Uma em quatro pessoas no mundo pagou suborno no último ano

Dados de barômetro global mostram ainda que uma em cada seis disse que a corrupção tem aumentado nos últimos três anos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Uma em cada quatro pessoas em todo o mundo pagou suborno no último ano, revelou o Barômetro Global de Corrupção 2010, divulgado nesta quinta-feira (9) pela organização Transparência Internacional.

Foram entrevistadas mais de 91,5 mil pessoas em 86 países, sendo que uma em cada seis disse que a corrupção aumentou nos últimos três anos.

A visão sobre a corrupção é pior na Europa Ocidental e na América do Norte, onde 73% e 67% das pessoas, respectivamente, acreditam que a corrupção aumentou desde 2007.

Aprenda a investir na bolsa

“A crise financeira continua a afetar a opinião das pessoas sobre corrupção, em particular na América do Norte e na Europa Ocidental. As instituições em todos os lugares devem unir esforços para restaurar a boa governança e a confiança”, disse a presidente da Transparência Internacional, Huguette Labelle.

Subornos
Nos últimos 12 meses, uma em cada quatro pessoas reportou que pagou suborno para uma em nove instituições e serviços, de saúde e educação a autoridades fiscais. A polícia é citada mais vezes, com um terço daqueles que tiveram contato com policiais reportando ter pago um suborno.

O mais preocupante, diz o relatório, é que o suborno para os policiais quase dobrou desde 2006 e mais pessoas disseram pagá-los ao judiciário. Desta forma, poucas pessoas confiam em seus governos e políticos, já que oito em 10 disseram que seus políticos são no mínimo corruptos, enquanto metade das pessoas disse que as ações de seus governos para parar a corrupção são inefetivas.

As pessoas de menor renda são duas vezes mais propícias a pagar suborno por serviços básicos, como educação, do que os mais abastados.

A idade também tem interferência: um terço das pessoas com menos de 30 anos afirmou pagar suborno nos últimos 12 meses, enquanto entre as pessoas com 51 anos ou mais, a proporção cai para uma em cada cinco.