Mantega

“O prazo de validade do Mantega já expirou faz tempo”, diz economista

"A Dilma tem que detonar o Mantega, porque ele já era. Essa atitude já demorou demais", afirmou Clodoir Vieira

SÃO PAULO – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está com a imagem extremamente desgastada no mercado. Suas promessas que nunca se cumprem e suas declarações fizeram o ministro perder a confiança do mercado. “O prazo de validade do Mantega já expirou faz tempo. Eu não consigo entender o motivo de ele ainda estar lá”, afirmou o economista e consultor da Compliance Comunicação, Clodoir Vieira.

Acompanhe a cotação de todos os fundos imobiliários negociados na BM&FBovespa

Segundo ele, o que mais prejudicou a imagem de Mantega foram algumas atitudes dele perante o mercado, como o fato de falar em nome do BC, o que tira totalmente a autonomia da autarquia, e algumas declarações infundadas.

PUBLICIDADE

Quer saber mais sobre os termos usados no mercado financeiro? Acesse o glossário InfoMoney

A impressão que o mercado tem, de acordo com analistas e profissionais do mercado financeiro, é que ele acredita que ninguém tem conhecimento nenhum do mercado e dos indicadores macroeconômicos. “Ele fala que a imagem do Brasil está ótima, que o PIB vai crescer muito neste ano e que a inflação está controlada, como se a gente não acompanhasse os indicadores e o dia-a-dia no mercado”, afirmou uma fonte que não quis se identificar.

Ainda segundo Vieira, chegamos em um ponto que ninguém mais acredita no que ele fala. Na última semana, o ministro declarou perante a imprensa: “O Brasil está bem na foto”. “Todos sabem que isso não é verdade. Ele fala isso para amenizar a situação atual do Brasil”, afirmou.

As incontáveis vezes que ele voltou atrás em suas declarações acabaram desgastando a imagem dele, de acordo com o especialista. “A Dilma tem que trocar de ministro. Essa atitude já demorou demais. Ela tinha que fazer isso antes das eleições, mas isso é muito improvável”, disse. “No entanto, se ela for reeleita, essa troca se torna obrigatória. Não vejo um cenário em que isso não ocorra”, finalizou.