Brinquedos e bens diversos são os itens que mais devem atrair 13º do trabalhador

De acordo com estudo da Anefac, 73% dos pesquisados pretendem comprar brinquedos com recursos do abono

SÃO PAULO – Neste Natal, os brasileiros que pretendem utilizar o dinheiro extra proveniente do 13º salário para ir às comprar vão adquirir itens como brinquedos, bens diversos, roupas e aparelhos de celular. Os dados são de uma pesquisa divulgada pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade) nesta terça-feira (11).

De acordo com o estudo, 73% dos pesquisados pretendem comprar brinquedos com recursos do 13º e também de financiamentos. Já bens diversos, roupas e celulares atraíram as respostas de 72%, 68% e 62% dos entrevistados, que podiam escolher mais de uma opção, respectivamente.

Redução na intenção de compras

Por outro lado, apesar dos números positivos, o brasileiro está utilizando menos o 13º para fazer suas compras este ano, em relação a 2007. No item brinquedos, por exemplo, a redução na intenção de compra foi de 9,88%. Em itens de maior valor, a queda foi bem maior, como entre os que pretendem comprar ou trocar de automóvel, conforme tabela a seguir:

Intenção de compras no Natal usando 13º e financiamentos
ItemIntenção em 2008Intenção em 2007Variação
Brinquedos73%81%-9,88%
Bens diversos72%79%-8,86%
Roupas68%78%-12,82%
Eletroeletrônicos63%76%-17,11%
Celulares62%65%-4,62%
Produtos de informática38%44%-13,64%
Eletrodomésticos8%13%-38,46%
Móveis e estofados6%12%50%
Materiais de Construção3%8%-62,50%
Automóvel1%2%-50%

PUBLICIDADE

Fonte: Anefac

Forma de pagamentos

A pesquisa mostra ainda que, entre os que pretendem utilizar 13º e financiamentos para pagar suas compras, 77% pretendem fazê-lo à vista, utilizando cheque ou cartão de débito. O número é 5,48% superior ao de 2007, quando a intenção de pagar à vista correspondia a 73%.

Cheques pré-datados, cartão de crédito e carnês, com financiamentos por meio do próprio comércio, receberam 68%, 75% e 37% das respostas, respectivamente. Todos variaram de forma positiva, na comparação com o ano anterior.

Já os pagamentos com financiamentos bancários apresentaram redução de 12%, passando de 25%, em 2007, para 22%, este ano. A queda, segundo a Anefac, pode estar atrelada ao momento econômico atual, com maior restrição de crédito e incertezas quanto ao futuro.