Stock Pickers

“O bull market corrompe as pessoas”: a visão da IP Capital sobre a crise

Em entrevista exclusiva, Gabriel Raoni, sócio e co-gestor da IP Capital Partners contou as estratégias que o fundo usa para se proteger de eventuais crises

dólar e o bull market
(Shutterstock)

SÃO PAULO – Mar calmo não faz bom marinheiro. A recente turbulência no mercado financeiro pegou muito investidor de surpresa.

De um dia para o outro, o Ibovespa, que em 2019 acumulara a maior alta nos últimos 3 anos, passou a sofrer sucessivos circuit breakers – mecanismo emergencial que interrompe as negociações quando a queda do Ibovespa ultrapassa determinados limite – e já acumula queda de 35,95% em 2020.

Para Gabriel Raoni, sócio e co-gestor da IP Capital Partners, o período de bull market (mercado com tendência de alta) vivido entre 2016 e 2019 fez com que muitos investidores abandonassem os cuidados necessários para a alocação de seu patrimônio, o que agravou os prejuízos na crise.

PUBLICIDADE

Quer se tornar um especialista em ações e aprender com os principais nomes do mercado financeiro? As matrículas para o MBA Ações & Stock Picking estão abertas. Clique aqui para aproveitar sua condição especial.

“O bull market corrompe as pessoas. Com o tempo, o investidor vai baixando a guarda, é normal. Muita gente se prejudicou com esse pensamento de que a tendência não iria acabar”, afirmou o gestor.

Raoni foi o convidado do Coffee & Stocks desta terça-feira (7), e falou de algumas das estratégias que o fundo utiliza na hora de montar a carteira de ativos – e que o ajudaram a limitar as perdas na recente virada do mercado.

“Nós tomamos as decisões esperando pelo melhor, mas nos preparando para o pior. Uma das receitas da IP e que aprendemos ao longo do tempo é que você tem que concentrar seus investimentos em excelentes empresas. Muita gente fala que investe em uma empresa boa, mas investir em uma empresa excelente é muito mais do que isso”, disse Raoni.

Segundo o gestor, o fundo usa uma estratégia de análise que leva em conta 5 critérios principais:

1 – Lucratividade

PUBLICIDADE

Para Raoni, o questionamento sobre a lucratividade da empresa é fundamental. “É preciso saber se essa empresa gera um retorno sobre o capital investido acima do custo de capital. Senão, já pode descartar”, afirma.

2 – Posicionamento frente à concorrência

As respostas que a empresa dá às “investidas” da concorrência, segundo o gestor, também é um ponto de suma importância. “A empresa tem um posicionamento competitivo? Ela está tomando uma porrada da concorrência e está vencendo? Isso é importante para avaliar o potencial de adaptação que essa empresa tem”, explica.

3 – As pessoas na gestão

“Quem são as pessoas que estão por trás dos negócios? Quais as motivações? Qual o turnover?”, questiona Raoni, acrescentando que é crucial não subestimar nenhum desses fatores na escolha em um ativo.

4 – Alavancagem

Raoni defende que é preciso também buscar ter conhecimento sobre o cronograma de amortização das dívidas dessa empresa. “Não adianta atravessar a crise arrebentado”, ressalta.

5 – Preço

PUBLICIDADE

Por último, mas não menos importante, Raoni destaca a necessidade de uma avaliação do preço dos papéis da empresa diante dos atributos anteriores.

“Por exemplo, o setor de bancos. Está barato? Provável, por outro lado está faltando posicionamento competitivo. Eles estão enfrentando uma concorrência dura”, explica.

“O mesmo acontece com o setor de combustíveis. Falta o segundo atributo, que é o posicionamento competitivo. Eles estão tomando muita porrada dos postos bandeira branca há algum tempo”, acrescenta.

Como se preparar?

Em uma rápida leitura sobre a recente crise causada pela pandemia do novo coronavírus, Raoni afirmou que a turbulência deve atingir o resultado das empresas de maneira expressiva e que ele não tem nenhuma aposta sobre sua duração.

“Tem uma história da primeira guerra mundial, que pensavam que ela duraria 4 meses quando na verdade durou 4 anos. Então, não menosprezamos a possibilidade de extensão da crise”, disse.

Segundo ele, uma estratégia para atravessar bem uma crise é entrar nela com um bom leque de investimentos no exterior.

“Lá fora tem um universo maior de empresas, e muitas delas podem se encaixar nesses 5 atributos. É o que fazemos, nosso veículo pode investir aqui e lá fora. Só para fazer um retrospecto, entramos com 3/4 no exterior e 1/4 no Brasil. Estamos fazendo essa migração porque muita empresa boa ficou barata no Brasil”, disse.

Oportunidades

Questionado pelo analista Thiago Salomão sobre as oportunidades que enxerga no momento, Raoni destaca a holding do setor elétrico Equatorial e a operadora de planos de saúde Hapvida.

PUBLICIDADE

“A Equatorial passa tranquilamente pelos 5 atributos, tem um histórico de ter passado bem por crises passadas, é bastante conservadora quanto a alavancagem e não deve perder tamanho e valor. A Hapvida é outra empresa que adoramos. Ela é extremamente bem posicionada, com donos que gostam de trabalhar e tem o menor custo da cadeia”, explica o gestor.

Quer se tornar um especialista em ações e aprender com os principais nomes do mercado financeiro? As matrículas para o MBA Ações & Stock Picking estão abertas. Clique aqui para aproveitar sua condição especial.