Desinformação

PF abre inquérito contra Bolsonaro por vinculação de vacina contra Covid e Aids

Em dezembro, o procurador-geral da República, Augusto Aras, recorreu da decisão de Moraes de abrir o inquérito

Por  Reuters -

BRASÍLIA (Reuters) – A Polícia Federal abriu um novo inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro para investigar se ele cometeu crime ao ter feito uma associação –sem provas e falsamente– entre a vacinação contra Covid-19 e o suposto desenvolvimento da Aids.

A decisão da delegada Lorena Lima Nascimento de instaurar o inquérito foi tomada no dia 23 de fevereiro e comunicada nesta quarta-feira ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, relator do caso.

Moraes já havia determinado a abertura do inquérito criminal contra Bolsonaro pelo episódio ocorrido em outubro do ano passado, após ter sido provocado pelo ex-presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM).

Em uma transmissão pelas redes sociais, o presidente disse que relatórios do governo do Reino Unido teriam mostrado que pessoas totalmente vacinadas contra Covid teriam desenvolvido Aids.

A PF vai investigar se Bolsonaro cometeu os crimes de epidemia, de infração de medida sanitária preventiva e de incitação ao crime.

Procurada, a Advocacia-Geral da União, que representa o presidente judicialmente, não respondeu de imediato ao pedido de comentário.

Entre as diligências, a delegada da PF pediu para que seja transcrito o inteiro teor das declarações ao vivo de Bolsonaro, sejam identificados os sites que serviram de base para as informações replicadas pelo presidente e sejam realizadas pesquisas sobre a confiabilidade dos sites usados por ele, a fim de verificar se são verdadeiras ou fake news.

Em dezembro, o procurador-geral da República, Augusto Aras, recorreu da decisão de Moraes de abrir o inquérito.

Aras já havia realizado uma investigação interna na PGR sobre o caso. Entretanto, Moraes determinou depois o trancamento dessa apuração e ordenado que o procurador-geral remetesse informações dessa apuração ao Supremo, onde a investigação ficaria subordinada.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe