Nova tensão

“O governo só quer lealdade se for a favor dele”, reclama Maia a interlocutores

Após ofensiva do PMDB sobre dissidentes do PSB cobiçados pelo partido de Rodrigo Maia, o presidente da Câmara deixou clara sua insatisfação

SÃO PAULO – A última terça-feira foi de tensão entre o presidente Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Com isso, Temer passou o dia tentando desfazer o mal-estar com Maia, após oferecer espaço no PMDB para dissidentes do PSB que negociam com o presidente da Câmara para se juntarem ao DEM.

Para desfazer o clima de tensão, os dois se encontraram na noite de ontem e, na saída do encontro, muitos aliados de ambos minimizaram o episódio. Porém, a interlocutores, Maia deixou clara a sua insatisfação, informa a coluna do Estadão: “o governo só quer lealdade se for a favor dele”, reclamou.

De acordo com a coluna do Estadão, Maia não pretende alimentar a crise. Mas fez questão de registrar com Temer sua queixa com o movimento feito.

Reforma da previdência

Oficialmente, segundo o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, o assunto discutido no jantar foi a Reforma da Previdência, dentre outros temas de interesse do governo.

“Discutimos a Reforma da Previdência, [porque] precisamos fazer uma avaliação [sobre a reforma]; a questão da sistematização e simplificação do sistema tributário; os sistemas de previdência e saúde. Foi uma reunião muito proveitosa”, disse Imbassahy.

“Tivemos uma reunião hoje no Palácio do Planalto e [foi informado que] o rombo da Previdência previsto para o ano que vem é de R$ 200 bilhões. Isso está constrangendo o orçamento, dificultando investimentos e até trazendo problemas para a prestação de serviço. Então, esse assunto tem que ser encarado com muita realidade”, acrescentou o ministro.

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), também presente ao jantar, negou que haja crise entre Temer e Rodrigo Maia. “O que existe é muito ruído, num momento como esse, que se tenta jogar as pessoas umas contra as outras. Mas a maturidade dos dois não permite que esse desencontro comprometa a relação”.

(Com Agência Brasil)

PUBLICIDADE