Críticas

Serra critica governo Dilma e diz que gestão atual “parece que perdeu as eleições”

Citando o risco Brasil e a queda da confiança do empresariado, o senador eleito José Serra criticou duramente a condução da economia pelo governo atual

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O senador eleito José Serra (PSDB) disse que o governo atual parece ter perdido as eleições, em vista das medidas que vem tomando. Ele afirmou que há hoje um “descrédito de confiança” com a gestão da presidente Dilma Rousseff (PT), e que “não se espera que ela seja capaz de enfrentar o quadro econômico”. Ele ainda chegou a dizer que o governo precisaria de um primeiro-ministro “devido à inexperiência e ao despreparo da presidente”. 

Serra explicou que é muito difícil que promessas de campanha da Dilma como as reformas política e tributária saiam do papel em vista principalmente por conta da dificuldade de relação da petista com o Congresso. “Não se sabe qual é a reforma política, mas ela vai perder no Congresso e perderia na população [se fosse feito plebiscito]”. 

Outro problema para o relacionamento com o parlamento seria a crise na Casa Civil, que, segundo Serra, “está sem líder desde a saída do ministro Palocci”. “Parece piada crer que vai aprovar algo importante no parlamento sem Casa Civil”, opinou.

Aprenda a investir na bolsa

O senador ainda falou da questão fiscal, dizendo que deveria ser olhado mais o resultado agregado do governo e menos o resultado primário, uma vez que o pagamento de juros já equivale a 5% PIB. Para ele, deveria existir um teto mais claro para os gastos da União. “As pessoas acham que a lei de responsabilidade fiscal limita o orçamento da União, mas só faz isso com estados e municípios. Não há limite de gasto da União atualmente”.

Para ele, é provável que haja um segundo “efeito Meirelles” com elevação dos juros para ganhar confiança do mercado externo, mas que isso será inviável em razão do déficit corrente. 

O senador ainda defendeu a volta da CPMF, porém admitiu que é algo muito difícil de ocorrer.