De olho nas investigações

O sinal que a Carne Fraca trouxe também para a classe política em 2018, segundo a Eurasia

Investigações continuarão, com possíveis impactos nos segmentos empresarias e nos partidos

SÃO PAULO – Mais do que representar um forte baque para a BRF (BRFS3), com o seu ex-presidente Pedro Faria preso e as suas ações em uma verdadeira derrocada, a terceira fase da Operação Carne Fraca deflagrada na última segunda-feira (5) trouxe um sinal bastante importante também para a classe política, conforme aponta a consultoria de risco político Eurasia Group. 

“A detenção do ex-presidente da BRF mostra que as investigações de fraude e corrupção não diminuirão (…). Essa medida sublinha a visão de que as investigações provavelmente continuarão este ano e após as eleições de outubro, com possíveis implicações nos segmentos empresarias e também sobre os partidos”, apontam os consultores políticos em nota. A BRF é suspeita de burlar laudos sobre a presença de salmonela em seus produtos para a exportação para determinados países; a companhia tem reforçado que cumpre regras e regulamentos na sua produção. 

Veja mais: o que fazer com as ações da BRF após a derrocada com a Carne Fraca?

PUBLICIDADE

Outro sinal de que as investigações continuarão foi a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal), Edson Fachin, de incluir o presidente Michel Temer em um inquérito da Lava Jato no qual já são investigados os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), apesar de algum debate sobre se isso é legalmente possível. 

O caso envolve o suposto favorecimento da empresa Odebrecht durante o período em que Padilha e Moreira Franco foram ministros da Secretaria da Aviação Civil, entre os anos de 2013 e 2015. O Palácio do Planalto informou que não vai comentar a decisão de Fachin.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

“Os casos contra políticos devem avançar nos próximos meses”, afirma a consultoria. A avaliação é em linha com a fala do diretor-executivo para as Américas do Eurasia Group em entrevista ao Guia Onde Investir 2018, publicado em 5 de janeiro, em que apontou ser difícil que o ímpeto institucional das investigações da Lava Jato ser revertido.