Nível do Guaíba baixa 15 centímetros em 24 horas e atinge menor patamar em 4 dias

Por volta das 6h15, um a medição realizada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) apontou que as águas do Guaíba recuaram para 5,12 metros; mesmo assim, vários bairros seguem alagados

Fábio Matos

Aeroporto de Porto Alegre permanece fechado por tempo indeterminado (Fraport/Divulgação)
Aeroporto de Porto Alegre permanece fechado por tempo indeterminado (Fraport/Divulgação)

Publicidade

Em meio ao impacto da maior tragédia climática da história do Rio Grande do Sul, que vem deixando um rastro de destruição na capital Porto Alegre (RS) e em todo o estado nos últimos dias, esta quarta-feira (8) começou com uma boa notícia.

O nível das águas do lago Guaíba, em Porto Alegre, registrou uma queda de 15 centímetros nas últimas 24 horas, de acordo com informações divulgadas no início da manhã pela prefeitura da capital gaúcha e pelo governo do estado.

Por volta das 6h15, uma medição realizada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) apontou que as águas do Guaíba recuaram para 5,12 metros. Trata-se do menor patamar atingido pelo lago desde a tarde do último sábado (4).

Continua depois da publicidade

Apesar da redução do nível das águas, o Guaíba ainda segue muito acima da chamada cota de inundação, de 3 metros. A maior parte da cidade de Porto Alegre permanece alagada.

No bairro Menino Deus, um dos que recebeu ordem de evacuação por parte da prefeitura, novos pontos de alagamentos foram detectados nesta manhã.

O maior nível já alcançado pelo Guaíba foi na manhã de domingo (5), quando as águas bateram 5,33 metros. Até então, o recorde histórico anterior era de 4,76 metros, registrado há mais de 70 anos, na enchente de 1941.

Continua depois da publicidade

Segundo projeções do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), o Guaíba deve demorar pelo menos mais 30 dias para voltar ao patamar abaixo dos 3 metros. Em 1941, foram 32 dias para que isso ocorresse.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”