Presidente da Câmara

Waldir Maranhão recua e desiste de anular sessão do impeachment

A Secretaria-Geral da Mesa da Câmara recebeu a decisão da revogação logo depois da meia-noite

Aprenda a investir na bolsa

O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA) revogou, na madrugada de hoje (10) decisão tomada ontem (9) de manhã, de anular as sessões plenárias da Câmara em que foi aprovada a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

“Revogo a decisão por mim proferida em 9 de maio de 2016 por meio da qual foram anuladas as sessões do plenário da Câmara dos Deputados ocorridas dias 15, 16 e 17 de abril de 2016, nas quais se deliberou sobre a Denúncia por Crime de Responsabilidade nº 1/2015”, diz o texto do ofício assinado por Maranhão.

Em outro ofício, Waldir Maranhão comunicou a decisão ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Aprenda a investir na bolsa

A Secretaria-Geral da Mesa da Câmara recebeu a decisão da revogação logo depois da meia-noite. Entre outros motivos, pesou na revogação a forte reação na Câmara; a maioria dos partidos decidiu convocar sessão à sua revelia para revogar o seu ato nesta terça (10), enquanto o seu partido, PP, o ameaçava de expulsão. Maranhão relatou a interlocutores o receio de ser expulso do PP e perder seu mandato. 

Nessa segunda-feira, Renan decidiu ignorar a decisão do presidente em exercício da Câmara e determinou que o relator do processo na Comissão Especial do Impeachment do Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), fizesse a leitura do parecer, favorável à admissibilidade do processo no plenário da Casa. Com isso, começou a contar o prazo de 48 horas para que os senadores votem a admissibilidade e o afastamento da presidente por 180 dias, o que deve ocorrer nesta quarta-feira (11).

(Com Agência Brasil)