Conteúdo editorial apoiado por

Número de segurados no Brasil é muito baixo e precisa ser ampliado, diz CNseg

Especialistas de mercado estimam que a perda segurada que as enchentes causarão tem o potencial de ser a maior associada a um evento climático no País, mas deve cobrir no máximo 10% do total

Estadão Conteúdo

Rio Grande do Sul continua sofrendo com os efeitos das fortes chuvas em todo o estado (Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Publicidade

O diretor técnico e de estudos da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Alexandre Leal, afirmou que eventos como as enchentes no Rio Grande do Sul são um exemplo dos motivos pelos quais o setor de seguros precisa ganhar maior participação na economia brasileira.

“O número de segurados no Brasil é muito baixo, nós precisamos ampliar”, disse ele, durante webinar promovido na sexta-feira (17) pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) para tratar do papel dos seguros para a proteção financeira nas enchentes que o Estado enfrenta nas últimas duas semanas.

Especialistas de mercado estimam que a perda segurada que as enchentes causarão tem o potencial de ser a maior associada a um evento climático da história do País. Entretanto, também afirmam que essa perda deve equivaler a algo entre 5% e 10% da perda econômica total, diante da baixa participação do setor no PIB.

Continua depois da publicidade

Leal disse que o seguro obrigatório para proteção contra catástrofes, proposto pela Confederação no ano passado, poderia estar pagando indenizações em um momento como o atual.

Pela proposta da CNseg, este seguro teria preços abaixo de R$ 10 por mês, e seria cobrado através das contas de luz de consumidores de todo o País.

A indenização seria de R$ 15.000 por residência e de R$ 5.000 a cada óbito. A proposta foi desenhada diante de uma série de eventos climáticos extremos, como as enchentes ocorridas no Rio Grande do Sul ano passado, muito menores que as deste ano.