Em mercados

China é a nova Grécia? 3ª Guerra Mundial à vista? Gurus estão "apocalípticos"

Nesta semana, Jim Chanos afirmou que a China pode se tornar a nova Grécia e Soros destacou que há riscos de uma nova Guerra Mundial

SÃO PAULO - Esta semana vai ficar marcada como uma das mais pessimistas em relação às perspectivas de "gurus" de mercado frente à economia de alguns países e até mesmo vendo uma possível Terceira Guerra Mundial. 

Hoje, o gestor Jim Chanos, fundador da Kynikos Associates, disse que a China poderá se tornar a nova Grécia e os seus problemas de dívida podem até serem maiores do que o do país europeu nos próximos anos. 

"Eu brinco com meus amigos chineses, mas um pouco sério, que em mais três ou quatro anos eles vão ser como a minha pátria Grécia", disse Chanos para a Fox, conforme destaca o Market Watch. A entrevista completa será transmitida no domingo.

A China, afirma o gestor, mostra uma proporção da sua dívida em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) de 300% e a projeção é de que ela atinja 400% nos próximos anos. "O problema é a história de crédito", disse Chanos. "O sistema bancário da China está inchado e irá assumir basicamente mais e mais alavancagem".

A dívida total da China atingiu US$ 28,2 trilhões em 2014, equivalente a 280% de seu PIB. Ao mesmo tempo, as autoridades monetárias chinesas no início baixaram as taxas de juros no início de maio para combater a desaceleração econômica.

Terceira Guerra Mundial?
Já na última terça-feira, o investidor bilionário George Soros descreveu um cenário ainda mais apocalíptico e também o relacionou à economia chinesa

Se os esforços da China de mudar de uma economia exportadora para uma economia sustentada pelo consumo interno fracassar, segundo Soros, existe a probabilidade de que os governantes chineses fomentarem um conflito externo para manter o país unido e manter-se no poder.

"Se houver um conflito entre a China e um aliado dos EUA, como por exemplo o Japão, então estaremos no limiar de uma Terceira Guerra Mundial", disse Soros, que destacou que os gastos militares têm aumentado entre a Rússia e a China.

Mas como fazer para evitar esta situação? O gestor bilionário pede aos EUA para fazer uma ''grande concessão'' e permitir que a moeda chinesa se una à cesta de moedas do FMI (Fundo Monetário Internacional). Com esta medda, o yuan se tornaria um potencial rival para o dólar como moeda de reserva mundial.

Em troca, a China teria que fazer grandes concessões semelhantes para reformar sua economia, "tais como aceitar o Estado de direito", disse o bilionário. Para ele, permitir que o yuan chinês seja uma moeda de mercado criaria "uma conexão" entre os dois sistemas.

Apesar de um acordo neste sentido ser difícil de alcançar, disse Soros, mas a alternativa é pior. "Sem ele, há um perigo real de que a China vá se aliar política e militarmente com a Rússia, e em seguida, a ameaça da Terceira Guerra Mundial se tornará real. Por isso, vale a pena tentar".

Jim Chanos e George Soros
(Reprodução)

Contato