Relatores do processo contra Renan Calheiros ameaçam não entregar parecer

Renato Casagrande e Marisa Serrano afirmaram que não vão apresentar o documento caso a votação seja secreta

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os relatores Renato Casagrande e Marisa Serrano afirmaram que não vão apresentar o parecer sobre o processo por quebra de decoro contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, caso a votação da próxima quinta-feira (30) no Conselho de Ética da Casa não for aberta, como recomenda a consultoria jurídica do Senado.

“Só apresentaremos relatório se o voto for aberto. Passamos dois meses preparando esse relatório. Se não for voto aberto, precisaremos de mais tempo para dar nova formatação ao parecer”, explicou Renato Casagrande, um dos três relatores do processo aberto após representação do PSOL.

Casagrande ainda afirmou que fez uma pesquisa no Conselho de Ética, no qual tramita o processo contra Renan, e chegou à conclusão de que onze ou doze do total de quinze senadores defendem o voto aberto no caso.

Renan é acusado de encomendar parecer

Aprenda a investir na bolsa

O funcionário Marcos Santi, secretário-adjunto da Mesa Diretora do Senado, pediu exoneração do cargo depois que técnicos da consultoria jurídica divulgaram parecer favorável à votação secreta.

Santi acusa Renan Calheiros de ter encomendado o parecer em seu favor, além de influenciar técnicos do Senado ao longo do processo de investigação com manobras para que seja absolvido.

O parecer foi encomendado pelo presidente do Conselho de Ética, Leomar Quintanilha, à consultoria jurídica do Senado para tirar dúvidas sobre o sistema de votação no conselho. Quintanilha promete submetê-lo à decisão dos integrantes do órgão antes de estabelecer se a votação será aberta ou secreta.