Senadores divergem sobre políticas relacionadas à reforma da Previdência

"Já virou clichê todo presidente assumir com promessa de reformas no sistema", afirma senador Paulo Paim (PT-RS)

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A dois dias da posse da nova presidenta, Dilma Roussef, senadores ainda divergem sobre as políticas relacionadas à reforma da Previdência.

O senador Paulo Paim (PT-RS), por exemplo, entende que existem debates incoerentes a respeito da questão previdenciária e da questão trabalhista.

“Já virou clichê todo presidente assumir com promessa de reformas no sistema previdenciário e trabalhista. Quando se fala nessas reformas, o que quase sempre se quer é retirar direitos dos trabalhadores. Eu espero que a presidente Dilma não faça isso”, afirma o senador.

Aprenda a investir na bolsa

Para o político, o brasileiro é o povo que mais paga para a Previdência Social. Ele descreve que, ao longo das décadas, houve uso indevido dos recursos, com desvios para financiar despesas de outras áreas. Mesmo assim, ele contesta que a Previdência seja deficitária.

Conforme informações da Agência Senado, o senador destaca que a tese do deficit vem sendo sustentada com cálculos que deixam de levar em conta contribuições sociais instituídas para financiar despesas da seguridade social.

Cobertura
O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), que assumirá o Ministério da Previdência na equipe de Dilma, compactua dos fundamentos sobre o deficit. O motivo, segundo ele, é de que, ao longo dos anos, foram concedidos benefícios sem a correspondente cobertura.

No entendimento do senador Edison Lobão (PMDB-MA), que irá assumir a pasta de Minas e Energia, o “buraco” nas contas da Previdência está chegando perto de R$ 40 bilhões.

Contrária as opiniões dos colegas, a senadora Ideli Salvatti (PT-SC), afirma que o vácuo deve ser creditado ao resultado de uma política de inclusão conduzida na área da Previdência para garantir a aposentadoria do trabalhador rural. 

“Não podemos exigir que os trabalhadores cubram, com os recursos da sua previdência, políticas que devem ser sustentadas com recursos do Tesouro”, avalia Ideli.

PUBLICIDADE