Polícia Federal e universidade fazem últimos testes de segurança em urnas eletrônicas

Até sexta-feira (17), na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília (DF), as equipes farão uma série de testes de confirmação para verificar se falhas encontradas no ano passado foram corrigidas

Equipe InfoMoney

Eleições municipais de 2024 acontecem nos dias 6 e 27 de outubro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Publicidade

Investigadores da Polícia Federal (PF) e técnicos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) realizam, nesta quarta-feira (15), os últimos testes de segurança na urna eletrônica antes das eleições municipais deste ano, que estão marcadas para os dias 6 e 27 de outubro (1º e 2º turnos, respectivamente).

Até sexta-feira (17), na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília (DF), as equipes farão uma série de testes de confirmação para verificar se falhas encontradas no ano passado foram corrigidas.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Continua depois da publicidade

O chamado Teste Público de Segurança (TPS) faz parte de cada ciclo eleitoral. Em anos não eleitorais, é aberto um edital para que qualquer interessado se inscreva a fim de examinar os códigos-fonte e realizar ataques com o objetivo de encontrar vulnerabilidades no sistema eletrônico de votação.

No atual ciclo eleitoral, o TPS foi feito entre 27 de novembro e 2 de dezembro do ano passado, quando 33 investigadores executaram 35 planos de ataques contra as urnas, após ter acesso ao código-fonte de todos os sistemas de votação.

Na ocasião, uma comissão avaliadora selecionou cinco inconsistências encontradas que deveriam ser trabalhadas pelo TSE para serem examinadas novamente no teste iniciado agora.

Continua depois da publicidade

Segundo o relatório do TPS, os ataques realizados no ano passado não conseguiram fragilizar a integridade ou o sigilo do voto, mas encontraram possíveis falhas, por exemplo, na inicialização da urna, com a ocorrência de uma mensagem de erro não prevista.

Outra falha imprevista foi encontrada pela PF no procedimento de carga da urna, quando são inseridas informações sobre os candidatos e o eleitorado, por exemplo. A equipe formada por um professor e três alunos da UFMS encontrou ainda duas falhas envolvendo o controle e privilégios de acesso de aplicações executadas na urna.

“As nossas equipes técnicas se debruçaram sobre esses achados, melhoraram esses temas e aqui, neste teste de confirmação, apresentamos os dois códigos-fonte, o que tínhamos antes e as melhorias que foram feitas”, explicou o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Julio Valente.

Continua depois da publicidade

O diretor-geral do TSE, Rogério Galloro, descreveu o TPS como “fundamental para o sistema eleitoral, pois possibilita essa transparência e essa evolução constante”. Cada achado dos investigadores “se transforma em evolução”, completou.

Durante o teste de confirmação, serão executados os firmwares (programas de controle do hardware) e as mídias dos modelos 2022 e 2020 da urna eletrônica.

Serão testados:

Continua depois da publicidade

Também participam dos testes de confirmação sete pesquisadores do Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores (Larc) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). “Os acadêmicos darão suporte às investigadoras e aos investigadores durante a execução dos planos de reteste”, informou o TSE.

(Com Agência Brasil)

Leia também:

Continua depois da publicidade