Planalto não chega a consenso e deve não ceder cargo para a oposição

Segundo jornal, para não rachar sua base, presidente Lula preferiu deixar a decisão com os líderes governistas no Congresso

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O jornal O Estado de S. Paulo desta terça-feira (26) traz matéria dizendo que a negociação do Planalto para dividir com a oposição o comando da CPI mista dos Cartões Corporativos não acabou bem. Segundo a reportagem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, e o senador Romero Jucá (PMDB-RR) foram os únicos defendendo o encerramento da disputa pelos postos na mesa.

Para não correr o risco de rachar sua base, o presidente Lula preferiu deixar a decisão com os líderes governistas no Congresso. Segundo a matéria, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, ficaram contra a proposta de Múcio e Jucá.

O Planalto decidiu retomar as negociações com a oposição vendo a chance da criação de uma CPI no Senado para apurar os gastos corporativos do Executivo.

Garibaldi não quer CPI do Senado

Aprenda a investir na bolsa

O presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), havia dito na última segunda-feira (25) que a CPI dos Cartões Corporativos do Senado só iria sair se não houvesse acordo entre governo e oposição sobre o comando da comissão mista.

Segundo a Folha de S. Paulo, o senador Neuto de Conto (PMDB-SC), o indicado à presidente da CPI mista, afirmou que quer iniciar os trabalhos da CPI até a próxima quinta-feira (28). O senador tem dúvidas se governo e oposição não estariam querendo dividir a direção da comissão para depois “negociar os problemas de ambos”.