Stock Pickers

A nova Magazine Luiza, o preço da Weg e outras teses polêmicas

Qual é o próximo Magazine Luiza? As ações da Weg não estão caras demais? Tentamos responder essas perguntas

Aprenda a investir na bolsa

Nos últimos cinco anos, o preço das ações do Magazine multiplicou por 700. Enquanto isso, as da Weg ficaram oito vezes mais caras.

Números assim, é claro, levam o investidor brasileiro (ou pelos menos os que acompanham Stock Pickers) a estarem sempre se perguntando: qual é o próximo Magazine Luiza? As ações da Weg não estão caras demais?

Aprenda a investir na bolsa

Luis Stuhlberger, John Boselli e os CEOs das melhores empresas da Bolsa estarão no evento gratuito do Stock Pickers! Inscreva-se grátis!

Neste episódio do Stock Pickers chamamos gestores de duas casas que mais ganharam dinheiro com o (aparentemente eterno) rali das duas companhias: Alaska, com o Magazine Luiza, e Dahlia, com Weg.

As próximas linhas contêm spoilers do episódio. Se não quiser saber, clique no play e pare por aqui.

Cogna

“Cogna tem o business digital, pequeno, escondido por alguns assuntos ruins. Muito parecido com o Magazine Luiza em 2015. O e-commerce [do Magazine Luiza] crescia 50% ao ano, mas ainda era 1% da operação, em meio àquelas lojas físicas estragadas. Ninguém percebia o que estava acontecendo”, diz Henrique Bredda, da Alaska.

“A Cogna hoje tem uma situação parecida. Ensino presencial tem hoje sua situação questionada, mas a Vasta, plataforma para ensino básico, cresce bastante, a Platos, plataforma de ensino superior, também”, completa Bredda. 

Quer receber a Newsletter do Stock Pickers? Preencha o campo abaixo com seu nome e seu melhor email

PUBLICIDADE

Cogna é, então, o próximo Magazine Luiza? Não é bem assim. “Não acredito que teremos outro Magazine Luiza, com uma valorização desse tamanho. Mas é, das nossas posições, a que mais tem espaço para subir”, afirma Bredda.

Weg

A Dahlia tem ações da Weg desde quando o papel valia R$ 40 — hoje é negociado a R$ 80. “Todos os elementos que fizeram com que o papel subisse tanto ainda estão presentes. Ainda temos o papel na carteira”, resume José Rocha. “O melhor trade é aquele que nunca acaba”, afirma.