Não é shopping

No Twitter, Cunha defende obra bilionária e diz “não existir história de shopping”

"É importante esclarecer que não existe essa história de shopping na Câmara. Essa colocação é pura maldade dos adversários. A Câmara tem necessidade de obras no anexo 4 e tem necessidade de abrir áreas para os trabalhos legislativos", afirmou

SÃO PAULO – Em seu perfil no Twitter, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu a construção do prédio anexo na Casa, que vem sendo chamado de “shopping center dos deputados” e está orçado em R$ 1 bilhão.

Cunha afirmou que “não existe essa história de shopping na Câmara” e atribuiu a “adversários” as informações de que ele estaria autorizando a construção de uma obta deste tipo nas dependências da Casa. 

“É importante esclarecer que não existe essa história de shopping na Câmara. Essa colocação é pura maldade dos adversários. A Câmara tem necessidade de obras no anexo 4 e tem necessidade de abrir áreas para os trabalhos legislativos. Faltam plenários de comissões. O objetivo é reformar anexo 4, construir uma nova ala para transferir os gabinetes do anexo 3 e criar áreas comuns. O que se fez foi uma PMI (proposta de manifestação de interesse) para que, em havendo interessados, se possa se fazer projeto incluindo exploração de árae da Câmara”, afirmou Cunha.

PUBLICIDADE

Na quarta-feira (20) o plenário da Câmara aprovou a possibilidade do Congresso fazer PPPs (Parcerias Público-Privadas). O artigo que autoriza a Câmara e o Senado a fazerem PPP foi muito criticado, porque abre a possibilidade da Câmara fazer PPPs para a construção de prédios, inclusive de um shopping center, como vem sendo defendido por integrantes da Mesa Diretora da Câmara. 

Contudo, no Twitter, o líder da Câmara garantiu que o será construído é apenas um estacionamento com 5 mil vagas. “Essa área e completamente fora da Câmara e nada tem a ver com a sede da Câmara. Havendo interessados, a ideia é a concessão dessa área além de estacionamento para 5 mil carros, para o concessionário arcar com custo. Assim a Câmara faria a obra necessária e construiria o que precisa construir sem gastar dinheiro público. Não tem nada de shopping, e depois, essa área concedida ao fim da concessão iria para o patrimônio da Câmara”.

Ele voltou a atribuir as informações de construção de shopping a adversários ressentidos. “A minha promessa de campanha foi de fazer o anexo 5, e isso faremos de qualquer forma, com ou sem a concessão. Os que têm ressentimento da eleição fazem campanha tentando desqualificar a possibilidade de fazer obra sem dinheiro público. Alguns tiveram a oportunidade de fazer e nada fizeram. Eu não deixarei de cumprir a minha promessa, que é atender às necessidades da Câmara”.