Assista ao vídeo

“Se um dia eu chegar a ser presidente, vai ser uma desgraça, vai acabar a minha vida”, diz Bolsonaro

Em vídeo publicado em sua página no Twitter, o deputado explica a sua declaração ao falar que tem como pretensão ser um presidente honesto, cristão e patriota

Se o vídeo não reproduzir normalmente, desabilite seu bloqueador de anúncios (adblock). A transmissão começa com o volume no “mudo”, clique no ícone de som para acioná-lo.

SÃO PAULO – Grandes poderes trazem grandes responsabilidades – e também impacto em outras esferas da vida de uma pessoa que assume tais desafios. O deputado federal Jair Bolsonaro, possível candidato à presidência, sinalizou saber disso em um vídeo publicado em sua página oficial no Twitter ao comentar como a sua vida será impactada caso se consagre vencedor da eleição do ano que vem. 

PUBLICIDADE

“Eu não tenho nenhum prazer em dizer… se um dia eu chegar a ser presidente, vai ser uma desgraça, vai acabar a minha vida. Vai ser uma desgraça”, afirma o parlamentar, mas sem afastar a sua intenção de concorrer à presidência. No vídeo, que é um trecho de uma entrevista concedida por ele, o parlamentar explica a sua declaração ao falar que tem como pretensão ser um presidente “honesto – que é um palavrão nesta casa [Câmara dos Deputados]; cristão – é outro palavrão; e patriota – é outro palavrão, virou coisa para careta, otário”. No post, Bolsonaro escreveu que esse posicionamento é “a verdade” sobre a possibilidade de assumir a Presidência. 

O deputado vem ganhando destaque nas últimas pesquisas. Somente nesta semana, a CNT/MDA mostrou Bolsonaro em segundo lugar nas intenções de voto espontânea e estimulada para o primeiro turno, atrás apenas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (veja mais clicando aqui). Na sequência, o DataPoder360 apontou o parlamentar liderando com folga os cenários sem o petista (clique aqui para ver mais). Mas, antes mesmo desses levantamentos, o Financial Times fez uma matéria apontando o deputado como o mais provável sucessor de Michel Temer e que, neste sentido, as perspectivas para as reformas são sombrias. Contudo, em relatório, a consultoria de risco político Eurasia Group apontou ser improvável que Bolsonaro seja o “Donald Trump” do Brasil.