Impeachment no radar

Oposição vai criar comitê pró-impeachment; documento deve ser lido nesta terça em Plenário

A ideia é sair às ruas defendendo o impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff

Aprenda a investir na bolsa

O líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), informou há pouco que deputados de oposição, que participam neste momento de uma reunião na liderança do PPS, vão criar um comitê pró-impeachment formado por políticos de vários partidos, inclusive da base governista, e entidades da sociedade.

A ideia é sair às ruas defendendo o impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. Avelino informou que a oposição entende que os fatos revelados na operação Acarajé, deflagrada nesta segunda (22) pela Polícia Federal, revelam que “a Lava Jato chegou ao Palácio do Planalto”. Nesta nova etapa da Lava Jato, foi expedido um mandado de prisão temporária do publicitário João Santana, que trabalhou nas campanhas eleitorais da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT. Investigadores suspeitam que Santana tenha sido pago com dinheiro de propina relativa a contratos da Petrobras.

Os deputados de oposição pretendem ler ainda nesta terça (23), no Plenário, um manifesto sobre as ações que serão tomadas pelo comitê, que terá CNPJ e receberá doações. O objetivo é retomar a ideia do processo de impeachment. Eles acreditam que o Supremo Tribunal Federal (STF) deve rever a decisão, tomada em dezembro, que invalidou o processo adotado pela Câmara dos Deputados na análise do pedido de impeachment da presidente Dilma.

Aprenda a investir na bolsa

A oposição também vai apoiar o protesto pró-impeachment convocado para o dia 13 de março pelos movimentos Vem pra Rua e Brasil Livre.

A reunião continua na liderança do PPS. Participam os partidos PPS, Solidariedade, PSB, DEM e PSDB.

Leia também:

InfoMoney atualiza Carteira para fevereiro; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa