Eleições 2022

União Brasil desiste de negociações com outros partidos para chapa única da ‘3ª via’

Segundo Bivar, a legenda lançará uma “chapa pura”, ou seja, com candidatos a presidente e vice-presidente do próprio União Brasil

Por  Anderson Figo

O União Brasil abandonou as negociações com o MDB, PSDB e Cidadania para chegar a uma chapa única da chamada terceira via — alternativa às candidaturas de Jair Bolsonaro (PL) e Lula (PT) — na disputa pela Presidência da República.

O anúncio foi feito na noite desta quarta-feira (4) nas redes sociais do partido por seu presidente, o deputado Luciano Bivar (PE).

Segundo Bivar, a legenda lançará uma “chapa pura”, ou seja, com candidatos a presidente e vice-presidente do próprio União Brasil.

A Executiva Nacional do União Brasil havia lançado, no último dia 14, a pré-candidatura de Bivar ao Planalto.

“Esperamos até o último momento para ver se fazíamos uma coligação com outros partidos. Entretanto, outros partidos não tiveram a mesma unidade que tem o União Brasil. Então, em função disso, não restou a nós uma única alternativa a não ser sairmos com uma chapa pura”, disse Bivar no vídeo.

O desembarque do União Brasil nas negociações da terceira via já havia sido antecipado por colunistas nos últimos dias — sem a confirmação oficial do partido.

Enfrentando graves problemas para decolar, a terceira via prometeu, para 18 de maio, um anúncio conjunto para apresentar um nome único para a disputa.

Tebet lidera as apostas

Ouvidos pelo InfoMoney para a edição de abril do Barômetro do Poder, analistas de risco político divergem em relação ao nome que poderá cristalizar a terceira via e tentar emprestar alguma viabilidade à estratégia de centro-direita.

Embora a maioria (33,3%) aposte no nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS), a mesma quantidade acredita que não haverá acordo entre as quatro legendas para a apresentação de um nome único.

Outros nomes citados foram o dos tucanos João Doria (ex-governador de São Paulo) e Eduardo Leite (ex-governador do Rio Grande do Sul), que chegaram a brigar dentro do PSDB pela chance de disputar o Planalto pela legenda.

Doria, formalmente definido como o nome tucano na corrida presidencial, aparece em 13,3% das respostas dos analistas ouvidos, mesmo número daqueles que acreditam que a aliança entre os partidos poderá se desfazer antes mesmo do anúncio.

Leite, que chegou a atuar nos bastidores para ter direito de competir, mas depois publicou uma carta pública afirmando que vai respeitar o resultado das prévias do partido, teve apenas 6,7% das respostas.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe