Desigualdade

“Os Miseráveis do Brasil”: francês Le Monde compara País à Europa do século XIX

Reportagem do jornal francês destaca desigualdade de renda do Brasil e afirma que crise piorou a situação, já que mudou as prioridades do governo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O jornal francês Le Monde da última terça-feira (2) fez uma longa reportagem sobre o cenário de crise da economia brasileira e afirmou que, apesar dos esforços realizados nos últimos anos para combater a pobreza, esta causa deixou de ser prioridade no governo. A desigualdade social, aponta a publicação, continua flagrante. O texto repercutiu também na Rádio França Internacional. 

A reportagem cita o caso de uma moradora da favela Paraisópolis, em São Paulo. “O cheiro de urina se mistura ao odor de fritura das cozinhas nas vizinhança, em meio ao barulho ininterrupto que gera a promiscuidade”, diz o jornal, ressaltando que esse cenário pode ser visto a poucos metros dos apartamentos “valendo milhões de reais, com piscina, varanda e sauna”, do bairro do Morumbi.

Paraisopólis, afirma, é exemplo “do contraste chocante e das desigualdades vertiginosas” existentes no país, de forma a confirmar as estatísticas que apontam que, no Brasil, a distribuição das riquezas é equivalente à da França e do Reino Unido no século XIX. “Como na época dos clássicos ‘Os Miseráveis’, de Victor Hugo, ou dos romances de Charles Dickens”, fazendo uma alusão a comparação recente feita pela revista Carta Capital.

Aprenda a investir na bolsa

A análise da correspondente do jornal lembra que, segundo a ONG Oxfam, 62 bilionários possuiriam metade das riquezas do planeta. Dois desses bilionários são brasileiros: o empresário Jorge Paulo Lemann e o banqueiro Joseph Safra.

Uma das razões apontadas para tamanha desigualdade, segundo o jornal, é o sistema de impostos, que dá ao Brasil ares de paraíso fiscal. “A renda dos lucros das empresas, paga a pessoas físicas, não é tributável; os impostos sobre o patrimônio são quase inexistentes; os sobre as heranças são muito fracos e o imposto de renda, pouco progressivo, com um limite de pagamento de 27,5%, contra 40% na França”, afirmou o pesquisador Marc Morgan Mila ao jornal. Além disso, a maior parte das receitas fiscais é fruto de impostos indiretos, vindos do consumo.

Em meio a esse cenário, a recessão contribui para o agravamento do quadro, uma vez que Dilma deixou de lado essas políticas sociais em busca de autoridade, aponta o jornal. 

“Essas medidas de austeridade podem se mostrar positivas se Brasília conseguir reformar um Estado pouco eficaz e que gasta demais, mas também pode ter um resultado negativo se os cortes no orçamento forem realizados de forma precipitada, afetando os programas sociais, a ponto de comprometer a ambição brasileira de fundar uma sociedade mais igualitária”, finaliza a publicação. 

Carteira da InfoMoney bateu o Ibovespa em 8 pontos em janeiro: você já baixou a sua?