Política

Regina Duarte se diz “noiva” do governo e vai a Brasília para conhecer Secretaria da Cultura

Atriz deve começar período de testes na pasta e diz que tem como objetivo "pacificar a relação da classe [artística] com o governo"

Regina Duarte e Jair Bolsonaro
A atriz Regina Duarte, secretária especial da Cultura, e o presidente Jair Bolsonaro

SÃO PAULO – A atriz Regina Duarte aceitou o convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a Secretaria de Cultura do governo, conforme noticiam o site do jornal Folha de S.Paulo e o portal G1.

A decisão ocorre após uma reunião entre os dois, nesta segunda-feira (20), no Rio de Janeiro. Ela assume a pasta para substituir Roberto Alvim, exonerado após copiar trechos de um discurso nazista em pronunciamento oficial.

À coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, Regina Duarte disse que tem como meta “pacificar a relação da classe [artística] com o governo” e que começa amanhã um período de testes na pasta.

PUBLICIDADE

“Nós vamos noivar, vou ficar noiva, vou lá conhecer onde eu vou habitar, com quem que eu vou conviver, quais são os guarda-chuvas que abrigam a pasta, enfim, a família. Noivo, noivinho”, afirmou.

O Palácio do Planalto confirmou que a atriz irá a Brasília na quarta-feira (22) para conhecer a estrutura da secretaria, mas não deixava claro se ela assumirá o cargo.

“Após conversa produtiva com o presidente Jair Bolsonaro, Regina Duarte estará em Brasília na próxima quarta-feira, 22, para conhecer a Secretaria Nacional de Cultura do governo federal. ‘Estamos noivando’, disse a artista após o encontro ocorrido nesta tarde no Rio de Janeiro”, dizia comunicado do Planalto.

Um dos caminhos avaliados pelo governo é conferir caráter de ministra à comandante da pasta.

Antes da nova ofensiva, a atriz já havia recusado um convite para assumir a secretaria. Na corrida presidencial de 2018, ela manifestou publicamente apoio à candidatura de Bolsonaro.

Quer saber o que esperar da política nos próximos meses? Insira seu e-mail abaixo e receba, com exclusividade, o Barômetro do Poder – um resumo das projeções dos principais analistas políticos do país: