RADAR INFOMONEY Aposta em alta de ações da Suzano, Bolsa cai com temor na Europa e a "nova CPMF"; assista ao programa desta sexta

Aposta em alta de ações da Suzano, Bolsa cai com temor na Europa e a "nova CPMF"; assista ao programa desta sexta

Política

“Se Cunha é malvado, é meu malvado favorito”, diz Marco Feliciano à BBC

Na entrevista, ele disse que "seu sonho primário" é ver o PT perder o governo e mostrou que não tem problemas com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha

SÃO PAULO – Após entrevistar o deputado Paulo Maluf (PP-SP), que afirmou que só precisava “fingir que trabalha”, a BBC Brasil entrevistou desta vez Marco Feliciano (PSC-SP), um deputado polêmico por suas posições ao casamento homossexual e ao aborto. Na última segunda-feira (12), ele foi a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Na entrevista, ele disse que “seu sonho primário” é ver o PT perder o governo e mostrou que não tem problemas com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, a quem ele chamou de “meu malvado favorito”, elogiando-o por ter aceitado o pedido de impeachment.

“O Cunha, todo mundo chama de malvado, né? Se ele é malvado, para mim é meu malvado favorito. Porque ele colocou o impeachment para andar”. Ele ainda disse que foi uma surpresa o resultado da comissão, no qual o posicionamento a favor da saída de Dilma teve 38 votos. “Foi uma surpresa. Nós temos um grupo que trabalha de manhã, de noite, de madrugada, em prol do impeachment. E acreditávamos que teríamos entre 33 e 35 votos’.

PUBLICIDADE

Feliciano ainda se mostrou otimista com o resultado da votação domingo na Câmara e ainda comparou com o que ocorreu em 1992 com Fernando Collor. “Nosso sentimento é que o deputado que tiver juízo não vai querer dar um tiro no pé, a exemplo do impeachment do Collor. Dos deputados que votaram contra [o afastamento do presidente em 1992], só temos dois no Congresso”, lembrou. “O restante não se elegeu nem para síndico de prédio, com exceção de um, o (senador Ronaldo) Caiado (DEM-GO), que está no Senado”, completou Feliciano.