Conteúdo editorial apoiado por

O que dizem os CEOs de 3tentos e Caramuru sobre a nova JV

Luiz Osório Dumoncel e Júlio Cesar da Costa explicam as estratégias por trás da parceria que investirá R$ 400 milhões no oeste do Pará

Alexandre Inacio

Publicidade

A primeira ideia era que a 3tentos (TTEN3) contratasse os serviços de logística da Caramuru, já acostumada a operar silos e portos de transbordo. Contudo, apesar de já ter estudos, a Caramuru não tinha estrutura em Miritituba (PA). O porto mais próximo estava a quase 2 mil quilômetros dali, em Santana, no Amapá.

As conversas evoluíram. O que era para ser uma simples relação cliente-fornecedor se transformou em uma joint venture de R$ 400 milhões

Surgirá, assim, um porto de transbordo às margens do rio Tapajós para, inicialmente, 2 milhões de toneladas, juntamente com toda infraestrutura de armazenagem. As bases do projeto, no entanto, permitirão a expansão para 5 milhões de toneladas de grãos e farelos.

Rio Tapajós (PA) vai ganhar um novo terminal portuário, fruto de uma JV entre 3tentos e Caramuru Alimentos (Foto: gettyimages)

“A logística é um dos pilares da Caramuru e também uma fonte de receita. Pelo potencial da região, já tínhamos estudos de investimentos. Ao juntar forças com a 3tentos conseguimos acelerar esse projeto”, disse o CEO da Caramuru Alimentos, Júlio Cesar da Costa, ao IM Business.

O projeto marca a entrada da 3tentos no modal fluvial. A companhia gaúcha já administra no Rio Grande do Sul dois terminais ferroviários, um com capacidade de 50 vagões por dia em Ijuí e outro em Cruz Alta, que suporta a movimentação de até 100 vagões por dia.

“Há algum tempo pensamos nos gargalos logísticos do Brasil. Mesmo usando os portos de Santarém (PA) e Santana (AP), Miritituba passou a ser um importante ponto de escoamento. Esse porto trará grandes benefícios para a 3tentos”, disse o CEO da companhia, Luiz Osório Dumoncel, ao IM Business.

Ambos executivos estão afinados. As duas empresas têm claro que a JV será de “bandeira branca”, ou seja, terá vida própria e poderá prestar serviços a terceiros. Contudo, a 3tentos dá sinais que será uma das maiores clientes do terminal.

A empresa de Dumoncel inaugurou em julho deste ano uma fábrica de processamento de soja em Vera (MT). Capaz de esmagar diariamente 2,6 mil toneladas de soja e produzir 1 milhão de litros de biodiesel, a unidade fica a mil quilômetros do futuro terminal, metade do caminho até Santos.

Fábrica de processamento de soja e usina de biodiesel da 3tentos em Vera, Mato Grosso

Por conta da fábrica, a 3tentos pretende finalizar 2023 originando 600 mil toneladas de grãos, apenas em Mato Grosso. A previsão é chegar a 1,3 milhão de toneladas em 2025, já perto da inauguração do terminal do Pará.

Para a Caramuru, a JV vai agregar receita ao negócio e ampliar a estrutura de movimentação de grãos, farelo e produtos de alto valor agregado. A companhia inaugurou em outubro sua segunda unidade de Proteína de Soja Concentrada (SPC), em Itumbiara (GO).

A Caramuru vai fechar 2023 com um volume de grãos e farelos 10% superior ao registrado no ano passado. Contudo, com a queda dos preços dos grãos no mercado internacional, o faturamento da companhia tende a recuar cerca de 7%, para um valor ao redor de R$ 8 bilhões.