AO VIVO Renda extra imobiliária: Como montar uma carteira vencedora de FIIs; assista

Renda extra imobiliária: Como montar uma carteira vencedora de FIIs; assista

Para analistas, situação atual guia o México rumo a “déficits insustentáveis”

Previsões negativas para a oferta de petróleo e dificuldade para realizar reforma tributária têm agravado a situação do país

SÃO PAULO – Com a queda na produção de petróleo do México reduzindo as receitas do governo local, os analistas do Morgan Stanley acreditam que a economia do país esteja caminhando rumo a “déficts insustentáveis”.

De acordo com a equipe de análise do banco, o México precisa refrear seus gastos caso queira manter o seu saldo sob controle, visto que a produção de petróleo, que representa 37% de suas exportações, vem apresentando sucessivas quedas desde o ano passado.

Além disso, segundo o Ministro da Energia daquele país, a quantidade exportada da commodity pode diminuir 20% até 2017, caso a companhia Petroleos Mexicanos, principal produtora da região, não encontre novos campos de extração.

Reforma tributária é necessária

PUBLICIDADE

Na visão dos analistas, uma reforma na legislação tributária do país é a principal ferramenta que pode ser utilizada no momento para impedir perdas mais significativas no médio prazo.

Porém, essa é uma questão delicada na atual conjuntura política do México, visto que o atual presidente do país, Felipe Calderón, viu uma forte diminuição de parlamentares do seu partido – Partido da Ação Nacional – na câmara após a eleição para a renovação da bancada do governo no último dia 5 de julho, o que torna a aprovação de novas leis ou reformas estipuladas pela situação mais difíceis de serem alcançadas.

Rating

Devido ao cenário atual incerto da economia mexicana, especula-se que os ratings do país podem sofrer novos ajustes negativos nas próximas avaliações realizadas pelas agências de classificação de risco.

Vale destacar que uma das agências, a Standard & Poor’s, cortou a nota da dívida do México para BBB+, três níveis abaixo do grau de investimento e a mesma nota concedida pela Fitch.

Déficit

O Morgan Stanley finaliza sua análise prevendo para uma das principais economias da América Latina um déficit público próximo de 6% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2015, diante de suas próprias premissas macroeconômicas e perspectivas para o crescimento do país no período. Em termos comparativos, o déficit público atual representa cerca de 2% do PIB.