para investimentos no próximo ano, 7,6% a mais ao originalmente previsto pelo Executivo, quando enviou a proposta ao Congresso.

PUBLICIDADE

Deste total, R$ 107 bilhões serão executados por empresas estatais, contra 94,9 bilhões estimados para este ano.

O parecer final confirma ainda o corte de R$ 3 bilhões nas despesas, mas não especifica as áreas atingidas. O relatório fixa as despesas em R$ 2,07 trilhões , e prevê receitas no mesmo montante.

O parecer será analisado pela Comissão Mista de Orçamento, que terá nove reuniões nesta semana para discutir e votar a proposta orçamentária 2011. A previsão é de que na quarta (22) o parecer aprovado chegue ao plenário do Congresso para votação final.